Mostrar mensagens com a etiqueta desmame. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta desmame. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Chegou ao fim.. com a maior das ternuras!

Tenho sempre um bocado de medo de falar de desmame e de vos condicionar ou precipitar a fazê-lo também. De se regerem por mim em vez de escutarem o vosso coração, os vossos timings e os timings dos vossos filhos.
Esta foi a nossa história. Uma história que chegou ao fim da forma mais tranquila e delicada que só me deixa saudades e nada de amargo.
Amamentar a Luísa foi mágico. Foi um processo muito especial, um triunfo quando a minha primeira experiência tinha tido muitos altos e baixos, muitas lágrimas e muitas dificuldades. Não que agora não as tenha tido, mas foi tudo muito mais calmo, muito mais namorado, muito menos stressante.


A Luísa mamou em livre demanda e em exclusivo até aos 6 meses e 4 dias; continuou a mamar sempre que pedia até ao ano e meio; quando entrou na creche, passou a mamar só quando estava comigo; com quase dois anos, fiz o desmame noturno; com dois anos e dois meses
mamou pela última vez, de manhã (já só mamava de manhã). Vou lembrar-me bem desse momento, gravei-o na memória. Conversei com ela depois. Acabou por ser a nossa despedida, antes de ir 4 dias de férias com o pai. Quando eu cheguei, não pediu na manhã seguinte, nem na outra, nem na outra. Num dia, viu-me nua e lembrou-se: "maminhas!" gritou, rindo-se de seguida. Eu disse-lhe a rir-me e bem disposta "já não tem leitinho!" e ela deu-me um beijinho. Comecei a fazer-lhe cócegas e a desviar a atenção. Passou. Ontem viu-me outra vez, lembrou-se e disse "não tem!" e seguiu a vida dela. Resolvida, alegre, tranquila. E eu fiquei muito agradecida por este processo ter sido tão pacífico. Comovida. A minha bebé cresceu. E esta nossa história acabou. Vieram e virão muitas outras.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Amamentação: vamos fazer o desmame.

Amamentar a Luísa foi das melhores experiências da minha vida. Nunca encarei a amamentação apenas e só como forma de alimentar as minhas filhas, sou do team que acha que amamentar é apego, é amor e é conforto para o bebé (não é a única forma, claro). Já muito escrevi sobre este tema, senti-me muito feliz quando soube que ajudei muitas mulheres a conseguirem fazê-lo, a procurarem ajuda, desmistifiquei algumas questões e passei-vos, acima de tudo, a minha experiência e sensibilidade sobre o assunto. Acredito que seja o melhor para o bebé e até para a mãe. Mas acho também que tem de ser algo desejado e tem de ser uma dança a dois. Sou das que acha que não compensa se a mãe não gostar da experiência e não julgo quem não o faz. Nem sempre percebi, mas sempre fiz um esforço consciente para não o expressar: se não gosto que metam o bedelho nas minhas escolhas, também não tenho o direito de fazê-lo aos outros. Acho que sou assim um bocadinho com tudo na vida e tenho bem presente a máxima que a minha mãe usava muito: "se não tens nada de bom para dizer a alguém, cala-te". "Nada de bom" no sentido de "nada construtivo", acho.

O que faço com amigas próximas que estão com dificuldades e querem amamentar (é nessas que concentro esforços) é ajudá-las a encontrarem ajuda especializada, perguntar a quem sabe e passar-lhes informação, responder-lhes com o que li, aprendi ou vivi e estar lá para todas as decisões que tomem. A amamentação é um tema que me apaixona, talvez por ter sido amamentada até aos dois anos e tal e por ter essas imagens fotográficas na minha cabeça toda a vida. Talvez por ter tido uma experiência difícil com a Isabel (e ter durado até aos 9 meses apenas). Talvez por ter tido uma experiência maravilhosa com a Luísa (nem sempre, mas com as dificuldades a serem ultrapassadas).

Amamentar durante a noite já não estava a ser bom para mim e parei de o fazer há cerca de dois meses. Contei-vos aqui como fiz o desmame nocturno. No nosso caso, foi fácil, ela estava preparada, reforcei só os momentos de conexão com ela (só as duas, durante o dia), para que não fosse um corte abrupto. Rapidamente percebeu que maminha, a partir dali, era só de manhã. Passou a ser só por volta das 6h30, acordava, mamava e voltava a dormir. 

Até que comecei a ter cada vez mais presente a minha vontade de desmamar. É uma coisa meio esquizofrénica porque aqui e agora, quando vos escrevo, sinto saudades. Quando a estou a amamentar não sinto grande vontade de o fazer (não que não goste, mas não tiro especial proveito e não me apetece quase nunca) e sinto que já está pronta. Durante o dia, ela não pede - acho que só pediu uma vez e eu disse, com calma e compreensão, "amanhã de manhã, amor". Aceitou. 

Combinei com o David que vamos aproveitar as férias para o fazer (ou pelo menos tentar - sim, que eu sou menina para voltar atrás se achar que está a ser violento). Esta semana já aproveitei para ir dizendo que a mãe está cansada e que as maminhas precisam de fazer mais óó (foi a desculpa que arranjei para ela não mamar à noite e ela aceitou). Eles vão mais cedo para o Algarve os 3, vai estar 4 dias sem maminha e depois tentarei arranjar alguma coisa para fazer com ela, nem que tenhamos mesmo de nos levantar às 6h30 e ir dar uma volta, tomar o pequeno-almoço no jardim, eu lá me lembrarei de substituir esse momento por outro qualquer. Vou aproveitar que vou estar duas semanas só para elas (e em que devo fazer um detox de internet, como vos falei aqui) para facilitar todo o processo.

Depois conto como correu. Para já, segurança na minha decisão e afastar culpas, remorsos e medos. Foram dois anos e 3 meses maravilhosos. Ela é uma criança muito amada e feliz. Vamos continuar a ser uma da outra, de muitas formas possíveis e para sempre.

Atenção: cada criança e cada mãe têm contextos únicos, timings e sensibilidades diferentes, não tomem decisões baseadas nas minhas, ponderem bem e peçam ajuda de especialistas para alguma dúvida. O desmame deve ser feito, de preferência, de forma gentil e não tem sequer que ocorrer por pressão dos outros, deve ser uma decisão pessoal, da mãe e/ou do bebé (de preferência de ambos). Não tem de obedecer a nenhuma ou data lançada por outros - é até mãe e filho quererem. 

Fotografia que eu adoro: Isabel Saldanha

No último verão


 www.instagram.com/joanapaixaobras 
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: