Mostrar mensagens com a etiqueta estamos juntas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta estamos juntas. Mostrar todas as mensagens

domingo, 20 de março de 2016

Fui bully.

Nem tudo são coisas bonitas nisto da maternidade. Não me canso de falar disso, porque vivermos com a expectativa de que isto é um conto de fadas e depois depararmo-nos com a realidade só faz com que o mau se torne pior.

Já falei muito da vulnerabilidade que praticamente todas sentimos nos pós-parto (por causa de tudo aquilo que já sabemos: privação de sono, má alimentação, dores nas maminhas, dores na barriga, mudança de identidade, pontos no pipi, desencaixe da realidade, adaptação de expectativas, hormonas, hipersensibilidade, responsabilidade, insegurança). 

Fui uma mãe que passou para o outro lado e cada vez mais me apercebo disso. Quanto mais olho para trás e me revejo em câmera lenta e tento encontrar justificações para as minhas acções, menos me percebo. O que é bom - quer dizer que estou a voltar, se é que não voltei já. 

Isto de ser mãe trouxe o meu melhor e o meu pior ao mesmo tempo e logo no início. Por ser tão insegura, cosi-me de certezas e abracei uma intolerância enorme com se fosse a minha melhor amiga na hora de me acalmar. Ao dizer aos outros que estavam errados, era como se quase acreditasse que aquilo que eu fazia era o que estava certo. 

Quem não amamentava era isto, quem fazia isto era aquilo, quem não pensava nisto era não sei quê, quem não sei que mais... 

Os poucos minutos em que não estava gravemente a julgar-me a mim mesma e a diminuir-me era o que fazia a outras mães. Não intencionalmente, não. A minha vontade foi sempre de ajudar, de as iluminar para o caminho que eu usava com a minha filha, apontar-lhes os problemas e soluções. O problema? Não estava minimamente capaz de ser empática. Além de ter sido extremamente insistente com pessoas que passavam por um bocado tão sensível como eu, não fui capaz de lhes dar a ajuda que precisavam, um "compreendo, deves estar de rastos". 




Julguei. Informei. Comuniquei. Dei sermões.

E quem era eu senão mais uma mãe totalmente perdida ajudando mal e porcamente as outras e, infelizmente, a sentirem-se miseráveis? 

Sempre odiei a expressão "um dia, quando passares por isso, saberás", mas neste caso é mesmo verdade. Finalmente, ao longo dos últimos meses (ano), tenho-me vindo a aperceber que isto da maternidade é... tem muito que se lhe diga, pronto. Não podemos encaixotar as pessoas como fazíamos na adolescência: se ela tem muitos namorados é porque isto, se ele não é másculo é porque aquilo... 

Até podemos, mas estamos a ser ignorantes e a causar mal estar. E sim, mal estar no geral. Nestas alturas as pessoas com quem fui bully de certeza que não foram mais felizes e eu, sinceramente, também ficava verdadeiramente afectada. Enervava-me, ficava triste por não conseguir motivar, irritava-me por não me conseguir desligar... Era só esquisito e triste. 

Este sempre foi um dos meus maiores defeitos e que ficou muito evidente no pós parto que, felizmente, já acabou. É uma tendência minha que pretendo seriamente contrariar, começando talvez por mim e pela minha voz interior, de maneira a que não saia - nem acidentalmente (como foi o caso) - para o exterior. 

Não gosto quando o fazem comigo. Odeio. 

Não me apercebi, é um facto. Talvez agora sejamos mais a aperceber-nos. Ser mãe não é uma competição, ser mãe não é um concurso, não é uma corrida, não é um julgamento, não é um ringue. Ser mãe já tem tanto que se lhe diga que devíamos era ajudarmo-nos umas às outras, porque estamos todas no mesmo barco - mesmo que uns estejam a ir mais rapidamente ao fundo e outros nem por isso. 

Pedi desculpa a estas pessoas que levaram com a minha descompensação. Fiz o pedido ontem (mais de um ano e meio depois). Decidi escrever-vos hoje para que talvez mais alguém se aperceba do que está a fazer sem querer ou do que lhe poderão estar a fazer. 

#temosqueserumasparaasoutras.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Eu não consigo arrumar a cozinha e deixar a miúda a chorar na sala.

Ontem, a passear pelo parque da Serafina, encontrei uma mãe. Esta mãe estava, tal como eu, a passear com a sua bebé e mostrar-lhe os patinhos. A Irene engraçou com a bebé e abraçou-a imensas vezes e deu-lhe muitos beijinhos. A mãe acabou por dizer que lia o nosso blogue. Não disse só isso, deu-me a entender que o blogue a ajudava a sentir-se menos desamparada, que estes meses não têm sido só bons e que melhor do que ler o nosso blogue, só alguém lhe limpar a casa toda enquanto repusesse o sono. 

Olhe para esta mãe. Cansada, mas a viver o sonho. Era domingo e quis ir passear em família, para a bebé L. apanhar um bocadinho de sol, para esticar as perninhas, para ver os patinhos. Estava curvada a segurar as mãos da bebé para que esta fosse dando passinhos. Agachei-me para ficar à altura delas enquanto conversávamos. Conversámos pouco, mas muito. 

A mãe disse-me que o pior era não conseguir dar conta de tudo. Que estar em casa com a filha é fazer muita coisa ao mesmo tempo e que depois não conseguiam compreender, quando chegavam a casa, como é que a casa estava naquele estado e o que tinha feito o dia todo para aquilo estar assim. 

"Eu não consigo arrumar a cozinha e deixar a miúda a chorar na sala". 

Muito respeito por estas mães que têm de ultrapassar os primeiros meses e sozinhas. Por um período em que estamos debilitadas, fracas, a fazer luto da nossa identidade passada e ainda em processo de reconhecimento da cria que temos à frente. Estes meses em que ao mesmo tempo que nos julgamos incapazes de fazer coisas, temos de fazer as coisas mais importantes do mundo. Vi nos olhos clarinhos da mãe, com o sol a bater, que ela precisava de dormir em concha e de chorar um bocadinho. 

Precisava que alguém lhe dissesse: "caga (quero mesmo usar esta palavra, sorry) na roupa, na loiça, no pó, no chão e vai dormir quando a miúda adormecer". 

Infelizmente precisamos de ouvir isso dos outros porque não é o que dizemos a nós próprias. Nós não conseguimos borrifarmo-nos para as tarefas da casa porque sentimos que é da nossa responsabilidade e porque aquilo que "os outros" nos dizem sobre "o que fizemos os dia todo" é também o que dizemos a nós próprias e, portanto, falhamos. E falhamos todos os dias, em todas as tarefas. Ainda para mais com uma descarga hormonal a acompanhar e privação de sono. A Pide bem que poderia ver os primeiros meses do pós-parto como a pior tortura de sempre. A par de, como disse esta mãe, nem sempre ser mau. Claro que não é. Há alturas em que os cheiramos e ficamos loucas e vemos que chegamos à etapa mais gratificante da nossa vida, mas há outras alturas em que não: de madrugada, durante a noite, durante as birras, durante as afinações necessárias até passarmos a conseguir ouvir bem o que um bebé quer e não estarmos em constantes apalpadelas e a morrer de medo de errar. O pós parto é uma discoteca com música daquelas bem aceleradas aos altos berros e nós temos de conseguir ler um livro. É complicado, é frustrante, é cansativo, é... bom, "nem sempre é bom". 



Queria dizer-te que vai tudo passar. E disse, mas queria ter dito de outra forma. Sem tanta gente à volta. Sem teres que estar a segurar a menina e sem poderes chorar. Queria dizer-te que apesar de não te conhecer, que te adoro e que não me importava de limpar a tua cozinha para poderes dormir. Que lamento que estejas sozinha nesta fase, a fase em que já nos sentimos tão sozinhas, mesmo que não estejamos e agora que ganhamos mais uma pessoa na nossa vida. 

Esquece a cozinha. Consegues? Consegues ver tudo aquilo que não importa agora? Verbaliza. Se te fazem pressão para arrumar a casa, diz a ti mesma que não tem mal não fazeres tudo. Diz. Um dia vais dizer isso erguida à pessoa que também te faz sentir assim (além de ti própria). Tu és mãe agora. A casa pode esperar. A casa é de todos os que lá vivem. 

Dá-te um desconto. 


segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Esta mãe anda por aí?

No Domingo à tarde fomos lanchar a uma Padaria Portuguesa que há em Telheiras. Tinha fotografias giras num site e fomos. A Irene parece que anda com problemas de barriga e só descobri isso quando lá chegámos. Por acaso levei fralda para trocar porque achei que já tinha despachado os números 2 do dia. 


Toda contente por ter, afinal, levado a fralda extra fiquei um pouco aflita por não saber onde lhe trocar a fralda. Não queria mudá-la em frente a toda a gente, mais para não incomodar pessoas a lanchar e isso.

Fui à casa de banho com a Irene e não havia trocador. Encontrei uma mãe afónica (voz sexy - deve ser do tempo) que estava a ajudar a sua filha mais crescida a fazer xixi na sanita. Partilhei com ela a minha preocupação e ela não hesitou e tentou dar soluções: mude-a ali na outra sala que acho que está vazia (não estava) ou "eu ajudo-a, só um momento".

Fiquei tão quentinha com esta reacção. adoro saber que nos entre-ajudamos que, se for preciso, mudamos mais aquela fralda daquela bebé que não conhecemos, filha de uma mulher que nunca ouvimos falar. Aceitei a ajuda, mas pedi primeiro para ver se me desenrascava sozinha: deitei-a em cima do tampo da sanita, pus o quispo a fazer de almofada e para a separar da parede e, muito dentro dos limites, consegui tratar de tudo. Fiquei contente por me ter desenrascado - não me tenho em conta como muito hábil. Fiquei ainda mais contente por aquela mãe tão querida que queria ainda limpar um segundo rabo naquele pequeno intervalo de tempo.

Procuro esta mãe para lhe agradecer, mas também todas as mães que alguma vez algum dia ajudaram outra mãe que não conheceram para dizer que estas coisas ficam na nossa cabeça e que nos fazem sentir que, afinal, vivemos num mundo com alguns laivos de decência e compaixão.

Irei sempre lembrar-me de ajudar outra mãe que me pareça cheia de casacos ou com uma fralda por mudar ou...

Vamos a isto?