Mostrar mensagens com a etiqueta colo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta colo. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Peguem ao colo!

"Peguem! Peguem nele!! Andem lá, vá! Peguem lá!"

Parecia que estava a ver um jogo de futebol e que percebia alguma coisa do assunto - percebo tão pouco que, quando me perguntam de que clube sou, digo que sou do Estrela da Amadora (riem-se, mas ainda nem sei bem porquê ;)). Não estava a julgar ninguém, estava tão afilita como certamente cada uma de vocês ficará quando ouve um bebé pequenino a chorar durante muito tempo. A mim pareceu-me muito. O choro da minha filha entrava-me tipo agulha nos ouvidos, mas confesso que, desde que fui mãe, o choro de todos os bebés mexe ainda mais comigo. 

(sabiam que estamos mesmo ligadas aos nossos bebés ao ponto do choro deles nos afectar muito mais do que a qualquer outra pessoa?)

Era um casal de pais. Não sei a história, não faço a mínima ideia. Sei apenas o que a minha cabeça inventou para preencher a lacuna. E a história que inventei foi que eram pais do primeiro filho e que pareciam querer continuar com a vida deles como se o bebé não lhes tivesse "tirado nada". 

"Temos de continuar a passear, a ir às compras, a viajar...". 

Acho que muitas de nós sofrem desta pressão por se ver tantas mães por aí a fazer isto e só se conhecer o lado positivo. A verdade é que também há mães que conseguem fazê-lo e serem muito calmas com tudo isso, mas este não era o caso. 

O bebé estava a ser transportado no carrinho de bebé e chorava desalmadamente. O pai e a mãe estavam à espera que o elevador chegasse, abrisse, mas estava a passar uma eternidade. O pai tentava acalmar o miúdo pondo-lhe a chucha na boca. A mãe parecia-me hirta, provavelmente ainda a tentar processar tudo o que tinha acontecido na vida dela nos últimos dias/meses. 

O bebé continuava a chorar. O pai a tentar a chucha. A mãe sem alma (tantas nos podemos relacionar com isto, caramba). O bebé gritava. 

O elevador não vinha. Nunca mais. 

Finalmente o pai pegou nele ao colo. O bebé parou de chorar. 

Eventualmente chegou o elevador. Não sei se o bebé terá voltado a chorar ou nem por isso. Sei que parou e que foi uma tentativa maravilhosa de consolar o bebé: dando-lhe colo. 

Vi que, numa equipa, quando um não pode/não consegue/não vê, o outro tem um papel fundamental de se chegar à frente, dando a resposta que será sempre a certa: amor. 

Vi também que, muitas vezes, achamos que sabemos o que os bebés precisam, que estarão a chorar, por exemplo, porque querem ser alimentados e, como não temos ali oportunidade, achamos ser preferível deixá-los no carro a chorar por não "podermos ajudá-los". Mas podemos. 

Mesmo que continuem a chorar, é sempre melhor chorar ao colo da mãe. Ou do pai. Ou de quem goste dele e que ele saiba. 

Parece óbvio a quem já dorme alguma coisa de jeito e a quem já terá as hormonas mais calmas, a quem tenha a vida mais resolvida, a noção de si menos atrapalhada, mas há sempre uma recém mãe, um recém pai, avó ou o que for que... no meio da gritaria, não consegue que o colo seja algo a surgir. 

Pode surgir, porra. Pode surgir mesmo enquanto se aquece o biberão ou enquanto se baixa o estore para o adormecer ou enquanto... nada porque pode ser só (que é tanto) vontade de colo.

E melhor: é preciso precisarem de colo para darmos? 

Não há colo a mais. 


E recém mães e pais, não tenham pressa. A vida um dia parecerá arrumada qb na mesma, organizada na mesma, mesmo que queiram ir às compras e o bebé não aguente ou não "vos deixe". Dêem-se tempo. Aos 3. Ou 4 :) 




segunda-feira, 3 de julho de 2017

Vais ficar viciado no colo.



Vais ficar viciado no colo. Na mama. Nas minhas mãos que te confortam até adormeceres. Nos meus beijinhos pelo corpo todo logo pela manhã. No facto de assim que choras eu pegar em ti e mostrar-te que estás em segurança. Em adormeceres na nossa cama de madrugada quando tens noites mais agitadas. É isto que me dizem de ti, filho. Que tens um mês de vida mas já tens manha, que sabes manipular-nos a fazermos o que queres. Que vais ser uma criança dependente. 

És o meu primeiro filho, não sei se estou a fazer tudo bem ou tudo mal. Estou a fazer o melhor que sei. A seguir o meu instinto. Aquilo a que já quase ninguém dá importância. Preferem regular-se por horários, biberons, regras estipuladas e choros constantes. Eu prefiro seguir o amor. Porque dar-te colo quando choras, alimentar-te quando queres e mostrar-te que estás em segurança quando acordas no meio da escuridão e do silêncio, é fazer-te crescer com amor. E o amor é a base de tudo. Pelo menos de tudo o que está certo. É a base de uma infância feliz, das hormonas que te dão leite, de uma família equilibrada e de adultos conscientes e humanos. É o amor que vence sempre. Qualquer luta ou batalha, qualquer medo que se atravesse à nossa frente. 

Fala-se tanto de traumas de infância, de adolescentes rebeldes, de psicoterapeutas para resolver problemas psicossomáticos, de dizer sim ou dizer não. Mas continuamos a cruzar-nos com pessoas que assim que olham para nós decidem aconselhar “não o habitue ao colo”, “deixe-o acalmar-se sozinho”, “não lhe dê mama sempre que quiser, senão não quer outra coisa”, e tantas outras barbaridades. Pais que se queixam de não compreender os filhos, mas que os deixam horas a chorar no berço ignorando completamente os pedidos dos mesmos. Que fazem cursos pré-parto, pesquisam todos os sites possíveis, lêem todos os livros sobre bebés, mas ignoram tudo porque a vizinha lhes disse que as teorias estão todas erradas.

Não sei se tens manha, se me manipulas, se já vens ensinado, se nunca mais vais adormecer sozinho ou aos dez anos ainda vais queres passar a madrugada na minha cama. Mas sei do que precisas agora. Do que me pedes. Do medo que tens do escuro e do silêncio. Do colo que te faz já sorrir para mim. Do amor que tenho para te dar e da segurança que me exiges. É por isso que vamos ignorar o mundo à nossa volta e crescer os dois no que é certo para nós, no que nos faz felizes, com ou sem manha, mas com muito colo pelo meio.





Joana Diogo
A Joana escreve no O que vem à rede é peixe
Sigam-na no Facebook e no Instagram



Podem ler também:

da mesma autora

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 


sexta-feira, 21 de abril de 2017

DAR MUITO COLO É 100% BENÉFICO!


"Cada pedacinho de amor conta para o desenvolvimento cerebral do bebé."


Dar (muito) colo e (muito) mimo é absolutamente crítico para todos os bebés, tem zero de consequências negativas e é 100% benéfico!

É mesmo isto que defendo e, quem me conhece ou acompanha o meu trabalho, sabe que para mim não há Bebés estragados! E não sou só eu que o digo. Existem inúmeros estudos que o afirmam, provam e defendem.

Para os Pais desse lado, já vos aconteceu certamente alguém lhes dizer que estão a “dar demasiado colo” e que “vão habituar mal o Bebé”. E a dúvida instala-se, sobretudo, nos primeiros meses dos Pais de primeiro berço.

Mas não se penalize por seguir os seus instintos que são mesmo os mais corretos! Estudo após estudo, a ciência prova que dar colo ao seu Bebé não é de todo prejudicial, e é mesmo uma parte essencial no que toca aos primeiros cuidados dos bebés, com um impacto a longo termo na sua saúde e desenvolvimento.

Hoje dou-vos a conhecer dois destes mais recentes estudos. Há uns meses, um deles, demonstrou que o contacto pele com pele, nos primeiros tempos após o nascimento, melhora o neurodesenvolvimento e está associado a um QI elevado, reduzindo os níveis de agressividade. Para além disso, o contacto pele com pele também aumenta a probabilidade de sucesso na amamentação, e pode até tornar alguns procedimentos médicos menos dolorosos para os Bebés.

Outro estudo, publicado na semana passada, salienta também a importância deste contacto pele com pele entre os Bebés e os seus cuidadores com efeitos muito positivos de longo prazo. Quanto mais o Bebé for exposto ao “toque gentil” maior será o impacto no desenvolvimento do seu cérebro, particularmente na área que processa estes estímulos, absolutamente necessários para a aprendizagem e desenvolvimento socio-afetivo.

Mas atenção: estas descobertas são válidas para aquilo que cientificamente se chama “toque intencional de afeto”, ou seja, não incluímos aqui o toque associado a momentos mais funcionais, como é o de mudar a fralda ou dar comida ao bebé.

Este contacto, este colo, é absolutamente imprescindível para o desenvolvimento cerebral do bebé. O toque é um dos primeiros sentidos a desenvolver, antes da audição ou visão, o que o torna na pedra fundamental para a construção de um desenvolvimento saudável. Cada pedacinho de amor conta para o desenvolvimento cerebral do bebé.

Perante isto, Mães e Pais, podem todos respirar de alívio e acreditem quando digo que não há forma de dar colo “demais”. Digo eu e é comprovado por inúmeros estudos que, constantemente, o reafirmam.

Ir ao encontro da necessidade biológica de contacto físico dos nossos bebés não se trata de um estilo de parentalidade mas sim de responder à nossa programação de necessidades milenar para um desenvolvimento saudável!

Ainda precisam de mais motivos para ficar bem agarradinhos ao vosso Bebé?

Prof. Clementina Almeida
Psicóloga, Investigadora e Mãe
My Lab ForBabies