Mostrar mensagens com a etiqueta corinthia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta corinthia. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Deixei que a minha filha fosse massajada por um homem.

Credo, estou cada vez mais perto de criar títulos para o Correio da Manhã mas, de facto, é assim que a minha cabeça funciona, com títulos sensacionalistas. Na primeira vez que fomos fazer uma massagem ao The Spa do Corinthia Hotel Lisbon, veio uma dupla de massagistas ter connosco: o Luís e a Marta. À partida, decidi logo que quem iria massajar-me seria o Luís. Não consigo explicar bem tudo o que senti, mas era óbvio para mim. 

A Irene pediu ao contrário. Pediu que fosse o Luís a massajá-la e eu... ali.... pensei... "pá, o que é que pode acontecer?". 

Será que sou só eu que tenho estes pensamentos negativos neste tipo de situações? Espero que não. Ou espero que sim, sei lá. 

O que aconteceu nessa mensagem foi fabuloso. Tanto que quisemos repetir e, melhor, a Irene exigiu (ahaha um exigir de um ser de 4 anos) que fosse o Luís e conseguiu-se. 





Nesta experiência, do The Spa for Kids de Mães e Filhos/Pais e filhos, o que está incluído é um banho de espuma com duas massagens às costas e duas mini faciais. 

A Irene desta vez chegou mesmo a adormecer com o cafuné do Luís e eu, toda comovida, na marquesa ao lado e ainda a gozar também da minha massagem. 

Se na primeira massagens ela me mandou beijinhos e me deu a mão, na segunda adormeceu. Na terceira como será? 

Espero que um dia tenham oportunidade de ter esta experiência (ou semelhante) com os vossos filhos. Podem sempre tentar fazer um SPA em casa, por exemplo. Já fiz muitas massagens à Irene em casa. :)

Sempre que quero sentir-me mais feliz, esta é uma das imagens a que eu volto: nos as duas nesta massagem. 


domingo, 18 de novembro de 2018

Já não podem com eles? #estounomesmobarquinho 😏

Acho que já vos contei que a Irene e eu andamos assim numa fase mais desencontrada de momento. Estamos ambas a lidar com "coisas" e, assim, juntas, temos menos capacidade de... compreensão e de tolerância, ao mesmo tempo que temos imensas "saudades" de quando tudo está mais tranquilo. 

Recentemente senti que a minha vida estava novamente a afunilar, com aquela sensação totó do "ando a mil" quando, na verdade, depois vinha a verificar que a maior parte do stress era falso e estava só a fazer uma má gestão da minha cabeça e do meu tempo. Cheguei a desinstalar o instagram durante uma semana e tudo - uhh, o drama e o horror!

Tal como já escrevi aqui no Quero Ser Mais Feliz Que Isto #3, apercebi-me que não me andava a fazer nada bem associar os momentos de descanso, de férias, apenas ao Verão. Pensei: e se for arejar neste fim-de-semana? 

Houve um momento em que olhei para a Irene meio desamparada (foi de manhã à pressa para sairmos para a escola), peguei-lhe ao colo e disse-lhe: "Nós precisamos é de umas valentes férias, não é?". Ela, que não costuma ser muito de dar carinhos a torto e a direito abraçou-me e deu-me um beijinho à esquimó.

Claro que me desfiz toda. Senti mesmo que houve ali uma agradecimento. Afinal de contas, a crescida sou eu, eu é que tenho de tentar resolver as situações e de dar o exemplo à miúda de como reagir em momentos de stress, etc. Não quero que ela tenha de descobrir tudo sozinha quando for adulta. 

Corinthia Lisbon Hotel


Lembrei-me daquele dia paradisíaco que passámos há uns tempos no Corinthia Hotel Lisbon (5 estrelas, babies), leiam aqui "Nada nunca nos fez tão felizes". Pode parecer ridículo, mas é a menos de 5 minutos de nossa casa (calma, stalkers) mas é o ideal para uma escapadinha rápida (aquela noção de andarmos "a mil" às vezes faz com que tenhamos de ser práticas em tudo, não é?). 

Corinthia Hotel Lisbon
Antes de comermos sopa de batata doce e abóbora e marcharem uns quantos mini hambúrgueres.


Voltamos a aproveitar a massagem para Mães e Filhos no The SPA (conto-vos noutro dia) e fomos estrear o novo restaurante do hotel: "ERVA".  Não, não se pode fumar lá dentro - pá, tinha que ser. 

Recentemente (há coisa de um ano) fui a uma das zonas hipsters de Londres (Shoreditch) e reparei na quantidade de restaurantes com bom aspecto, com cuidado e tudo hipster ultra instragramável, como agora está a acontecer em Lisboa aos brunches, por exemplo - que tenha reparado. Este ERVA podia muito bem estar por lá. O DJ ao vivo com uma playlist fantástica e adequada, o cenário urbano mas com espaço. Sem ter confusão. 


Tinha acabado de entrar e já sabia que era o meu restaurante preferido. Vá, neste momento está em ex aequo com outro, mas... no outro tive que jantar para pô-lo no top.

Restaurante Erva

Ainda por cima a carne é tratada com aquele protagonismo que tem para mim. Nada se sobrepõe a um bom naco de carne mal passado, bem temperado quando se tem vontade de comer. Ah! E os cocktails? Há um senhor que vem à mesa só para isso, atirei-me para o do dia (o cocktail, não o senhor) e foi... fantástico (o cocktail...). 

A Irene foi mimada por todos, com uma atenção especial de um dos empregados que a deixava toda envergonhada e ainda melhor foi depois subirmos o elevador para o quarto. Barriguinha cheia, depois de um spa à tarde e caminhas das melhores que já apanhei em hóteis (e eu adooooro hóteis) para descansar. 

Foi apenas um dia, mas valeu-nos de muito. Mesmo. 

Às vezes precisamos de parar para recomeçar, já dizia provavelmente o Gustavo Santos porque o rapaz farta-se de falar e, por isso, já deve ter dito isto também.