quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Chegou ao fim.. com a maior das ternuras!

Tenho sempre um bocado de medo de falar de desmame e de vos condicionar ou precipitar a fazê-lo também. De se regerem por mim em vez de escutarem o vosso coração, os vossos timings e os timings dos vossos filhos.
Esta foi a nossa história. Uma história que chegou ao fim da forma mais tranquila e delicada que só me deixa saudades e nada de amargo.
Amamentar a Luísa foi mágico. Foi um processo muito especial, um triunfo quando a minha primeira experiência tinha tido muitos altos e baixos, muitas lágrimas e muitas dificuldades. Não que agora não as tenha tido, mas foi tudo muito mais calmo, muito mais namorado, muito menos stressante.


A Luísa mamou em livre demanda e em exclusivo até aos 6 meses e 4 dias; continuou a mamar sempre que pedia até ao ano e meio; quando entrou na creche, passou a mamar só quando estava comigo; com quase dois anos, fiz o desmame noturno; com dois anos e dois meses
mamou pela última vez, de manhã (já só mamava de manhã). Vou lembrar-me bem desse momento, gravei-o na memória. Conversei com ela depois. Acabou por ser a nossa despedida, antes de ir 4 dias de férias com o pai. Quando eu cheguei, não pediu na manhã seguinte, nem na outra, nem na outra. Num dia, viu-me nua e lembrou-se: "maminhas!" gritou, rindo-se de seguida. Eu disse-lhe a rir-me e bem disposta "já não tem leitinho!" e ela deu-me um beijinho. Comecei a fazer-lhe cócegas e a desviar a atenção. Passou. Ontem viu-me outra vez, lembrou-se e disse "não tem!" e seguiu a vida dela. Resolvida, alegre, tranquila. E eu fiquei muito agradecida por este processo ter sido tão pacífico. Comovida. A minha bebé cresceu. E esta nossa história acabou. Vieram e virão muitas outras.

3 comentários:

  1. Nunca comento em blogs, acho que devo te-lo feito duas ou três vezes, mas esse seu texto deixou-me em lágrimas. Só quem amamenta por longos períodos e que vai entender...

    ResponderEliminar
  2. O mama e desmama, cria tantos stress e problemas, as vezes fruto da nossa imaginação. Eu amamentei até aos 10meses, tinha estipulado que não queria amamentar mais do que os 12meses. O desmame foi ela que fez, deixou de querer o leite era pouco e ela já comi mt bem tudo o resto (tudo resto, que é suposto comer,claro esta). Por isso tranquilo, antes achava que dar de mamar até aos 2anos é um exagero mas já percebi que cada um lida com isso de maneira diferente. Mas tenho de admitir que a partir de ser altura, queria as mamas só para mim, estava farta da história de horas, cortes no regime alimentar, mama para fora, mama para dentro. Embora adorava aquele momento só nosso, mas percebi que podíamos ter outros tantos sem as mamas incluídas.

    ResponderEliminar
  3. Também fiquei comovida! Que história bonita, Joana. Que todas as histórias com os nossos filhos possam ser sempre assim: num equilíbrio entre o que nós precisamos e o que eles precisam. Com respeito, ternura. Beijo grande*

    ResponderEliminar