terça-feira, 14 de março de 2017

Resoluções Montessorianas (Montessori #02)

Ainda estou em falta, já sei! Já sei!!!! Tenham paciência! Se dantes era eu a dondoca que estava com a miúda em casa aqui do blog, agora sou eu que trabalho e vou ao ginásio e cuido da Irene e ainda quero ter tempo para ver umas séries no sofá antes de me começar a babar desalmadamente como quando oiço um pacote de bolachas a abrir. Só tenho uma filha, é verdade, mas também já ouvi dizer que eles se entretêm uns ao outros, por isso, vá!

Ainda estou em falta com o resumo do Workshop de Montessori onde fui e cuja professora convidei para escrever aqui no blog para dar umas boas dicas e falar dos workshops que irá dar e onde. Só não digo quem e onde que quero ver se a L se apressa a escrever hehehe. 

Bom, fiquei inspirada como vos disse aqui. Prometo que vos vou passar o básico, prometo. Mas achei que iriam gostar de saber de algumas resoluções.

Fotografia de umas das várias actividades que tenho feito com ela e que vos quero mostrar. 

Deixar de passar a sopa

É importante que eles tenham contacto com várias texturas de legumes. Não podemos esperar que o único contacto que tenham com eles seja no estado líquido e depois ficarmos chateados por rejeitarem quando estão no prato num dia ou outro. Isto acho que não é Montessori mas foi uma opinião que me fez sentido e que estou a adoptar. :) 

Deitar brinquedos fora

A verdade é esta: muitos brinquedos não significa mais entretenimento. Acho que eles sofrem do mesmo problema que eu quando entro numa Desigual: é muita coisa e desisto, apesar de individualmente achar que podem ser engraçadas. Quantos brinquedos não terão eles que poderão ser dados a quem não os tenha ou então aquelas partes de brinquedos que já nem sabemos onde está o todo e que só fazem aquele lixinho aborrecido no final da caixa onde os arrumamos? Bem, que frase tão comprida, cansei. 

Adaptar mais o espaço a ela

Fiquei preguiçosa com o tempo. Muitas das coisas da Irene no quarto dela estão disponíveis. No entanto na casa de banho nem por isso. Continuar o esforço de lhe chegar as coisas que ela já deve fazer sozinha (com supervisão, claro) como lavar os dentes, pôr perfume, pentear-se. Comprei uma coisa muito gira no Ikea que depois vos mostro noutro post (tenho que ir fazendo render o peixe senão os anónimos dizem que publico posts da treta só porque sim e... às vezes é mesmo heheh).

Mais cestos e tabuleiros

Isto é Montessori puro. Tabuleiros ajudam no transporte dos brinquedos de um lado para o outro e delimitam o espaço visual e físico para as brincadeiras, além de tornarem bem mais prático a sua arrumação e limpeza. Os cestos a mesma coisa, juntando o facto de ajudarem na categorização dos brinquedos e aumentarem o potencial de arrumação de uma prateleira, por exemplo. 

Mudar a areia dos gatos

Andei a evitar durante imenso tempo que a Irene, ao contrário do que ela mais anseia, mudasse a areia dos gatos. Essencialmente porque faria um chiqueiro enorme de areia no chão ou atiraria os cocós contra a parede ou qualquer coisa. Mais uma vez: preguiça. Mostrei-lhe como se limpa a areia dos gatos e adaptei o espaço pondo um caixote do lixo ao lado do caixote da areia para lhe ser mais fácil. É agora da responsabilidade dela (nós limpamos quando ela se esquece, coitados dos gatos). 

Aprendizagem em três pontos

É um método da linguagem Montessori que certamente a professora/formadora vos irá falar em breve mas que consiste em algo que a maior parte de nós já faz intuitivamente que é apresentar três objectos, nomeá-los e depois perguntar onde está o objecto a. Seguidamente perguntar que objecto é aquele para certificar que o conhecimento foi apreendido. Será que me está a faltar qualquer coisa aqui? 

Deixar de falar tanto durante a demonstração de algo

Isto às vezes acontece-me com o meu PT (não deixa de ser #omelhorptdomundo), mas ele tenta explicar enquanto demonstra e às vezes perco-me. Com eles é importante deixá-los observar sem que introduzamos mais informação ao mesmo tempo. Não precisam disso, antes pelo contrário. Às vezes dar apenas a indicação "vou mostrar-te a levar o copo" e por a acção em prática é o suficiente. Se não for suficiente, repetir.

Uma derivação da actividade anterior. 

Não corrigir negativamente

Insistir na repetição da demonstração depois da criança terminar o seu processo. E valorizar o esforço da criança. Reflectir se não haverá coisas anteriores que pudéssemos ter ensinado para facilitar o processo. Exemplo: não esperar que a criança saiba arrumar um pano se nunca a ensinámos a dobrar. 

Não elogiar a meio do processo

Deixar que a criança termine a sua tentativa antes de elogiar para que esta consiga ainda ter oportunidade de corrigir qualquer coisa e de aperfeiçoar e também de não sentir que os elogios não têm fundamento. Deixá-los acabar, observando e aprendendo também nós. É difícil conter o entusiasmo, bem sei. 

Muita observação

Montessori é espectacular (há de ter as suas fragilidades, claro) e deslumbra muita gente por bater certo com tanta coisa. Maria Montessori passou imenso tempo a observar crianças e parte da aprendizagem de Montessori para os professores e auxiliares é a observação silenciosa (se é que isto não é um pleonasmo). Agora reparo que a vontade da Irene em fazer sozinha e as "birras" dela, eram as minhas birras para não ter trabalho em ensinar-lhe as coisas ou em adaptá-las a ela. 


Espero ter-vos inspirado a mudar qualquer coisa! Depois contem!

...............

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

13 comentários:

  1. Acho que estes textos sobre o método Montessori são os de que mais gosto aqui no blogue. O conteúdo é muito bom e está a ajudar-me imenso a compreender algumas coisas dobre as minhas filhas (a vontade de quererem fazer tudo e a nossa preguiça para ensinar). Sigo uma Youtuber que pratica este método com os filhos - a Flávia Calina - e a maior parte das coisas que ela pratica faz-me todo o sentido.
    Mas, uma coisa é certa, é preciso mais do que disponibilidade mental para seguir exatamente as regras Montessorianas. Sem dúvida que é um método excelente para promover a independência das crianças e que respeita muito a criança, o seu tempo e as suas necessidades mas, nos dias de hoje e com o pouco tempo que temos, torna-se complicado de aplicar. Digo eu.
    O máximo que consigo fazer por aqui é ter um quarto montessoriano, com uma caminha no chão e a maior parte dos brinquedos acessíveis à minha filha.

    ResponderEliminar
  2. O filme sobre Maria Montessori vale a pena ver ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O de 2007 ou outro?
      https://www.youtube.com/watch?v=5ET2_lfuffo
      Notável como um método, designado em 1909 pela autora por "Pedagogia Científica", permanece tão pouco conhecido no nosso meio académico. Não foi criada ontem, nem num país estranho, nem se aplica apenas à educação infantil. Ao longo de um século, o método de Maria Montessori não serviu o interesse da "Educação das Massas", na perspetiva das elites. Gostaria de saber o que é que o "pai" Vicente Jorge Silva escreve sobre este assunto.
      https://en.wikipedia.org/wiki/Maria_Montessori#Scientific_pedagogy

      Eliminar
  3. Joana, conta-nos lá onde é que estás a fazer esse workshop? há mais? podes dar-nos os contactos?
    bjs

    ResponderEliminar
  4. Joana, o que fiz no WC foi assumir o bidé como o "lavatório" da minha filha. Coloquei lá o copo e a escova de dentes, sabonete e uma mini toalha só dela. Assim ela lavava dentes, cara e mãos de forma autónoma.
    Outras coisas: acordar mais cedo para se vestirem sozinhos sem stress; sapatos com velcro; um cabide à altura dela para pendurar o casaco e a mochila quando chega da escola. São coisas simples. Tudo a correr bem. Não sigo o método Montessori a 100% mas acho excelente e tem passos fáceis de integrar na rotina. ��

    ResponderEliminar
  5. Bebés a mudar a areia dos gatos???? Wtf??? :O

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma CRIANÇA de 3 anos (ou quase) não é propriamente um bebé...

      Eliminar
  6. Bebes?! Com quase 3 anos?! Please... tudo o que ajude à autonomia das criancas parece- me muito bem!

    ResponderEliminar
  7. " Isto acho que não é Montessori mas foi uma opinião que me fez sentido e que estou a adoptar. :) "

    É sim , Joana. A introdução dos sólidos é uma das aprendizagens que pode iniciar logo aos 6 meses e onde podemos fazer com que explorem vários sentidos - do tacto ao paladar, passando pela motricidade fina! Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Oh Joana, puseste a tua bebé de 3meses a mudar a areia dos gatos???? Wtf?? Que horror!! Que crueldade! Má mãe! Desculpa mas tinha que gozar com o anónimo! Ahah

    Quanto a esse método, nunca tinha ouvido, mas gostei! Vou tentar ler mais sobre isso! Obrigado!!

    ResponderEliminar
  9. Para mim com 3 anos ainda é um bebé grande. E fora a minha opinião sobre isso, não me digam que acham realmente q com 3 anos, bebé ou criança, já tem idade para mudar a areia dos gatos. Ainda não sabem limpar o rabo sozinhos, mas vamos po-los a limpar a m**** dos gatos? Really? :| Cada um sabe de si e dos seus, mas fiquei um bocadinho chocada, processem-me. :)

    Raquel (se acham que se puser nome já não sou anónima)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se fosse limpar o seu rabo, hm? Que mania de estar sempre a dar opiniões negativa, cada um faz o que quer e não tem de dar satisfações a ninguém, vá é arrejar a cabeça, que é o que precisa! Até à praia ver a areia e o mar ahahah beijos anónima Raquel

      Eliminar
    2. Nossa, tanta agressividade. Isso não é nada montessoriano. Se calhar não sou eu que preciso de "arrejar" a cabeça. Beijinhos <3

      Eliminar