4.25.2017

Com 3 meses faz cocó no penico!


Comecei por estranhar, franzi o nariz, disse "que loucura", mas mesmo céptica fui procurar mais: Bebé sem fraldas - Elimination Communication - Passo a Passo.

Eu não fazia ideia que isto existia mas o saber não ocupa lugar. Comecei por dizer para mim mesma que no caso da Luísa não resultaria, que talvez agora, com 10 meses, seja mais previsível - por exemplo, já sei que faz o primeiro cocó do dia depois de lhe mudar a fralda, mas nos primeiros meses ela fazia cocó umas 192737 vezes por dia. 
Depois vi um vídeo em que a mãe que aplicou este método dizia que, com ele, eles reduzem o número de vezes que fazem cocó porque estão numa posição mais favorável e libertam logo de uma vez maior quantidade. A Página do FB Bebés sem Fralda também tem imensa informação disponível para quem se interesse por isto da "Higiene Natural".

E, depois, desafiei-a a responder às minhas perguntinhas:


Por que é que resolveste iniciar o Elimination Communication?

Aos 18 dias de vida do meu segundo filho e após dois episódios de cólicas, decidimos iniciar a prática de Elimination communication. Chegando a uma dada altura da noite ele contorcia-se e chorava num misto de dor e desconforto. Aquele sentimento de impotência perante a situação mexeu muito connosco, ao ponto do meu marido sair de casa no meio da noite para comprar umas gotinhas milagrosas que surtiram um efeito muito temporário. A sensação que tínhamos era que ele queria evacuar mas não conseguia, só mais tarde com a prática da elimination communication (ou higiene natural) conseguimos entender que aquilo era um pedido de ajuda dele. Nenhum bebé quer ou gosta de evacuar sobre si mesmo (ou seja na fralda), mas o que acontece é que eles acabam por ser obrigados a fazê-lo e muitos deles, mais tarde chegam a ganhar um sentimento de pertença tal, que só são capazes de evacuar com a fralda. Na manhã que precedeu uma das nossas noites com cólicas, assim que o bebé acordou apercebi-me de que ele fazia um barulho distinto, mexia as pernas e contorcia o corpo. Foram estes os primeiros sinais. Retirei a fralda, segurei-o nas pernas, dando apoio à coluna e na posição de cócoras e pela primeira vez ele evacuou livremente, sem entrar em contacto com a sua urina e fezes. De seguida mamou e ficou feliz, aliviado e bem-disposto. Simples assim!
Já havia lido alguns artigos, relatos e até já tinha visto vídeos de EC durante a segunda gravidez, no entanto tinha o estigma de que seria difícil de praticar, pensei que não conseguiria identificar os sinais e tive alguns medos, no entanto tanto eu como o pai conseguimos auxiliar o nosso bebé em todo o processo de forma bastante instintiva. Passámos a usar recentemente fraldas de pano e a maioria das fraldas são apenas molhadas.

O que é e como se processa?

A ideia geral na prática de Elimination Communication (ou higiene natural) é que o cuidador tente ajudar o bebé a manter-se limpo e seco, oferecendo-lhe a oportunidade de urinar ou evacuar noutro lugar sem ser na fralda. Quanto mais cedo se iniciar a prática mais instintivo será. Para uma grande proporção da população mundial, usar uma fralda não é tão prático quanto não usar uma fralda, portanto é natural e expectável que os pais auxiliem os seus bebés a manterem-se limpos (assim como fizeram os seus avós e bisavós). Mas isso não significa que a prática de EC exclua de todo o uso de fraldas.

Como lidas com os olhares incrédulos e de que informação te muniste para que não te chamassem louca? 🙂

As reacções gerais das pessoas são muito engraçadas. Para quem se mostra interessado eu até tento explicar o que é e como se processa mas infelizmente a primeira leitura para alguns é de alguma repulsa pois pensam trata-se de um desfralde precoce, daí muitas vezes julgarem sem se permitirem entender o que é. Eu própria não aprovei a ideia quando vi pela primeira vez a imagem de um bebé a usar um penico, tanto que, e aquando do desfralde do meu filho mais velho, comprei o penico que usamos actualmente e na etiqueta indicava que seria aconselhado para o uso de maiores de 4 meses, lembro-me perfeitamente de pensar "quem é a pessoa louca que vai usar o penico com um bebé menor de 4 meses?" Ironia do destino: eu mesma! Apesar de não termos praticado EC com o filho mais velho (por total desconhecimento) o desfralde foi bastante tranquilo. Iniciámos aos 24 meses, após o primeiro pedido dele para usar a sanita, o desfralde diurno durou cerca de três semanas a ficar concluído com alguns acidentes pelo meio. Hoje com 31 meses continuamos a usar a fralda de noite. No entanto, tenho a consciência de que, mesmo respeitoso, foi um desfralde guiado por nós. Para um bebé que inicia a prática de EC o desfralde é sempre guiado pelo bebé, os pais só têm que continuar atentos aos sinais. Curiosamente o desfralde nocturno acontece muita vezes antes do diurno.

Há pessoal médico que "aprove"?

Vivemos na Escócia e a enfermeira que vem a casa periodicamente desconhecia a prática de EC e mostrou-se apenas curiosa, não fez qualquer tipo de julgamento ou recomendação. Ela pôde ver na prática como se processava e ficou de certa forma incrédula. 

Qual o teu estilo de parentalidade, guias-te por quê?

Vivo a maternidade de forma descontraída, sem horários ou pressões externas. Basicamente tenho feito tudo de forma instintiva desde a primeira gravidez. Sou adepta do parto natural e ambos os meus filhos nasceram na água, pratico amamentação em livre demanda e em tandem, faço regularmente babywearing e utilizo a disciplina positiva para ajudar-me nos desafios do dia a dia.
A maternidade ensinou-me que a melhor forma de tomar decisões é ter empatia pelos meus filhos, pelas suas necessidades e pelas suas limitações.
Felizmente tenho o privilégio de estar bastante presente na vida deles, aliás, foi essa uma das principais razões que decidimos emigrar. Temos todos os fins de semana em família e isso enche-me o coração.

Obrigada, Bruna!




Querem deixar aqui perguntas para a Bruna? Força!
JPB

34 comentários:

  1. Tenho uma: como fazem quando saem? num restaurante? levam o penico atrás? Param o carro e fazem na berma?
    Como fazem se o bebé tem de ficar numa creche?
    Afinal eram duas :) Mas achei muito interessante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. foram exactamente as duvidas q me surgiram!!

      Eliminar
    2. Oi gente!! Aqui é a Fernanda Paz da ágina Bebê sem Fralda Brasil. Ao sair o tratamento é igual ao tratamento que seria dado à uma criança desfraldada, ou seja, procura-se um banheiro, um meio-fio, o acostamento, uma árvore, a sanita do shopping, do restaurante...Indiferente! Na creche as tias podem também levar ao banheiro, ou não. A higiene Natural pode sr praticada apenas de forma parcial - quando possível - e o bebê usa fraldas como qualquer outro! (www.facebook.com/bebesemfralda)

      Eliminar
    3. Oi gente!! Como a Bruna respondeu, a HN pode ser praticada de forma parcial, ou seja, a criança usa fraldas como qualquer outra e, na creche também, mas algumas mamães já conseguiram convencer as tias da creche a praticarem também! Além disso, na rua, faz-se como faria com uma criança maior desfraldada. Busca-se um banheiro, uma árvore, o acostamento, o meio-fio, a sanita do shopping, do restaurante, um saquinho plástico, um potinho portátil... Isso não é nenhum empecilho para a prática! Confiram www.facebook.com/bebesemfralda

      Eliminar
    4. Alô pessoal, por cá temos sempre um redutor no carro, até ajuda quando seguramos à beira da estrada. A minha pirata independente já quer o bacio com 18meses! Bem hajam

      Eliminar
    5. Alô pessoal, nós por cá temos sempre um redutor no carro, até ajuda quando seguramos à beira da estrada! A minha pirata independente já quer o bacio com 18 meses. Bem hajam

      Eliminar
  2. Acho interessante este método .... até porque permite um desfralde mais rápido e parece me mais descomplicado .... num entanto quando a criança está numa creche julgo que se torna mais complicado, não sei ...
    solução?

    ResponderEliminar
  3. Presumo que a mãe esteja em licença de maternidade até a criança controlar os esfincteres...impensável

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não necessariamente. Se o bebé aprender a comunicar que tem cocó e o cuidador perceber...

      Eliminar
    2. A prática da Higiene Natural não visa o controle esfincteriano, afinal, o bebê não é capaz de ter esse controle! Leia sobre e informe-se, assim será possível fazer presunções com mais lógica!! HN é tudo de bom!

      Eliminar
  4. Também me surgiu a dúvida da cresce, ou seja, se praticar-mos o EC em casa e depois o bebé aos 5/6 meses for para a cresce como faremos? Visto que estará habituado a usar o penico e não a fralda como em todas as cresces é usado (e não sei até que ponto as educadoras/auxiliares se dariam ao "trabalho" de por um bebé no penico e depois o lavarem). Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Usa-se fraldas normalmente e, a HN pode ser praticada apenas parcialmente, por fim, não existe essa habituação do bebê... o que gera um hábito é a obrigação de usar fraldas "por toda a vida" (2, 3, 4 anos)

      Eliminar
  5. O que a mãe disse, não sei se leram essa parte, é que não exclui de todo o uso da fralda. Como deve ser natural não deve levar o penico atrás e coloca lo no meio do restaurante para o bebé fazer coco. São perguntas com um pouco de "ataque". A mãe também disse que usa as fraldas de pano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto, mas não achei ataque, são perguntas legítimas. Mas se o bebé já comunica e depois não o poem a fazer cocó, não ficará meio que frustrado?

      Eliminar
    2. Exatamente, se as pessoas lessem o texto onde comentam, ficaria bem mais fácil! Pensemos na frustração de ter que fazer o cocô em si mesmo, depois respondam o que pode gerar frustração!

      Eliminar
    3. O nosso sempre ficava chateado era antes de fazer, e havia que procurar uma casa de banho. Se não fôssemos a tempo, pois trocávamos depois, como com outro bebé que não faça a higiene natural... Não é um bicho de sete cabeças!!

      Eliminar
    4. O "comunicar" do bebe sao as caretas que os pais ja conhecem quando o bebe esta atrapalhado. O "ja comunica" é o espernear que ele faz desde que nasce, e não algo que ele aprendeu e depois é ignorado :)

      Eliminar
  6. Não é verdade que posição de "cócoras" alivia todas as dores? Dores de cólicas, dores da menstruação e.. dores no parto? É para isso que serve o EC, pelo que percebi. Quando começamos a ler já com o pensamento de "hm, deixa lá ver o que é que estão para aqui a inventar", não dá em nada. A mãe diz que usa as fraldas de pano, certamente não leva o penico para o meio do restaurante e certamente não vai pedir as auxiliares para colocarem o bebé no penico.

    ResponderEliminar
  7. Obrigada por falarem neste tema! A verdade é que a minha filha sofreu imenso com os cocós durante o primeiro ano, odiava fralda, e quando eu, mesmo sem informação, a comecei a por a fazer cocó no pote, TUDO MUDOU! Tivesse eu sabido disto antes! Era aquele preconceito de estar a acelerar as coisas, medo de que me chamassem maluca, sei lá. E afinal era só isto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, infelizmente estamos condicionados a usar o artificial como normal e achar o normal uma maluquice!

      Eliminar
  8. Aos sete meses, assim que aprendeu a sentar se, sem ouvir falar de EC, e porque tinha pena que a pele minha filha estivesse sempre em contacto com as suas fezes comprei um penico e cm ela era btt regular e aquela posicao a ajudava imenso tb com a obstipacao que veio c a introducao das sopas, a Madalena passou a fazer os cocos tds no penico. Na altura em que foi para a cresce, aos 14m contudo algumas vezes punhsm na mas muitas nao e o facto é que voltou a fazer na fralda mas nessa altura ja sabia avisar que tinha feito, so n conseguia controlar o esfincter claro. De qq modo vejo a minha decisao como muito positiva tt para a saude de pele e do intestino da minha filha cm para a facilidade que me deu em andar c ela p td lado sem preocupacoes pq os cocos eram em casa.Nao se tratou de todo de um desfralde para quem faça essa ligaçao mas sim de uma opcao de higiene benefica para ambas.

    ResponderEliminar
  9. Nunca tinha ouvido falar do tema. Tenho uma menina de 6m. No inicio tivemos tambem dificuldades em gerir, lá está as colicas, mas agora reflectindo, comecei a aperceber.me que ela queria fazer coco segurava nela em posiçao de defecar e ela fazia e é assim até hj a.maioria das.vezes. Mas faz na fralda e mudo de seguida. Por acaso já me tinha passado pela cabeça usar o.penico mas tive receio de causar algo de.mal por ser cedo...mas sendo assim. Obrigada pela.partilha do assinto

    ResponderEliminar
  10. Tal como algumas leitoras já m mencionaram, comigo e com o meu filhote deu-se o mesmo. Após a introdução das sopas veio por vezes a obstipação. E, um na dia, ao tentar ajudá-lo, coloquei-o na sanita. Não teria mais de 7 meses. A partir daí só xixi nas fraldas. E não, nunca teve problemas quer no restaurante quer a creche ;)

    ResponderEliminar
  11. Tenho uma bebe prestes a fazer 4meses...ela odeia a fralda...se for preciao chora com lagrimas pa fazer coco e as colicas até estão minimamente controladas... É a minha primeira filha e vou comprar um penico e experimentar... Odeio ver o q ela sofre, e qd não sofre se for preciso nem me apercebo lg q fez a está ali a queimar o rabinho..se esse metodo funcionar é mto mais higiénico! Agr qd passar para as papas e sopas e ver qts cocos é que ela faz pa ver se eu propria tenho disponibilidade de a agarrar dessa forma tanto tempo! O que ja temos feito qd percebemos e abrir a fraldinha e com a massagem q o medico ensinou sai lg o cocozinho td em fio.. Não é demasiado rigo nem liquido,tem dado pa fazer mto bem! Se td isto funcionar faz me logica q parcialmente uso e faça o q tenha a fazer na cresce..oz bébés sao a coisa mais esperta que ja vi e queriam lg habituações..se o fizerem assim em casa é meio caminho para um desfralde a meu ver bem mais saudavel para todos! Nao percebo o pq de tanto "ataque", se não gostam ou não concordam, não percam tempo se quer... Cada um pensa como quer..acho qye se podem privar de criticas a não ser q construtivas.. Aviso ja é q eu Portugal a lei no deixa ysar fraldas de pano po rabinho.

    ResponderEliminar
  12. Tenho uma bebe prestes a fazer 4meses...ela odeia a fralda...se for preciao chora com lagrimas pa fazer coco e as colicas até estão minimamente controladas... É a minha primeira filha e vou comprar um penico e experimentar... Odeio ver o q ela sofre, e qd não sofre se for preciso nem me apercebo lg q fez a está ali a queimar o rabinho..se esse metodo funcionar é mto mais higiénico! Agr qd passar para as papas e sopas e ver qts cocos é que ela faz pa ver se eu propria tenho disponibilidade de a agarrar dessa forma tanto tempo! O que ja temos feito qd percebemos e abrir a fraldinha e com a massagem q o medico ensinou sai lg o cocozinho td em fio.. Não é demasiado rigo nem liquido,tem dado pa fazer mto bem! Se td isto funcionar faz me logica q parcialmente uso e faça o q tenha a fazer na cresce..oz bébés sao a coisa mais esperta que ja vi e queriam lg habituações..se o fizerem assim em casa é meio caminho para um desfralde a meu ver bem mais saudavel para todos! Nao percebo o pq de tanto "ataque", se não gostam ou não concordam, não percam tempo se quer... Cada um pensa como quer..acho qye se podem privar de criticas a não ser q construtivas.. Aviso ja é q eu Portugal a lei no deixa ysar fraldas de pano po rabinho.

    ResponderEliminar
  13. Nada contra quem opta por condutas alternativas, apenas olho objetivamente para esta opção como algo que depende quase que a 100% da atenção / disponibilidade de uma mãe que, nos tempos que correm. digamos que é quase impossível. Se estivermos a falar de uma mãe que não trabalhe talvez seja exequível, como penso que seja o caso desta mãe, a avaliar pela utilização de fraldas de pano. Só deixo aqui um desafio, porque não fazer o mesmo vom relação às chuchas? Se formos a ver a criança também não precisa...

    ResponderEliminar
  14. Sou a mãe que foi desafiada pela Joana Paixão Brás a responder às questões sobre a prática de EC. Vim cá espreitar os comentários e apesar de muitos deles terem sido feito no anonimato fico na dúvida de quem colocou questões voltará para ler as respostas. Obrigada à Fernanda Paz por ter vindo responder a algumas questões. A ideia que ficou retida para grande parte das pessoas que leu o artigo é que é precisa disponibilidade extra ou que só se pode fazer se o bebê tiver em casa aos cuidados da mãe (que machismo acharem que não poderia ser o pai a desempenhar esse papel..enfim) A prática de EC depende da boa vontade e da atenção do/s cuidadores, sejam os pais, avós, amas ou quem fique a cuidar do bebê. Se o bebê usa fralda e dada a sua imaturidade não controla os esfíncteres, naturalmente que todas as suas necessidades são feitas na fralda. Logo não se trata de treinar ou desfraldar. EC trata-se de auxiliar o bebê a manter-se limpo, permitindo que ele urine e evacue fora da fralda. Isso pode acontecer em determinados momentos do dia como por exemplo de manhã ao acordar, após uma mamada, após uma soneca ou numa mera troca de fralda antes. Cada bebê é único e todos têm os seus timmings para tudo. Basta estarmos mais atentos. Se o bebê está afastado dos pais durante parte do dia, basta praticarem nos momentos em que estão com o bebê, se quem fica com o bebé se disponibilizar a dar continuidade à prática optimo. Se não, não há drama. Provavelmente o bebê vai acabar por escolher determinados momentos para evacuar, por saber que terá mais liberdade e menor ou nenhum contacto com as suas fezes e urina. Outra coisa que não sei se ficou claro é que geralmente a princípio torna-se mais fácil identificar os cocós. Bebês pequenos fazem muitos xixis durante o dia. A prática de Elimination Communication ajudou em várias questões do nosso dia a dia. As "colicas" deixaram de existir, não temos assaduras, o bebê dorme bem e por muitas horas seguidas (mesmo sendo amamentado exclusivamente e mesmo não usando chucha), a higiene íntima do bebê é feita com lavagem e usamos poucas toalhitas. Não vemos motivos para deixar de praticar e mesmo que a ideia do post seja dar a conhecer e até motivar outras pessoas a fazê-lo, ninguém deveria sentir-se na obrigação de se justificar o porquê que não faria. Cada família tem as suas escolhas e todas deveriam ser respeitadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Bruna! Obrigada pela clareza do esclarecimento :) Escreve em alguma plataforma/blog/fb? Estou interessada no tema e gostava de a seguir. Obrigada!

      http://gergelim.blogs.sapo.pt/

      Eliminar
    2. Olá Joana! Eu tenho dois posts publicos no meu perfil mas não escrevo para nenhuma plataforma. Talvez pense nisso! O artigo acima faz referência a uma página no facebook com posts muito interessantes sobre o tema.

      Eliminar
    3. Muito obrigada Bruna e Joana, por este excelente post! Finalmente! Nós praticamos aqui a higiene natural desde os cinco meses do pequenote, e já estamos fartos da incredulidade, nem sempre civilizada, das pessoas... até parece que estamos a fazer alguma maldade ao miúdo! Sao sempre os mesmos comentários - e como fazes quando vais ao restaurante? Isso só dá para quem nao tem nada que fazer! E por aí fora... Mas é o mesmo com o carrinho de bebé, que nao usamos, com as papas, que nao demos, e com a amamentacao prolongada, que praticamos: aquilo que nao conhecem, dao por errado - e gozam e criticam, às vezes à má-fila! - em vez de tentarem perceber se terá alguma validade. Por isso, mais uma vez OBRIGADA por este artigo!

      Eliminar
  15. Gostava de saber se posso fazer este metodo com o meu pequeno visto k so tem 2 meses mas sinto.me frustrada por ver o sofrimento o meu Príncipe

    ResponderEliminar
  16. Vou experimentar com meu filho. Ele pouco a pouco chora e se contorse quando quer evacuar

    ResponderEliminar