segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

O pior de ter dois filhos são as BRIGAS!

Antes da Luísa nascer, eu achava que o difícil iria ser dar atenção às duas. Tinha até receio de não amar tanto o segundo filho como o primeiro (como assim amar alguém como amava a Isabel? Parecia-me impossível, de tão arrebatador que era aquele amor). Ou então o pior de tudo seriam as doenças que andariam a passar entre elas, tipo batata quente. Ou as noites. Mas não.

Chego à conclusão que o que me desgasta mais de tudo é gerir a relação entre irmãos. Com idades próximas, a disputa pela atenção e pelos mesmos objectos e jogos é mais que muita. As vontades nem sempre coincidem. E quando eu achava que a Isabel já estava bem longe de morder, eis que aprende esse truque com a mais nova.

Nem sempre o "não se morde", "não se bate", "as mãos não são para bater" resultam. Às vezes temos mesmo de as separar. Às vezes zangamo-nos. Ou temos de mostrar que não ficamos felizes com a forma como resolvem as situações. Tentamos dar exemplos. Explicar que se só há um copo vermelho e ambas querem esse copo, temos de decidir quem fica com o copo nesse dia e no outro será a outra a ficar com ele. Ou a partilharem. A brincarem juntas. Ou a saber esperar.
Não é fácil.


Coisas que percebi que vão resultando. Querem saber?

Cortar com tudo o que é TV, tablet e telemóveis durante a semana
Na semana antes de ir com o David de férias, fi-lo e achei-as muito menos conflituosas, mais amigas e mais calmas. Confesso que o tablet ou a TV com desenhos animados ou com as músicas da Disney que elas adoram) me dão muito jeito para quando estou a dar banho à mais velha (para que a outra não se arme em Picasso a pintar-me as paredes todas, já aconteceu...), mas arranjei outras alternativas. Pode ser mais desgastante nesses momentos, mas compensa. Fomos mais felizes. Vamos repetir já hoje: ponho as músicas que elas gostam no Spotify e pronto.

Criar momentos de "filho único"
Ainda ontem o David foi com a Isabel ao estádio da Luz e a Luísa ficou em casa comigo. Foi bom para todos! A Isabel estava radiante e a Luísa dormiu a sesta no meu colo, na sala. Ambas tiveram atenção especial e tenho a certeza de que lhes soube pela vida. Somos uma família os quatro, mas cada um de nós tem ritmos e gostos diferentes. Se alimentarmos as relações entre cada parelha, pode ser bom, mais calmo e pode dar espaço para todos criarem cumplicidades.

Não fazer comparações e alimentar despiques entre elas
É das coisas mais difíceis de se conseguir. Parece que já nos está na ponta da língua um "a tua irmã já está pronta", "a Luísa já acabou de comer, anda lá". Ou um "o primeiro a chegar é não sei o quê". Até parece dar jeito na altura, mas só alimenta a rivalidade entre elas. Noto que quando reforço a empatia entre ambas e a entreajuda funciona muito melhor: "Isabel, como já te calçaste, podes ajudar a tua irmã?"; "Luísa, vamos ajudar a mana a comer o que falta? Para quem é a próxima garfada?"

Respirar fundo e não perder a calma
Ui. Bem sei que custa. Mas se elas nos vêem agressivas e chateadas constantemente é muito provável que o reproduzam. Alimentar o clima de tensão em casa não ajuda em nada. Uma comunicação positiva, com regras firmes, mas sem violência, chantagens e castigos (mas assente em consequências que façam sentido para cada acção), ajuda e muito. Ajuda a que tenhamos todos uma relação baseada na confiança e na cooperação e que elas sejam as primeiras a sentirem à-vontade para expressar as suas frustrações e necessidades e a serem empáticas uma com a outra. Não há nada que me deixe o coração mais cheio do que ver a forma como brincam com os bonecos delas e as expressões que usam com eles (e até uma com a outra): uma réplica do que usamos. É algo a melhorar, todos os dias.

Querem deixar algumas dicas?

2 comentários:

  1. Oh Joana...gostei muito. Está muito bom.
    Obrigada por racionalizares.
    😊

    ResponderEliminar
  2. Temos 2 crianças de 2 anos e este é o meu livro de cabeceira: https://www.wook.pt/livro/irmaos-sem-ciumes-adele-faber/19291936. Vale a pena!

    ResponderEliminar