Mostrar mensagens com a etiqueta corpo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta corpo. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Nunca me senti tão bem na vida


Fatos de banho Bikini Kloset

Nem é por estar toda fit, que não estou, nem por sombras. Este corpinho não vê um ginásio há 9 meses - e nunca viu durante muito tempo, para ser sincera. Nem é por estar com uma pele luminosa. Estou com acne bem forte, resultado de uma alimentação não muito equilibrada, talvez também de stress e talvez da falta de pílula, que ajudava a regularizar (tenho DIU). 
É por estar numa fase em que nada do que estou, ou sou, me impede de vestir o que quiser, sem me sentir mal com isso (já estive bem mais definida e com menos flacidez e não estava tão tranquila). É por estar no meu primeiro dia de férias, em família, a encher-me de tudo o que é importante. É do ar do Algarve, dos cheiros e dos figos. É do vinho branco fresco. É do reencontro com as miúdas e comigo. É de ter tomado a decisão de estar, os próximos dias, sem internet [tudo o que publicar aqui no blogue foi agendado antes]. 
É de gostar do que sou, do que me tornei. É sentir uma calma e uma paz interior, apesar de tudo o que há para fazer [há um casamento para preparar já para outubro]. Mas tudo pode esperar. E tudo se resolve.
Agora é abrandar e curtir estas miúdas queridas, dar-lhes beijos na pele salgada, dar a mão ao meu amor, ler um livro e deixar que o sol me dê felicidade. 

Férias, uma sorte. 
















Os nossos fatos de banho são da Bikini Kloset, uma loja em Santarém e no Chiado e com outlet na Ericeira [online aqui], que tem, entre outras marcas, a MAAJI, que tem só os bikinis e fatos de banho mais bonitos de sempre. Não são baratos, mas são muito bem feitos, macios e quase todos reversíveis (2 em 1, mas há bikinis que dão para 4 conjugações diferentes e até há uns que dão para 6 possibilidades!). Já sabem que sou uma pirosa e que adoro combinar com elas - enquanto elas deixarem - e fiquei fã da linha kids da marca também, muito surfista e com estes padrões lindos e conjugações inesperadas! Mães de rapazes, também há para miúdos a condizer e até para os pais! 

Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Somos todas mulheres reais.

Tenho gostado de ver uma certa manifestação nos blogues e nas redes sociais, com o tal chavão das mulheres reais. Não queria estragar essa onda de aceitação (que é mesmo boa e necessária), mas pus-me a pensar que também pode ser injusto ou preconceituoso achar-se que as mulheres reais são (só) as que se apresentam "como são", com os corpos que têm/ conseguem ter naquele momento e normalmente são as mesmas (somos as mesmas, que eu também me incluo nessa questão, quem nunca?), que a certa altura acharam que estavam gordas. Somos muito auto-críticas, sim, e temos como referência de beleza pessoas magras e/ou fit. Mas as pessoas magras e/ou fit também são mulheres reais. Umas são mulheres que devem tudo à genética e outras são pessoas que se esforçam diariamente para alcançar o corpo que idealizaram. Todas somos reais, com mais ou menos ginásio, com mais ou menos massagens, com mais ou menos bolas de berlim.

Ponto assente, acho sim que quem é figura pública ou influenciador pode (mas "não tem de") canalizar esforços para mostrar-se "real", e não estou só a falar do aspecto físico. Só que depois deve ser difícil esquecer os programas de edição que já põem os dentes brancos, que alteram o tom de pele, que tornam os rostos mais finos e todos os filtros de instagram. Todos queremos estar (mais) "bonitos", o que quer que isso signifique.

Gosto muito, no entanto, quando há uma espécie de manifestos, como aquele da Alicia Keys em andar sem maquilhagem durante uns tempos (nem sei se ainda o faz). Já lá vai o tempo em que se endeusavam as estrelas. Ainda endeusamos, claro, mas já percebemos que são pessoas como nós. Já percebemos que ninguém está sempre lindo e perfeito e feliz a toda a hora. E já percebemos que as aparências iludem. Que é normal ter-se celulite e estrias e mamas descaídas, apesar de não gostarmos e de nem sempre nos sentirmos bem com isso.

Eu nem sempre gostei do meu corpo. Aliás, não posso afirmar que gosto. Não me beijo todos os dias e digo o quão linda sou (se calhar devia, faz milagres, dizem). Mas se há coisa boa que a idade ou as filhas ou tudo junto, nem sei, me trouxe, foi uma espécie de paz com o que sou hoje. E isso inclui o meu corpo. É o corpo que posso e consigo ter neste momento. E ele incluí uma pele com marcas de acne que já tentei disfarçar com inúmeros tratamentos, já algumas rugas de expressão, estrias e celulite, uns joelhos com gordurinha (que durante muito tempo me impediu de vestir calções ou saias mais curtas), um rabo flácido, braços que abanam por todo o lado a dizer "adeus", mamas que mirraram e que são dois saquinhos de chá e que já nem chegam a encher de leite (acho que estamos em processo de desmame) e uma barriguinha. No entanto, acho que nunca estive tão magra, dizem-me. Como vêem, somos sempre exigentes. E é essa consciência de que somos muito mais do que o corpo e que não temos de ser todas iguais, que somos as nossas histórias, o que dizemos e fazemos de bom, que nos vai trazendo uma espécie aceitação que nos alivia da pressão. Saber que quanto mais confiantes estivermos da pessoa que somos, dos valores que transmitimos aos nossos filhos, quanto mais gostarmos de nós, mais bonitas vamos ser.

Não quero parecer um Gustavo Santos e fazer aqui um texto de auto-ajuda, sei bem o quão bem nos sabe estarmos em forma ou com menos uns kgs ou com um rabo mais empinado, mas caraças, a elegância vai muito para além de tudo isso... Já não somos miúdas para andarmos todas à procura de uma perfeição que já sabemos ser impossível alcançar. Que nos cuidemos o mais possível, sim, que pratiquemos desporto, sim, que façamos aquele tratamento que queremos fazer, que ponhamos mamas se já não nos reconhecemos, sim, tudo escolhas válidas, nada contra. Mas que não tenhamos vergonha do que somos hoje. Somos mais do que o nosso espelho nos mostra, do que foi convencionado e definido. Somos mulheres, temos uma força enorme, enfrentamos o período todos os meses, temos (muitas!) responsabilidades, movemos mundos, temos buço e pêlos nas axilas por tirar (porque lá está, alguém se lembrou que tinha de ser assim) e algumas de nós tivemos putos a saírem-nos pelo pipi, outras foram cortadas, levamos com furacões de hormonas e ainda levamos com opiniões de todos e de mais alguns... há dúvidas de que somos poderosas?! 
Somos todas mulheres reais.










Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:


quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

O que está errado comigo?

Ui que as haters já estão a esfregar as mãos para responderem 88 respostas a dizer que sou stressada, ansiosa que, por causa do divórcio, não sei o quê e que a Irene não é uma miúda normal porque eu, eu, eu e a culpa é minha. Whatever.

Faço esta pergunta porque tenho finalmente percebido que a percepção que tenho do meu corpo não é justa. É  mesmo muito muito cruel.


Fotografia - The Love Project


Só me lembro de me achar gorda. Muito gorda. Trocava milhares de vezes de calças antes de ir para a escola de manhã, passava o dia a encolher a barriga, às vezes fazia dietas loucas no Verão de não comer durante horas e de fazer desporto durante o máximo de horas que conseguisse...  Cheguei a dormir com um cinto a apertar-me a barriga para me lembrar de a encolher para "fazer abdominais enquanto dormia". Tentei milhares de vezes obrigar-me a vomitar e - ainda bem - nunca consegui. 

E quando, num dia destes, fui ver fotografias minhas dessa altura... estava óptima. Não estava nada gorda. Não só estava bem, como estava muito bem. Era muita boazona, até. Nunca tive a barriga flat e com 6 pack, mas... não tinha motivos nenhuns para sofrer como sofri.

No outro dia, quando encomendei roupa da Zara e abri a caixa no trabalho, houve uma colega que me olhou nos olhos e disse: "porque é que compras roupa tão acima do teu tamanho?". Tinha comprado Ms e Ls. O L comprei para estar à vontade porque tenho sempre medo que não me apertem os casacos ou nos braços que não passem... 

- São acima do meu tamanho?

- São, Joana. Tens um problema (sim, haters, tenho muitos problemas) e isso tem um nome. - Ela disse isto a "brincar", mas a chamar-me à atenção para isso. Foi uma querida.

E, realmente, não tenho noção nenhuma do meu tamanho. É um facto. No outro dia ofereceram-me uma t-shirt lindíssima que era um S (obrigada :)) e eu jurava a pé juntos que não me iria servir. Até andava a adiar experimentá-la para não ficar triste. 

Experimentei umas calças e o meu número não é tão grande quanto imagino. Afinal pessoas cujo corpo visualmente me agrada no dia-a-dia vestem o mesmo número que eu. Porque será que me "odeio" tanto? 

Sei que isto não acontece só comigo, sei que acontecerá com muitas de vós. Sei que há muitas por aí que odeiam aquela prega extra que não cabe nas calças ou que odeia que os tops de lycra não assentem perfeitamente. Que odeiam os braços, a celulite nas pernas, a forma como são os dedos dos pés, os dentes... 

Somos óptimas a odiar-nos, mas temos mesmo de mudar o mindset para aquele que é menos fácil: o que temos em nós que gostemos? E será que esta nossa percepção é real? 


Vou partilhar convosco o meu exercício: 

- Adoro os meus olhos, são verdes e tristes. Tenho pestanas grandes, é uma sorte.

- Gosto muito da minha boca, parece de boneca. Tenho lábios carnudos.

- Adoro os meus dentes - só os tenho por ter usado aparelho (e ainda usar contenção), mas acho que são uma parte importante da minha cara e do meu sorriso.

- Gosto muito das minhas costas. Fiz natação durante muitos anos e gosto muito de ter ombros largos e alguns músculos mais saídos.

- Gosto do meu rabo. Em tempos pensei que o tivesse perdido, mas com um pouco de exercício voltei a ter o rabo redondo e empinado que gosto. 

- Gosto dos meus pés. São pequeninos. Gosto deles assim. 

- Também gosto das minhas orelhas, por serem pequeninas. 

- Gosto das minhas pernas quando faço um pouco de exercício. São grandes, coxudas. 

Estou a fazer um esforço enorme para não escrever "mas". 


E vocês? Se tiveram 3 minutinhos para ler isto, o que acham de fazerem agora o exercício aqui nos comments? Em anónimo, se preferirem :)

Sabem qual é a parte mais esquisita disto tudo? Quando estou nua e me vejo ao espelho consigo adorar-me! Vestida é que não consigo! 




Sigam o meu instagram e o d'a Mãe é que sabe :)
a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Tinha saudades do meu rabo.

Bem sei que nada disto terá que ver com maternidade ou... talvez tenha!

Vamos começar do início. Estão a ler uma miúda que sempre gostou de duas partes do seu corpo: os ombros e o rabo. Por causa da ginástica desportiva ou lá o que era que me fazia andar de maillot e de cabelo puxado para trás com gel e mil e um ganchos, fiquei com um rabo empinadinho e redondinho e desde nova.

Sempre tive orgulho no meu rabo (e nojo da minha barriga - apesar de agora ver fotos antigas e achar que estava tão bem dantes) e comprar/vestir calças era uma tarefa árdua para mim. Tinha as minhas calças preferidas da Mango, que acentuavam as minhas curvas mas que, infelizmente, ao longo do dia ficavam mais largas e ficavam tipo fralda. Como tenho a panca de não repetir roupa numa semana (não consigo usar as mesmas calças duas vezes na mesma semana, mesmo não as lavando), era uma "sofrimento enorme" até voltar a ter as minhas calças da Mango lavadas para ficarem rígidas outra vez e eu voltar a sentir o meu rabo digno de me dar confiança no colégio. A minha mãe não compreendia porque é que eu punha as calças para a lavar sempre que as usava e, se bem me lembro, deu pano para algumas birras. 



Também me lembro de umas calças da Zara - agora horríveis a meu ver - que eu amava. Eram rosa a puxar para o roxo, sem bolsos atrás o que faria com que o meu rabo brilhasse. Parecia aquilo a que me costumo referir com o"cu de preta". Adorava-o. Não eram de ganga e, por isso, notavam-se as cuecas saco de pão da Sloggy que eu usava (e que eram todas iguais). Para que tal não fosse tão evidente e visto que não conseguia pedir à minha mãe que me comprasse calças de fio dental (tal como não consegui durante antes pedir soutiens com aros o que fez com que tivesse a levar com as mamas no queixo alguns anos nas aulas de educação física e me valeu alguns complexos mamários pelas minhas mamas terem uma forma mais tipo pêra e as minhas amigas terem umas mamas redondas), entalava as cuecas entre as nádegas para fingir que eram "fio dental". E lá andava eu toda vaidosa com o meu rabo de um lado para o outro. Agora já tinha duas calças preferidas, que me ficavam tão bem. 

Tenho a sorte de não ter muita - quase nenhuma celulite (tenho uma barriga que dá vontade de me odiar para sempre) - e isso também fazia com que eu me sentisse mais confiante quando usava o meu fato de banho de natação. Eram tão justos que parecia que faziam cinta e, lá está, este traseiro estava numa ordem invejável. 

Não me recordo, porém, de nenhum rapaz ou homem mo ter elogiado. Acho que era uma coisa só minha. Vai-se a ver e nunca tive um rabo jeitoso, mas é o que eu acho. 

Comecei por usar fios dentais da Berskha, aqueles que parecem um atacador e que fazem uma esfoliação anal. Não eram agradáveis e não me favoreciam. Rapidamente percebi que o meu rabo precisava de outro tipo de cuidado no que tocava a roupa interior. 

Vamos andar uns 20 anos para a frente, quase. 

Há uns meses, estava a vestir-me no quarto, ainda estava com o meu ex marido, olhei-me ao espelho e disse: "epá, eu pensava que tinha um rabo grande!". Ao que ele respondeu que não, que nunca tive, mas que gostava dele assim. 

Fiquei triste. A pensar que me tinha enganado a minha pré adolescência e adolescência toda relativamente à qualidade do meu traseiro, mas agora, meses depois ele está de volta. 

Como é que ele voltou? Simples. Voltei a fazer exercício físico e agora volto a ter o meu rabo, orgulho de sua mãe de volta. Ao ponto de não poder usar algumas calças de gangas mais duras por ele não ter espaço. 

Eu aprendi uma lição nós não somos o nosso corpo. Ele está ( e não é) assim. E, se não gostamos, tratamos dele.

Tinha saudades do meu rabo. Já cá está. Bem-vindo meu amor há muito perdido.


Podem falar com o meu PT (#omelhorptdomundo), mas os melhores exercícios para isto, do que tenho aprendido é fazer peso morto e usar elásticos nas pernas e fazer vários exercícios de activação do grande glúteo. 

Sei que é um post a falar do meu rabo, mas nem sempre me apetece falar sobre crianças :)


✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩


Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade.