quarta-feira, 1 de agosto de 2018

As férias delas sem a mãe

Foram quatro dias sem mãe. A Isabel teve muitas saudades minhas, disse-me o David. Para a Luísa, desde que a encham de comida todo o dia, está tudo bem. Foram pouco à praia por falta de coragem dos adultos (o meu pai também está com eles). Ficaram mais pela piscina e por casa. Também é bem bom. 
A Isabel aprendeu a dar mergulhos sem que a água a chateasse muito os olhos (era daquelas que pedia sempre toalha, fazia-lhe impressão, era assim desde bebé) e diz que é uma corajosa. A Luísa fez chichi mil vezes no chão e algumas na sanita. Brigaram, como sempre, brincaram e dançaram, como sempre. 

E eu aproveitei. Aproveitei para trabalhar, para escrever, para responder a e-mails, mas também para sair com amigos e ir à praia sem filhos. Sabe bem entregarmo-nos ao sono, em paz. Mas é esquisito, ainda é esquisito para mim. Um dia deve deixar de ser. Tenho saudades e penso muito nelas, peço que me enviem fotos e fico cheia de vontade de as estrafegar todas. É algo... inexplicável. Ou então até se explica de forma fácil: é amor, do mais puro e verdadeiro que há. 



Sem comentários:

Enviar um comentário