sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Chorei com aquela avó de prematuros.

Os netos gémeos da F. já nasceram, antes de tempo, ainda antes de completarem os 7 meses. Estão ali, agarrados à vida, a batalhar há três semanas. Cada etapa, cada conquista (e alguns percalços e muitas incertezas). Notava-se que estava muito combalida, preocupada, cansada e, após algum tempo, ficou com os olhos cheios de lágrimas, a voz a falhar. Não aguentou mais. Nem ela, nem eu. Dei-lhe um abraço e tentei passar-lhe força. Conheço muitos casos de sucesso. Muitos mesmo. Lembrei-me logo do caso do Nós e as Marias, que nasceram com meio quilo, e deste fantástico texto que publicámos aqui. E é nesses casos que temos de pensar. Apesar de não ser fácil...

Hoje apercebi-me do sofrimento de avó. Sofre pelos filhos e pelos netos, sem poder estar sempre por perto. Sofre longe, com o coração lá.

Hoje apercebi-me de que passamos muitas vezes a gravidez fartinhas e ansiosas (nunca foi o meu caso, por acaso), mas nem pensamos bem no importante que é eles ficarem cá dentro mais tempo, até ao fim e no quão imaturos nascem, mesmo ao fim de 40, 41, 42 semanas. Nem nos lembramos da luta que muitas famílias travam quando isso não acontece. A incerteza, aquelas caixas, o colo que não podem dar a quem mais precisa, os tubos, as picadas, as aspirações, o regressar e ver uma casa vazia, o cansaço e o medo. O nascimento de um bebé devia ser sempre motivo para felicidade e não de dor e de medo da perda ou de sequelas.

Hoje apercebi-me de que não basta ficar aqui a sentir-me triste por estas famílias e por estes bebés. Há coisas a fazer para minimizar todo o sofrimento destas famílias.

  • Esta avó disse-me que o filho e a nora estão nas casas da Fundação Ronald Macdonald (para quem não sabe são "casas longe de casa" para os familiares de crianças doentes, que precisam de cuidados permanentes ou ambulatório) - já tínhamos falado sobre a fundação aqui e dado a conhecer como podemos contribuir: financeiramente ou com presentes solidários como bonecas de pano, almofadas, peluches, estojos (agora para o regresso às aulas, por exemplo!).

  • Perguntei-lhe também se os netinhos já tinham os polvos, que são uns polvos feitos em croché, 100% algodão, de que os prematuros gostam muito, por ajudarem a simular o ambiente no útero, onde tinham o cordão umbilical e que os ajudam a sentirem-se mais seguros (parecem fazer aumentar os níveis de oxgénio no sangue). Já tinham e a avó tinha aliás ido comprar linha para enviar para que se pudessem fazer mais polvinhos para mais prematuros. Esta iniciativa é fantástica! Vejam aqui no grupo Polvo de Amor ou na página Migos como podem colaborar, seja com material, seja a fazerem os próprios polvos. 
(Este projecto nasceu em 2013 na Dinamarca, projecto OCTO, 
que já distribuiu mais de 26 mil polvos!!!!).


Nós e as Marias

 
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade.

11 comentários:

  1. Tenho uma pequenina que é um dos casos de sucesso. Nascida às 25 semanas e 5 dias, lutou muito para sobreviver, mas agora é uma linda menina com 3 anos, saudável, reguila, bem disposta.
    Ninguém, a não ser quem vive esta experiência, sabe o que é lá estar, vê-los tão pequeninos, sentirmo-nos tão incapazes de ajudar, tão culpados, tão inseguros,...
    Sou franca, nunca tinha refletido sobre o sofrimento dos avós... Estava demasiado concentrada no meu próprio sofrimento. Sabia-os preocupados, a quererem ajudar, apoiar (tinha-os por perto, felizmente) mas sempre preferi o meu espaço, a minha "solidão"...

    Enquanto a minha filha estava no hospital, acompanhei uma outra mãe que estava instalada na Casa Ronald Macdonald. Foi quando fiquei mais sensibilizada para a questão do "longe de casa". São tão importantes estes apoios, nestes momentos tão difíceis para as famílias.
    Este post relembrou-me que tenho de contribuir mais.

    Este ano, na nossa visita anual à neonatologia (gostamos de lá ir visitar os profissionais), levamos 3 polvinhos. Acho a iniciativa linda! Gostava que a minha S. pudesse ter tido um a acompanhá-la na sua luta! :)

    ResponderEliminar
  2. Olá, a minha bebé está na Estefânia hà quase 7 meses, desde que nasceu. Nasceu com algumas mal formações congénitas. Enquanto estive nos cuidados intensivos formamos um pequeno grupo de mães e amigos, O gang do polvo. Conseguimos fazer 52 polvos e dar à ucin. Entretanto os nossos bebés cresceram e precisam mais da nossa presença, o grupo está um pouco adormecido. Mas estando tão perto vou tentar arranjar uns polvinhos para esta familia. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Clarisse, muita muita força para si e para a sua bebé. 😢❤️

      Eliminar
    2. Muita força clarisse, bem sei o sofrimento que é. Acredite que a sua filha está muito bem entregue e que melhores dia virão. Um beijinho enorme e um abraço apertado de uma mãe UCIN para outra.

      Eliminar
    3. Obrigada :) Já fui uma mãe Ucin, agora sou uma mãe Ucern. Acredite que por mais que eu saiba disso, o tempo é tanto, que não é difícil pensar que podiam fazer mais para nos verem de lá para fora.

      Eliminar
  3. Tive um prematuro de 7 meses e o cansaço e o sofrimento sente-se quer física, quer psicologicamente. O meu filho teve 17 dias internado e foram os dias mais longos da minha vida. Esses bebés são guerreiros, mas os pais também precisam de muito, muito Apoio.

    ResponderEliminar
  4. Aqui mãe de prematuro com 33 semanas...felizmente sem nenhuma sequela...ninguém sabe o que é ter um prematuro acham que é só um bebé que nasceu antes do tempo...tive o apoio de familia perto da maternidade(onde fiquei com o marido durante 3 semanas) e dos avós maternos que de 3 em 3 dias faziam 120km para nos dar apoio(a mim e ao pai que esteve sempre comigo). Os avós paternos nem ve-los e semanas inteiras sem simplesmente telefonarem ao filho a saber como estava ele o neto. Saiu dos cuidados intensivos para os cuidados médios, nos cuidados médios passou da incubadora para o berço e simplesmente esses avós não existiam ...tinha um filho numa incubadora e um marido ao colo a chorar a dizer mais mais vez na vida não tinha pais....foi duro, muito duro, ainda hoje passados 4 anos quando se aproxima a data de aniversário do meu filho voltam os sentimentos todos que me apertam a garganta e o peito....Depois quando eles vão para casa nós pais somos vistos como excessivos e com excesso de cuidados e ainda temos que ouvir que eles são iguais aos outros. Não, não são iguais aos outros e só apetece dizer a quem diz isso que ´e um grande ignorante. Na gravidez ninguém nos falou sobre essa possibilidade, é como uma bomba que nos cai em cima e que temos que aguentar sozinhos, aliás sozinhos não porque toda a equipa da maternidade foi espectacular, eles conseguem ler os nosso olhos e os nossos pensamentos e estão lá para nos apoiar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sua frase " acham que é só um bebé que nasceu antes do tempo" diz tudo. Tenho uma filha agora com 3 anos, que nasceu de 34 semanas e toda a gente achava que estava internada só para ganhar peso. Só quem por lá passa é que sabe o que é, e que o peso é o menor dos problemas. Felizmente correu sempre tudo bem e esteve internata pouco mais de uma semana :)

      Eliminar
  5. Clarisse Carriço, penso que há umas semanas também colocou um comentário num post deste blogue pois na altura referiu que a sua filha tinha seis meses e estava internada na Estefânia desde que nasceu. Perdi o rasto desse post e não deixei de pensar em si e na sua família mas felizmente a Clarisse tornou a aparecer por aqui o que me permite finalmente perguntar-lhe: há alguma coisa que eu, a minha família, os meus amigos possamos fazer por si e pela sua família? Uma refeição caseira? Um bolo? Roupa passada? Um gelado artesanal? Um ombro amigo? Alguém com quem gritar? Por favor diga-me, ok? Obrigado e um abraço!

    ResponderEliminar
  6. Olá, sou uma mãe de gémeos nascidos às 36 semanas sendo que apenas um deles ficou uma semana n neonatologia para ganhar umas graminhas! A prematuridade dos meus filhos não chega sequer aos pés do que aqui é relatado nem dos casos que vi na neonatologia e não é por isso que aqui estou. Escrevo porque, apesar de ter passado por esta situação durante muito pouco tempo, há um aspecto que gostaria de salientar.

    Compreendo em absoluto o sofrimento dos avós, a sua impotência, mas avós: nestas situações muitas vezes menos é mais... Quanto menos perguntas se fizer, quanto menos pressão se colocar, quanto menos se insistir melhor. Os pais dos bebés internados não sabem e infelizmente não têm perspectivas de saber quando é que os filhotes vão melhorar ou ter alta. Por vezes um bebé melhora num dia e no dia a seguir há um retrocesso. Isto vale para avós mas também para os restantes familiares e amigos. Ajudem fazendo o mínimo de perguntas possível. Ajudem fazendo um telefonema em que permitem ao interlocutor que fale sobre o que quiser o tempo que quiser sem estar a responder a interrogatórios. Não apareçam no hospital sem avisar... Não pressionem, não questionem, não interroguem... Eu tive um filho internado durante uma semana e sem nada de grande cuidado e senti muito na pele o quanto as pessoas em volta pressionam e insistem e persistem nas mesmas perguntas que os pais pedem por favor para pararem de fazer. Não quero imaginar o que passa quem tem os filhos internados durante semanas ou meses. Um abraço forte a todos os pais de prematuros!

    ResponderEliminar
  7. Só quem por lá passa sabe o que se sofre.... Todos dias são batalhas.... Não é nada fácil e eu como mãe de uma prematura de 35semanas juntei me a outra mãe de uma prematura é a uma enfermeira da Neo e trouxemos o "polvo de amor" para Portugal para que o polvinho possa amenizar um pouco o sofrimento, que seja o grande companheiro do bebê e o seu fiel amigo, fazendo com que ele estabilize e venha mais cedo para casa. É amor no seu estado mais puro!

    ResponderEliminar