1.16.2015

Vácinas: sim ou não?

Sei bem que não é uma palavra esdrúxula, mas gosto de dizê-la com sotaque nortenho: vácinas.

A Isabel levou a Rotateq e a Prevenar, além de todas as incluídas, claro, no Plano Nacional de Saúde. Claro, não. Atenção que não é assim tão óbvio, porque há pais que não concordam com a vacinação e assinam um termo de responsabilidade. Não é muito comum em Portugal (cerca de 95% vacinam), mas existem. Os possíveis efeitos secundários e o medo que, a longo prazo, as vacinas possam trazer complicações graves ou doenças como o cancro, inibem alguns pais na hora de vacinar os filhos.

Mas também é claro que cá estamos todos, em parte, devido à vacinação. Uma criança não vacinada pode representar um risco e há riscos que não queremos correr. Nem quero imaginar a dor e o sentimento de culpa de um pai em confrontação com uma doença num filho que poderia ter sido evitada com a vacinação.


Sou pró-vacinação, mas recentemente deparei-me com a Bexsero (contra o Meningococo B) e fiquei cheia de dúvidas. Vacinar é um processo seguro, ajuda a irradicar as doenças e nem tudo se pode resumir à pressão da indústria farmacêutica, mas mais uma vacina? 100 euros cada dose? Bolas! E a célebre questão: se é assim tão importante, por que não está no Plano? Falta de pilim, já ouvi falar, sim.
Mas a sério que vou encher o corpo da minha filha com mais bicharocos, provocar-lhe febre e mal-estar?

Cheia de dúvidas, leio isto:

"As meningites por meningococo são responsáveis pela forma mais agressiva desta doença [a meningite]. Ele circula entre nós no trato respiratório dos seres humanos, podendo passar de um portador assintomático para uma criança, deixando-a doente. A forma mais eficaz de controlo da infecção meningocócica é a vacinação. Na Europa, predominam o meningococo B e o C. Para este último, nós já tínhamos a famosa Meningitec, incluída no PNV desde 2006. Muito à custa desta vacina, a chamada doença meningocócica tem diminuído de frequência (0,8 por 100 mil habitantes em 2011). Ainda assim, leva à morte em 5% a 14% dos casos, sendo que 11 a 19% dos doentes sobrevivem com alguma sequela a longo prazo - sequelas neurológicas, perda de audição, alterações cognitivas, cicatrizes cutâneas e amputações. Também à custa da vacina contra a estirpe C. a percentagem de meningococos do tipo B cresceu nos últimos anos, sendo actualmente 72% dos N. meningitidis isolados. É neste contexto que agora surge a Bexsero, para prevenir estes meningococos do tipo B.

A vacina foi testada em laboratório e ensaios clínicos e demonstrou ser imunogénica e segura."
(no Blogue de um pai e cirurgião pediátrico "E os filhos dos outros")


Vocês, o que vão fazer? Vão dar ou não a Bexsero? O que recomendam os pediatras dos vossos filhos?

1.15.2015

O stress das festas de anos

Vem aí a festa de aniversário das miúdas. A primeira de muitas! Que alegria, não é?

É uma altura de sonho: está quase a chegar a altura dos cupcakes, dos bolos todos embonecados, dos balões e bandeirolas penduradas, do cor-de-rosa e das gomas... das crianças histéricas a correr de um lado para o outro para chamarem a atenção dos adultos, a partirem tudo o que encontrarem em casa (isto para as que caem na esparrela de fazer em casa. Senhoras: onde tendes a cabeça?), a calcarem o dedo em todos os bolos com creme e a darem cabo da mesa, tão linda, e a estragarem aquela dentição de leite com tudo o que é corante.



A mãe esbaforida com olheiras até aos joelhos de ter estado até às 4h da manhã a fazer popcakes ou lá como se chama aquele bolo/bombom/chupa (podem parar de complicar?!), a pôr lacinhos e fitinhas em tudo o que é copo e taça e mais coisas houvesse e a encher balões até desmaiar. Tão bom, uma festa!


E o T2 minúsculo cheio de criançada e amigos e familiares, mas onde é que eu estava com a cabeça quando achei que cabiam 40 pessoas nesta casa e ai! que já não aguento mais gritos, pelo amor da santa, calem-me estes miúdos, mas por que é que eu não aluguei uma sala com insufláveis em Saturno com voo só de ida? Tão bom, uma festa!

E o ursinho que eu quis moldar com pasta de açúcar que parece um panda deficiente e triste e o bolo que queimou por baixo, caraças, mas se eu tirar a camada de baixo pode ser que ninguém note, só fica mais baixo. Tão bom, uma festa!


Ufa! Acabou a festa. O caos, o drama, o horror. Deus me livre de fazer festa para o ano.

Ano seguinte: festa lá em casa! Estão todos convidados!


*imagens do We Heart It

Inventam tudo (#04)

Tem uma casa de banho pequena? Não quer dar cabo das suas costas debruçada sobre a banheira? Quer ir de viagem com o bebé e não quer andar com a casa às costas?
Então, a solução pode ser o Puj Tub! Compre já! Se ligar nas próximas horas, receberá um fantástico trem de cozinha!

Desconhecia por completo este suporte maleável e dobrável que resolve de certeza alguns dos problemas de falta de espaço e talvez signifique menos umas idas ao fisioterapeuta.

A história desta invenção é gira! Então o Ben e a Katie eram designers, casaram e trabalhavam para empresas concorrentes. Até que a Katie decidiu ficar em casa com os três filhos. Ora só uma mãe a lidar com os problemas do dia-a-dia podia ter tido esta ideia de génio!

Gostei!

Ó senhores dos brinquedos...

Ó sefáfavor:


  • Por que é nem todas as marcas têm um regulador de volume? Estou a borrifar-me se aqueles são mais educativos que os outros, comprarei sempre aqueles que dê para pôr mais baixo, os que respeitam os pais. Nunca compraria uma aparelhagem (até porque isso já nem se deve vender) que só desse para ter num determinado volume. E se passassem Além Mar, como era? 

  • Senhores de uma determinada marca de brinquedos com tantos c's quanto a Cicciolina: qual é a vossa de prenderem os bonecos à caixa como se eles estivessem no corredor da morte? Já repararam que quem pegue na caixa, pega também no brinquedo, se o quiser roubar? Tirar tanto arame para dar o brinquedo à miúda é estúpido, lembro-me de quando tive de tirar o meu aparelho e não foi uma boa experiência.

  • Que raio de vozes são aquelas? Eu imagino sempre as pessoas que gravam as vozes para os brinquedos e a do ursinho falante parece-me uma jovem adulta em ácidos e o da quinta parece um velho pedófilo. Que raio de castings são estes? Recuso-me a admitir que o problema possa ser meu.

  • Não existem borboletas todas verdes, nem porquinhos com o seu próprio quarto. Para quê mentirem aos miúdos?

  • "Têm duas asas pequeninas, tão alegres e traquinas, voam para lá e voam para aqui. São duas abelhinhas que gostam de ti" - A miúda vai achar que as abelhas são amiguinhas. É esta a ideia? Ir lá fazer-lhe uma festinha quando vir uma estacionada na mesa do jardim? 

  • E, já que fazem isto há tantos anos, seria assim tão parvo se se dedicassem um pouco a inventar uma maneira deles se arrumarem sozinhos? Ou, já agora, de virem cá vocês arrumar as coisas que fizeram? 

Alguém quer acrescentar alguma coisa? Vou hoje pôr isto no correio.


´
*imagem do site We Heart It. 

1.14.2015

O período voltou! Feeeeeeesta!

Yeah! Confettis! Alegria! Mulheres a desfilar super confiantes como nos anúncios a tampões e a pensos higiénicos! Porque é tão bom ter o período, é tão divertido e feminino! Apetece logo dançar! Só que não.

Já não sabia o que era ter isto há bom... 9 mais 9 são 18... mais um mês... 19 meses. 19 meses santos sem a história (ou estória? nunca percebi), as regras, o red, a menstruação, o benfica a jogar em casa, como lhe queiram chamar.

Lembro-me bem da primeira vez. Andava no ciclo doidinha para ter o período, até cheguei a usar pensos da minha mãe só porque sim. Parva da miúda. Até que no dia em que apareceu eu tinha combinado ir às piscinas com as amigas e estava eufórica porque ia lá estar um rapaz de quem eu gostava. O destino é tramado. Ai queres o período, miúda de 13 anos com a mania? Então vá, chora lá um bocadinho. E chorei.

Anos mais tarde, chorei com dores.

Depois, chorei de alegria quando o deixei de ter porque engravidei.

E agora só não choro porque sou uma senhora crescida. Odeio, odeio, odeio.

Mas espera: vamos lá pôr uma música e festejar! Sentes-te limpa, sentes-te bem, o car42%0!!!




Já somos famosas! (#01)

Tem graça, tem graça, mas estou cheia de moral. Decidi que isto ia ser uma rubrica: as nossas referências na comunicação social. 

É bem provável que seja só esta, mas vá... chiuuu... alinhem nisto!

Parece que a nossa entrevista à querida Margarida Neuparth, mãe do Santi e esposa (mesmo que não sejam casados, têm uma tatuagem igual e um filho, é esposa e acabou!) de Adrien Silva foi citada numa revista (na revista J que vem com o jornal O Jogo).  Yeahhhhh!!!!! Agora estão eles a fazerem uma festa por terem sido citados por nós (not). 

Obrigada às mães do nosso grupo de "mamãs de Março de 2014" que apanharam isto (antes isto que uma gripe). 

E a mãe que trabalha na revista, se quiser, acuse-se! O mais provável é que tenham sido jornalistas que tenham a Margarida no Facebook, mas deixem-me sonhar.


Mães que tudo sabem (#04) - Catarina Raminhos

Quando a Catarina Raminhos me contou que estava grávida, chorei a antever o que aquele bebé iria sofrer nas mãos do pai. Mentira, chorei de felicidade. E hoje choro a rir com as saídas da filha mais velha, a Maria Rita.
A Maria Rita tinha dois anos quando a Maria Inês nasceu e a família Fernandes Raminhos ficou ainda mais bonita.

Sou amiga da família e tenho acompanhado o crescimento das Marias e comprovo: apesar do pai que lhes calhou, elas são miúdas muito felizes! Fora de brincadeiras, o pai das Marias é o António Raminhos, aquele humorista barbudo e alto que ultimamente tem feito os vídeos mais fantásticos de sempre.
Este é o meu preferido, vejam. Como irritar uma criança? Ele consegue e é hilariante! E a Catarina, o que pensará ela disto?

Vocês são namorados desde sempre. Quando é que começaram a pensar em filhos?
Um dia pusemo-nos a fazer contas. "Bom, namoramos há 10 anos, vivemos juntos há 5, casámos há 2, portanto está na altura de nos metermos noutro sarilho". Não, foi um processo muito natural. Sentimos que era boa altura, fui à farmácia comprar ácido fólico, marquei consulta com o médico de família e passámos à parte gira dos treinos. Depois de uma primeira experiência que não correu bem, lá chegou a Maria Rita.



O Raminhos é o melhor pai do mundo?
É. E isto nem sequer é um elogio. É uma constatação.

Há pessoas que se chateiam com os vídeos que ele faz, mas outras dizem, a gozar, que a Segurança Social vos vai bater à porta. Como lidam com a falta de sentido de humor de algumas pessoas?
Há poucas coisas mais subjetivas que o humor. Uma coisa que para mim é hilariante para outra pessoa pode ser ofensivo, precisamente porque o humor tem que ver com as nossas referências, contexto e sensibilidades. Quem vê é livre de achar piada ou não. Mas há pessoas que gostam de ir mais longe e partir para o insulto. A essas peço apenas que esperem pelo próximo vídeo, pode ser que gostem mais...

Como te sentes ao ver as tuas filhas mais expostas? Falaram sobre isto?
Falámos muito sobre isso. Até hoje, nunca coloquei uma foto de rosto das minhas filhas no meu facebook (e só tenho 700 e tal "amigos"). Este nível de exposição assustou-me no início, mas houve um "detalhe" que me fez concordar com os vídeos: o facto de as brincadeiras serem genuínas e refletirem a relação do pai com elas. Não há ali nada de falso ou ensaiado, são situações espontâneas e que sempre estiveram presentes. Aquilo são eles.

Elas têm dois anos de diferença. Esse tempo foi pensado ou o preservativo rompeu-se? :)
Foi uma decisão "kamikaze". Não queríamos ter só uma filha e não queríamos esperar por noites bem dormidas para ter a segunda - e voltar dolorosamente às fraldas, aos turnos noturnos e aos biberões. Assim, "encomendámos" a Maria Inês e adiámos as noites bem dormidas. Aliás, continuamos ansiosamente à espera delas...       




Que tempo achas ideal para a diferença de idades entre filhos?
Acho que não existe tempo ideal, depende da dinâmica de cada família ("dinâmica de família" agora usa-se muito e eu tinha de enfiar aqui). Nós optámos por esta estratégia e, apesar de no início ter sido muito duro, porque tínhamos duas bebés nos braços, depois compensa. Agora já brincam muito uma com a outra, conversam e acabam por não depender tanto de nós e não exigir tanto a nossa atenção. Ou seja, já dá para fazer o jantar de seguida, num tempo aceitável, e tomar banho (incluindo lavar o cabelo) sem que haja outro adulto por casa. 

Do primeiro para o segundo filho, a tua vida mudou mais do que esperavas?
A vida muda quando se é mãe. Quando tivemos a Maria Rita tudo mudou. Quando veio a Maria Inês, tivemos de fazer alguns ajustes e tornámo-nos um bocadinho mais elásticos (ainda bem que o coração também é elástico e isso acaba por compensar tudo de forma muito justa e equilibrada).

As Marias dormem no mesmo quarto. Isso corre bem ou às vezes dariam um dedo mindinho para que elas pudessem ficar separadas?
Corre bem, raramente acordam com o choro da outra. Mas na verdade, elas gostam mesmo é do quarto dos pais porque invariavelmente, dê a noite as voltas que der, acabam as duas enfiadas na nossa cama. (Sim, já sei que não se pode, nem se deve e tem de se contrariar. Mas quando estamos muito cansados prevalece o "que se lixe que daqui a alguns anos não vão querer dormir connosco e isto é só uma fase").





Como é que gerem os ciúmes das duas, se é que o têm?
Quando a Maria Inês nasceu a mana tinha muitos ciúmes e só lhe faltou fazer o pino para chamar a atenção. Mas depois passou-lhe - também porque tentámos equilibrar a coisa. Reclamam o mesmo tempo, atenção e quilos de beijos. Mas isso parece-me justo :) 

Elas são muito diferentes? E vocês cultivam essa diferença?
Elas são muito diferentes. O que têm de mais parecido é o nome (mais tarde podem agradecer ao paizinho!). Mas são diferentes em quase tudo, mesmo nas aquisições (outro termo muito in nos consultórios de pediatria e centros de pré-parto). A mais velha começou a falar e a andar primeiro, mas a mais nova com dois anos já não usa fralda. Acho que em comum só têm o facto de serem lindas ;)

Gostas mais da Catarina mãe ou da Catarina antes de ter filhos?
Sem qualquer dúvida, da Catarina mãe. Se bem que muitas vezes olho para a "Catarina antes de ter filhos" e invejo-lhe o tempo livre, as idas ao cinema, os jantares com o namorado, e por aí em diante. Mas depois vejo a desgraçada sem crianças e acabo por sentir pena dela (isto, claro está, porque ela/eu sempre quis ser mãe).   


O que deixaste de fazer depois de ser mãe e que tens mais saudades?
Deixei de gerir o tempo em função do que quero fazer e passei a geri-lo em função do que tenho de fazer. Tenho saudades dessa liberdade de não ter obrigações. "Não há sopa feita, paciência, vamos comer a qualquer lado" ou de pensar, numa sexta à noite, que fixe fixe era irmos de fim-de-semana para qualquer lado... e irmos.  
  
Decidiram ir viver para uma aldeia no campo. O que te atrai aí?
Tudo. O verde, a paz e o espaço que existe para brincar e crescer "lá fora". A vida em comunidade, os vizinhos que penduram sacos com laranjas na porta, o metro quadrado de ervas aromáticas, o telheiro onde se reúne os amigos. E mais que ainda não sei mas vou descobrir.      



Que valores achas mais importante passar-lhes? E o pai? (Pergunta-lhe aí que isto está a ficar demasiado sério...)
Não vivemos obcecados com isto, mas acabamos por insistir na partilha - talvez porque muitas das birras delas surjam em torno dos brinquedos que são de uma ou de outra. E não queremos que cresçam egoístas, valha-nos Deus! Para o pai, "o mais importante é não levar a vida demasiado a sério". E eu concordo. 

Com uma mãe a trabalhar em televisão e um pai humorista, as miúdas não vão querer trabalhar num banco ou num laboratório, ou será que vão? Estão proibidíssimas de seguir as vossas pisadas? ;)
É proibido proibir! Acho que têm de seguir o caminho que as fizer mais felizes. Isto soa muito a frase-feita, mas acredito mesmo que deve ser assim.

A próxima filha vai chamar-se Maria quê? Se for menino será Maria também? (vá, não vale a pena dizer que fecharam a loja, sem responder à pergunta primeiro!).
Se for menina não faço a menor ideia, porque não há mais nenhum nome que goste ao lado de Maria - e não ser Maria não faz sentido, porque ia crescer com complexos de inferioridade e a achar que tinha sido encontrada no lixo. Se fosse menino seria João Maria, não por ter "Maria" no nome, neste caso - juro! - mas porque tem um significado especial para nós. No entanto, Joana, lamento informar-te que a loja está mesmo fechada. Não voltarás a chorar com a notícia...


Alguma pergunta que nunca te tenham feito como mãe, mas que gostasses de responder?
Eu acho que se me perguntassem simplesmente o que é ser mãe eu daria a sábia definição que um senhor pedreiro me deu a mim e ao pai delas quando nos mudámos para a nossa casa: "ser mãe e ser pai é ter o coração ao alto". É mesmo. E não só por uma questão de Fé - ele tem de estar ao alto porque alegra-se, aflige-se e cresce todos os dias um bocadinho e às tantas não cabe todo cá dentro. 


A Mãe é que sabe?
A mãe é que sabe. Sempre ;)

Obrigada, Catarina! 

*fotos lindíssimas da Adriana Morais

1.13.2015

Os amigos que, afinal, vão e vêm.

Uma das grandes preocupações das mães quando pensam em engravidar são as repercussões que tal poderá ter na vida social: o sair à noite, o jantar fora, as férias, os cafés com as amigas, etc. 

Não tive de pensar muito nisso porque não sou um ser de muita frequência social. Quando estou num desses planos, sou tão social que pareço aquelas pessoas que não são "ninguém" mas que, por irem às festas todas, até aparecem nas revistas. Não digo nomes, só porque não sei. Mas, a verdade é que não sou de sair.

Porém, reparei que a minha vida levou uma reviravolta também a nível social. Não sei se terá sido por ter, primeiro, enveredado por uma relação séria (esta) e isso ter dado origem a uma bebé, ou se terá sido o facto de ser mãe e de isso afastar algumas pessoas.

Sei, em conversa com outras mães, que é normal perderem-se alguns amigos. Talvez os da rambóia. Aqueles com quem nunca privámos muito sobre os nossos sentimentos, aqueles mais profundos do que "tenho sede, já bebia alguma coisa". 

Eu gosto sempre de "limar arestas", de acabar com coisas, de diminuir o número... gosto de filtrar. Porém, confesso que, desta vez, não foi uma acto de minha escolha. Aconteceu normalmente. Houve mesmo pessoas que se afastaram.

E também houve pessoas que me deixaram triste por não terem acompanhado toda a gravidez e o até agora crescimento da minha filha. Não sei porquê, fiquei muito sensível em relação a isto e comparo a ausência destes momentos quase como se eu tivesse internada no hospital à beira da morte e não irem ter comigo na mesma. 

Não quero que o façam por obrigação, mas já passaram 10 meses. Dez meses em que, alguns, já viram uma vez a miúda, outros nem por isso (escusado será dizer que já nem sei quem são). 

A surpresa agradável é que, passados uns bons 7 anos e muito por ter engravidado e ter a Irene, também voltei a ter uma amiga. Era minha amiga do secundário, deixámos de falar por "coisas da vida" (que nenhuma das duas se lembra bem, mas provavelmente ciumeira de uma outra amiga minha, sabem como são as amizades entre grupos de mulheres). A Inês voltou a falar comigo e, agora, é uma das tias da Irene. Uma que vejo praticamente todas as semanas desde que voltamos a falar. 

Fomos ao parque no outro dia e soube muito bem. Até a Irene começar a fazer das suas, claro. 

É bom sentir que se ganhou algo tão importante. Sei tanta coisa sobre a Inês, mas tanta. Informação que não usei durante os últimos 7 anos, mas que ainda cá está, sempre esteve.

Obrigada por teres voltado, Inês. <3













Alguém que também tenha tido de fazer contas às amizades?

a Mãe dá (#03) - Livros com a Marcador

Depois do sucesso do anterior "a Mãe dá - Livros com a Marcador", achámos por bem repetir. Nem que seja por ter ganho um par de homens (que não têm nada a ver um com o outro) e querermos também oferecer estes magníficos brindes da montra final a mães. Não estávamos mesmo nada a contar que os sacaninhas se infiltrassem para aqui, mas não tem mal. Sem homens, não haveria mães e esses homens são filhos de mães também. São todos bem-vindos, ó caraças. 

Quais são então os magníficos prémios? Senhor que está lá em cima a fazer voz de rádio no Preço Certo, pode falar!

Temos um livro de cada espécie para dois vencedores (ou vencedorAS, grrr ;))


Coisas Nada Aborrecidas para Ser Muito Feliz

BESTSELLER INTERNACIONAL 
100 000 EXEMPLARES 





Mergulha nestas páginas e deixa-te surpreender pelo mundo de Mr. Wonderful, do qual irás sair transformado e com um enorme sorriso. Ler estas páginas é um banho de mar em Agosto, é ficar com dores de barriga depois de tanto rir...

Tens nas tuas mãos um decálogo ilustrado sobre a felicidade explicada com quem fala com um amigo, sincero e transparente.

Coisas nada aborrecidas para ser mais feliz é o livro menos livro do mundo: é uma experiência, um sorriso, é como um espelho, um presente, é um caderno e um álbum.

Este livro é simplesmente um momento de boa disposição garantido.



Pais Que Educam, Professores Que Amam

UM LIVRO FUNDAMENTAL PARA PAIS E PROFESSORES!



Qual o segredo para ser um bom professor? Conhecer bem a matéria? Dominar plenamente as grandes teorias pedagógicas? Saber motivar os alunos? Ter a capacidade de estabelecer relações de amizade? Interagir positivamente com os pais e restantes elementos do processo educativo? 

De leitura fácil e orientada para o desenvolvimento pessoal de pais e professores “Pais que Educam, Professores que Amam” faz-nos repensar as nossas atitudes e posturas relativamente à educação que oferecemos aos nossos filhos e aos nossos alunos.

«Educar é por um lado dirigir os alunos e por outro estimulá-los, de forma a que por eles mesmos descubram coisas e participem.»

Neste livro, o professor Joaquim Machado partilha a sua experiência de mais de trinta e cinco anos ligados ao ensino e à educação em Portugal. 

Partindo de histórias e acontecimentos reais, relata-nos as suas próprias experiências e vivências, através de pequenos capítulos, escritos de forma clara e simples, motivando pais e professores a rever a modo como encaram a educação e oferecendo, ao mesmo tempo, ferramentas e conselhos preciosos para quem se preocupa não só em fazer, mas também em fazer bem.

Para participar é preciso:

1) Fazer like na página da Marcador

2) Fazer like na página d'a Mãe é que sabe (mas isso já está, não é?)

3) Partilhar publicamente este link no perfil do Facebook

4) Preencher o formulário em baixo (o link da partilha é o endereço do perfil do Facebook)


Condições:

Os vencedores serão anunciados terça-feira, 20 de Janeiro, às 15h num post no blogue.

Os vencedores serão escolhidos aleatoriamente através de random.org.

Só é válida uma participação por endereço de e-mail.



Como uma tatuagem...

Não sei bem porquê, mas o título fez-me lembrar de uma música qualquer. Algo me diz que ainda bem que não me lembro qual é porque, muito provavelmente, só sedimentaria o facto de eu resvalar para a bimbalhada a nível musical.

Nunca fui de tatuagens. Como sou uma moça que gosta de ir mudando de estilo de vez em quando (dantes parecia sempre uma lésbica macho e agora pareço uma lésbica macho de lacinho), assustava-me um compromisso tão compromisso (eu podia ter dito perene, mas achei que assim tinha mais estilo, embora me possa ter enganado). 

Agora que tenho a Irene, que outro melhor motivo para fazer uma tatuagem? 

"Mas tinhas mesmo de fazer uma, Joana, era? É por estar na moda?"

Quem disse isso? Quem está aí? 

Claro que não "tenho que fazer uma", mas sinto que é a coisa mais importante da minha vida e, não sei explicar bem, mas apetece-me celebrar esse facto mutilando o maior órgão do meu corpo: a pele. 

Enquanto ainda andava na dúvida, lá fui eu pesquisar tatuadores. Eu sou contra as tatuagens, mas aquelas horríveis, que se fazem a correr, que se fazem quando se apontam para um livro. Vá, não se insultem, não é ser contra, do género: "que horror, isso é pior que a fome no mundo!". É mais numa de pena por estarem a cravar algo tão pouco original no corpo.

O que fez com que eu me decidisse foi encontrar uma tatuadora que me deixou louca com o trabalho dela. Tania Catclaw. Estou a referi-la, mas vou arder com as 200 bombocas na mesma (nunca disse "bombocas" na minha vida, isto de querer ser engraçadinha no blogue faz com que às vezes diga coisas tão, mas tão à lá mecânico). Vejam lá o trabalho dela aqui e se não vale a pena. Vale, não vale? Vá, alguns exemplos para os mais preguiçosos!




A minha ideia era fazer algo que tivesse que ver com o olhar que ela me faz enquanto está a mamar e que parece um ratinho (chamo-lhe "o ratinho do leite" desde pequenina). Quem me conhecer e lesse isto ia pensar: "para além de ser mãe, chama-lhe ratinho? A Joana teve uma depressão ou assim". Nope, antes pelo contrário! 

Acho que vou acabar por fazer uma panda mãe a dar bambu à panda bebé. Fica uma tatuagem alusiva à maternidade pela protecção, alimentação/amamentação... 

É na próxima terça. Já estou cheia de nervos porque sou muito mariquinhas. Dói muito? Mais mães que tenham feito tatuagens? O que fizeram? 

1.12.2015

Banho a duas

Sempre achei que a hora do banho ia ser uma das partes mais espectaculares da maternidade. Mito!

Até aos 4 meses da Isabel eu até estremecia de pensar que tinha de lhe dar banho. Do banho ela até gostava, o pior era a saída do banho, o creme, a fralda e a hora de vestir. Era como se lhe estivesse a arrancar uma unha. Todas as técnicas saíam ao lado: chucha, canções, caretas, quarto mais quente, toalha aquecida, não pôr creme. Não valia a pena, a miúda chorava que se fartava. Sugeriram-me que mudasse de horário e experimentei tudo: antes da mama, depois da mama, à noite, à tardinha, de manhã, mas nada a acalmava. E atenção que estamos a falar de uma bebé super calminha, que raramente fazia grandes birras.


Ali no 5º mês houve um dia em que não chorou nem um bocadinho e senti que era um momento de transição. Assim foi, do nada.

Hoje em dia depende da disposição da criatura e principalmente se dormiu bem as sestas, mas normalmente não faz um grande filme. Agora no inverno já não lhe damos banho todos os dias, dia sim, dia não chega perfeitamente, mesmo estando na creche. Que me tenha apercebido, ainda não cheira a cavalo. Só os cocós é que às vezes cheiram...

Bem, continuando. Experimentei no fim-de-semana tomar banho com ela. No primeiro dia, ou estranhou a banheira cheia ou estava cheia de sono (aposto mais na segunda). No segundo dia, adorou. Bem-disposta, a dar à perninha, a tentar nadar, sorridente, foi uma maravilha.




Estamos a adoptar esta técnica para ver se ela não desmama definitivamente. Sim, as razões do banhinho a duas têm um alcance maior e muito importante para mim. Desde que a Isabel teve pneumonia que não quer mamar. Eu estava quase, quase a desistir, mas a Joana Gama, sabendo que eu não estava tranquila com este fim antecipado, insitiu para que procurasse ajuda. Um dos conselhos, além de dar de mamar pele com pele foi este e resolvi experimentar. Até agora nada. Ignora as maminhas por completo. Não insisto, não quero que lhes crie aversão.
Vamos com calma. Ainda tenho esperança.


E quanto aos banhos, não são nada, nada ecológicos e vão ter de ser só quando o rei faz anos, mas adorei a experiência!

Já tomaram banhinho com os vossos filhotes?

Os piores babygrows de sempre.

Não consigo. Não consigo perceber, porém acho que são o modelo standard. Quando se pensa em babygrows, pensa-se naqueles que têm as molinhas atrás e que apertam nas costas, não é? É.

Era só isto. Obrigada e bom dia. 

Agora a sério: por que é que esse é o modelo mais visto ou, parece-me, o mais comum se não dá jeitinho nenhum? 

Tal como disse aqui, são os que me dão menos jeito para trocar a fralda à noite sem a acordar. Se ela estiver acordada também; para enfiar as pernas, tenho que lhe fazer cócegas na parte de trás do joelho, para ela as encolher e entrar dentro da porcaria do fato... 

Sou eu que não sei utilizar aquilo? Vêm com manual de instruções e não vi? Também há a hipótese de eu ser um bocadinho parvalhona: um dia conto-vos a história da hora e uma unha partida que demorei a tentar abrir aqueles copinhos (para o leite e sopas) da Avent. Olha, parece que já contei. 

Por mim, todos os babygrows deviam ser daqueles que se abrem pela frente e que têm molas ao longo das perninhas. 

Até porque, se a ideia é deitar sempre os bebés de barriga para o ar, o melhor é ter molinhas na parte da frente, não na de trás, principalmente quando são recém nascidos (não acho que as molas magoem coisa alguma, até porque lhes enfiamos um body por baixo, não é?). 

Esses babygrows têm alguma vantagem ou é só uma maneira criativa de os enchermos de cocó a tentar mudá-los sem lhes tirarmos as pernas lá de dentro?


*imagem escolhida um pouco ao calhas num search no Google.

Confiar cegamente no pediatra?

Esta é uma história com final feliz, graças à persistência de uns pais, que confiaram no seu instinto e perceberam que a filha não estava bem. E graças à quarta pediatra que eles consultaram. Sim, a quarta. 

Desde sempre que me bato com esta dúvida: até que ponto temos de seguir todos os conselhos e recomendações do pediatra? Até que ponto tudo o que ele diz é lei? Como filtrar?

Do sono à alimentação, passando pela vacinação, pelo peso e pelo desenvolvimento, o envolvimento do pediatra na vida do nosso filho é enorme e ainda bem. Mas como devemos gerir as nossas opções? O pediatra recomenda iogurte, mas e se nós não quisermos dar? Claro que somos nós que decidimos, mas até que ponto a opinião de um especialista não nos condiciona e não começamos a pôr algumas decisões em perspectiva?

E por mais bons médicos que nos pareçam, devemos confiar cegamente neles? Desde a hora exacta para a introdução da banana, à resposta por SMS sem os estar a observar ou à unha encravada, terão eles a resposta certa para tudo? A medicina não é uma ciência exacta, por isso, não devemos, por vezes, confiar mais no nosso instinto?

"Se não confias completamente no pediatra do teu filho, muda". Até faria sentido, mas acho que esta é uma falsa questão, porque devemos confiar, sim, mas não cegamente, porque nenhum médico tem o dom da omnipresença e omnipotência. Se dominam muito bem um assunto, podem não estar 100% informados noutro, já que a investigação nas mais diversas áreas está em permanente ebulição.

Estes pensamentos já me assaltavam algumas vezes e então quando conheci a história da Ana (nome fictício), com mais dúvidas fiquei. 
Então a Ana, com dois anos, após dar umas gargalhadas ou tossir, dava umas guinadas com a cabeça para trás e desatava a chorar, aparentemente cheia de dores.
Os pais não acharam aquilo normal e foram ao pediatra de sempre. "As crianças tão pequenas não têm dores de cabeça, não deve ser nada". Não contentes, pediram opinião a um segundo pedriatra: "dores de cabeça com essa idade não é possível". Exames? Nada.
Foram ao médico de família. Nada.
Foram ao pediatra número 3, desta vez já com a gravação de um daqueles episódios estranhíssimos.

"Se a minha filha não tivesse nenhum problema físico, teria certamente do foro psicológico, mas alguma coisa era.", pensava o pai. O terceiro pediatra, mesmo com o vídeo, não quis fazer exames.

Aqueles pais não descansaram e foram com a Ana a mais uma pediatra. E desta vez, tudo foi diferente. Ela achou aquilo tudo muito estranho e mandou fazer vários exames e um TAC. No TAC, o resultado: uma doença congénita no cérebro - malformação de Chiari, tipo 1, uma doença a que até o Doctor House já dedicou um episódio. Em menos de uma semana, foram vistos por um neurocirurgião e a Ana foi operada.

Dá que pensar, não dá? Até que ponto todos nós faríamos o mesmo? O nosso instinto levar-nos-ia sempre a procurar mais uma opinião? E mais uma? E mais uma?...


Confiam cegamente no (vosso) pediatra?




1.11.2015

A pior coisa do pós parto é...

ERRADO!

Nem tem que ver com a questão da boca do corpo (sim, parece que há regiões do nosso país onde se referem desta forma ao nosso caninho da vida - acabei de inventar)! Seria de imaginar que sim, que o facto de termos feito passar meio vitelo por dentro do nosso rico corpinho fizesse mais mossa do que aquilo que vou falar, mas não. Mas não. Não, não. 

Mães que ainda não foram cuspir amorosamente os vossos melõezinhos, o pior do pós-parto é a enorme merd* dos cabelinhos. 

Ai que valente par de nervos que me dá falar disto. Apetece-me tentar morder uma maçaneta só para ver se me passa a estupidez (não experimentem isso em casa, acho que não resulta ou, então, pode depender da maçaneta, é uma questão de ver). 

O que é isto dos cabelinhos? Simples. Dizem que (eles fartam-se de dizer coisas, não é?), na gravidez, o nosso cabelo fica uma loucura de tão lindo e tão brilhante e tão encorpado. Tão forte, tão forte que quase que o Salazar caía lá de cadeira - ele caiu no Forte de Santo António, no Estoril - pensavam que não aprendiam nada de útil neste blogue? Tomem lá!

Não reparei se o meu cabelo ficou maravilhoso porque tive a estúpida ideia de o cortar como se fosse a velhinha do CSI (quesi, como diz a minha mãe, espero eu que a brincar), por isso, bem que podia estar no meu melhor hair day que iria parecer sempre um pajem (o meu marido chamava-me o pajem Gonçalves).  Ora aqui está a bela obra de arte:




Como é que arranjei marido? Foi antes de cortar o cabelo assim, claro. Antes de decidir juntá-lo a estes óculos também. O meu marido gosta muito de mostrar estas fotos às pessoas e dizer; "epá, vê lá se não parece mesmo um atrasado mental, daqueles a sério!". Amo-o muito. E ele também que, depois de ver isto, é difícil de continuar comigo.

Não sei por que é que a maior parte das grávidas decide fazer qualquer coisa estúpida com o cabelo, mas que é um facto? É. 

Depois da gravidez, depois de pormos cá fora um leitãozinho com a carne mais tenra possível,  o que é que nos acontece de pior (principalmente para quem já não tem uma farta cabeleira como eu)? Isso mesmo, o cabelo começa a cair. 

"A sério, Joana? O teu problema é que o cabelo caia?"

Não, calma, leitora imaginária e, no entanto, tão impaciente! 

O meu problema é que cai tanto cabelo, principalmente a mim caiu-me muito na parte da testa que, agora que estão a crescer pareço uma estúpida. Mais ou menos esta estupidez que a Jennifer Lopez tem aqui. Assim não me sinto tão mal, pela J.Lo já ter tido isto também. A questão é que, no caso dela, ninguém olha para a porra do cabelo, a não ser que esteja no rabo.


Com estes cabelinhos a crescer (que não dá para fazer nada com eles), parece que temos sempre o cabelo oleoso e que temos orgulho nisso. Não há meio desta fase acabar. Neste momento já me vão a meio da testa (agora não sei se é porque crescem devagar ou se é por eu ter uma testa enorme). 

Prova da testa enorme (e maneira subtil de mostrar que dantes não tinha estes cabelinhos rançosos e que já fiz televisão, antes de parecer um saco do lixo da marca polegar): 

No fundo, é só para compensar o mau aspecto das fotografias anteriores que a testa nem está assim tão mal. 


Era uma vez um cavalo...

... que vivia num lindo carrossel. É esta a canção que lhe canto enquanto ela anda no cavalinho que lhe comprei, na Pingi ao Cubo.
Quando estava internada no SFX, uma das coisas de que mais gostou na salinha das brincadeiras foi andar no cavalo de madeira. Um sorriso de orelha a orelha que me fazia esquecer do sítio onde estávamos a passar o Natal.


Gosta tanto que quando paro de baloiçar, dá guinadas para tentar que aquilo abane. De chorar a rir! Até já arrisca e tira uma mão, as duas... enfim, tem uma kamikaze dentro dela.

Como dizia uma amiga, um cavalinho de balouço já fez muitas crianças felizes. Sou uma romântica e quero acreditar que a Isabel vai ser feliz com estas coisas e não com tablets e telemóveis. Utopia, eu sei... mas no que depender de mim, vai brincar muito!



Uma peça tão simples e tão bonita. Como já devem ter reparado, sou a mãe mariquinhas do cor-de-rosa e branco e dos detalhes. O quarto da Isabel foi namorado e pensado ao pormenor uns meses antes dela nascer, mas ainda está em construção (acho que vai estar sempre, e talvez mais em desconstrução, já que ela adora mandar tudo ao chão).
Mostro-vos só mais umas mariquices pelas quais me apaixonei.
A luz de presença mais bonita de sempre (foi a avó Béu que ofereceu)
A torradeira mais fixe de sempre (da Pingi ao cubo)
A torradeira veio agarrada ao cavalinho. Estava na loja a chamar por mim e não resisti.

O anjinho da guarda

Bibelots no armário