terça-feira, 27 de novembro de 2018

Posso casar todos os anos?

Ainda tenho o dia bem guardado na memória. Passou rápido mas foi muito bem saboreado. Senti que, como éramos poucos, conseguia ir estando um bocadinho com cada. A par da cerimónia, que foi o momento mais intenso do dia, cheio de frases de amor, promessas e choro, houve momentos cheios de gargalhadas e em que nos divertimos, brindámos e tirámos o pé do chão.

E o Tiago estava em cada um deles. O Tiago é o DJ Worp, caso se pensem casar ou saibam de alguém que esteja à procura de DJ numa festa ou num evento. Ele é mesmo muito bom. Tinha amigas durante o cocktail a pedirem-me o contacto porque a música que estava a pôr era mesmo boa. E houve vários momentos em que ele fez a diferença, além do cocktail e da festa (para a qual tínhamos dado uma playlist pequena, apenas indicativa dos possíveis moods): 

- eu entrei ao som de uma música linda - Into My arms, um cover do Nick Cave
- depois, no jantar, cantei, de surpresa, Somewhere Only We Know, dos Keane, uma música especial para ambos, já que marca a altura em que começámos a namorar e em que o David me levou a um concerto no Porto, a nossa primeira escapadinha a dois; 
- dancei com o meu pai By Your Side, da Shade, uma música que ouvíamos vezes sem fim no carro, ainda com cassete e, também, a Mafiosa (sim, sim, isso)
- dançámos, com as miúdas, uma música de que elas gostassem (acho que foi o Você Partiu Meu Coração ou algo do género) e depois dançámos mais umas horas com os amigos e a família, avó Rosel incluída - deu Show! Houve de tudo: anos 90, 2000, pop, pop rock... por aí fora.

A festa foi muito gira! Ainda por cima, o David, que era, dos dois, quem não fazia questão de cantar, adorou o dia! Há lá melhor sensação? Gostava de repetir. <3

As fotografias da Inês (Yellow Savages) e da Joana (The Love Project) não têm som mas deixam que se perceba a ramboiada que para ali ia :)





























Fotos:
Inês - Yellow Savages


Mais posts do casamento aqui.


Sigam-nos também no Instagram:

1 comentário:

  1. Que giro, Into my arms foi também a minha música de entrada na igreja (pausa para momento mete nojo: tive o meu grupo de amigos a cantar para mim :) )

    ResponderEliminar