terça-feira, 4 de setembro de 2018

A entrada na creche com ou sem período de adaptação?

Com. Não tenho dúvidas nisto. Pelo menos no nosso caso.
Com, se os pais estiverem disponíveis para que isso aconteça (com a Isabel não o pude fazer, por exemplo, e ela foi com 5 meses e meio).

Com a Luísa, que entrou com 18 meses, não o pude fazer, não por falta de disponibildade minha, mas porque a escola não deixava: nem entrar na escola, nem reduzir as horas - tinha de se habituar desde logo à rotina. E lá estava eu às 16h15 e lá estava ela com os olhos inchados de tanto chorar e a fazer-me queixinhas à minha chegada. Não comia nada de jeito e chegou a adormecer de cansaço de tanto chorar (contavam-me tudinho como se fosse normal e passageiro).

Eu senti que era anti-natura. Andei semanas à espera do dia que ela ia com vontade e não começava logo a chorar no carro ao aperceber-se de que iria para a escola. Demorou. E mudámos de cidade e de escola.

Na escola para onde foram, foi tudo muito diferente. Fez a adaptação com o pai. Duas horas num dia (com ele lá), duas horas no outro, mais umas quantas no terceiro, já ficou a dormir e... foi uma diferença enorme. Avisaram sempre que se achassem que estava triste ou que chorava muito, nos ligariam. Isto sim, fez-nos sentido.

Não temos de pensar todos da mesma forma, acreditar todos no mesmo, claro que eles se adaptam mais tarde ou mais cedo a tudo... mas acho que devia haver um maior encontro com as necessidades da criança e da família. Ficámos todos mais calmos com esta abordagem e também por isso, foi tudo mais fácil.

Na escola onde elas andam (que é Movimento Escola Moderna), os pais fazem parte da escola, podem entrar e sair quando assim o desejam e podem até assistir e participar. Essa relação é estimulada.

Para mim, nestas idades, faz sentido este envolvimento. Se possível por parte dos pais (nem sempre o é e, não havendo, também não faz sentido continuar a remoer o assunto). The Kids Will Be Alright.


Mães que estão agora a deixar os filhos pela primeira vez na creche ou no infantário: FORÇA!






Isabel fofinha no primeiro dia de escola <3

Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:



11 comentários:

  1. A minha filha foi aos 6 meses, logo a full time porque por motivos de emprego não tinhamos outra opção, mas mesmo que tivessemos acho que é melhor assim para se habituarem logo às rotinas. No nosso caso correu super bem, nunca ficou a chorar.
    Beijinhos,
    Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha filha entrou com 5 meses, e perguntei na escola se aconselhavam o periodo de adaptação. Eles puseram-me super à vontade, que por eles podia ir deixando gradualmente, mas disseram-me que pela experiência que têm, em crianças tão pequenas não parecia haver grande necessidade. Decidi por isso não fazer, e ela nunca lá ficou a chorar, ficou sempre bem-disposta. Se for mais perto dos 8,9,10 meses (altura em que acontece a ansiedade de separação), eu faria a adaptação, se tivesse possibilidade.

      Eliminar
  2. Sim a habituação gradual faz todo o sentido, assim evita se que andemos todos numa pilha de nervos. Tudo leva o seu tempo e para as crianças ainda mais, pois não entendem muitos porquês.

    ResponderEliminar
  3. A minha experiência e a minha visão das coisas diz que um período de adaptação faz todo o sentido. Nem consigo encontrar qualquer justificação válida para não se achar o mesmo. Acima de tudo, não consigo compreender que se negue aos pais essa possibilidade. Uma coisa é eles não poderem, outra coisa é a escola não o permitir. Para mim, nunca seria opção uma escola que me negasse a entrada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo na totalidade.

      Estou agora a fazer a habituação do meu mais velho a um jardim de infância novo. Ele tem três anos e está a correr muito bem. Eu conheço o meu filho, se não houvesse habituação ele ia ficar traumatizado. E se eu não tivesse a certeza que eles me chamavam se ele não estivesse bem - estou em casa de licença da mais nova - eu simplesmente não conseguia confiar neles, e se eu não confiasse neles o meu filho dava logo conta, que ele tem umas antenas.. . Assim ao fim de três dias já era ele a pedir para ficar lá a almoçar sozinho.

      E também não acho nada bem os educadores dizerem para os pais sairem de fininho. Uma vez fiz isso no outro infantário, por preguiça, e tive o miúdo agarrado à minha perna durante uma semana com medo que eu me escapulisse... E ele é um miúdo independente, mas imagino o que lhe deve ter passado pela cabeça para reagir assim!

      Eliminar
  4. Minha filha esteve nos avós até aos 2 anos e meio, quando entrou no infantário tinha 2 anos e 8 meses e para não ser um choque inicialmente seria deixar no 1º dia só de manhã até à hora de almoço, depois até depois do almoço, depois até ao lanche e depois até ao fim do dia. No 1º dia fui busca-la antes do almoço, disseram-me que tinha ficado muito bem e que no dia seguinte deveria deixa-la o dia todo, deixei e realmente adaptou-se muito bem. Meu filho mais novo já entrou no berçário com 5 meses e meio, gradualmente foi ficando e correu tudo lindamente. Concordo por isso com adaptação sim sempre que possível e nos meus 2 casos sempre deixaram à vontade e escolha para isso.

    ResponderEliminar
  5. Eu como mãe e como profissional na área acho que é preciso haver essa adaptação É fundamental para as crianças e para todos os envolvidos. Já é difícil o suficiente as crianças irem para um mundo totalmente desconhecido e logo o dia todo. Para mim não faz sentido é um sofrimento desnecessário para a criança, pais e profissionais ( sentimo- nos impotentes com o choro deles. Podemos ate fazer o pino,mas por vezes nada resulta).
    Adaptação sempre

    ResponderEliminar
  6. Olá!

    Fiquei curiosa com a escola do Movimento da Escola Moderna! Pode dizer-me qual é a escola?

    O ano passado fiz a formação de professores e educadores da Escola Moderna (embora não seja professora) por considerar que o mesmo, não sendo inovador, era muito enriquecedor. E adorei! Este ano vou tentar fazer a continuação.

    Recomendo vivamente escolas ou professores que tenham a formação e a apliquem!

    Margarida

    ResponderEliminar
  7. Um relato bem diferente do que fez na altura em que a Luísa iniciou a creche.

    ResponderEliminar
  8. Olá Joana!
    Pode-me dizer como faço para procurar esse tipo de escolas?
    Vivo em Oslo e aqui os infantários são um sonho para qlq pai. Vou pôr e buscar a minha bebé às horas que quero e me dá jeito. E sim, ela teve um período de adaptação. Correu lindamente! De manhã, qd ela acorda, eu pergunto se ela quer ir para a escolinha. Ela acena com a cabeça e sorri com a chucha na boca.
    Estamos a pensar regressar a PT e o tema "infantários" está a consumir-nos!
    Há algum site com nomes dessas escolas e localização? Alguém que me possa informar?
    Obrigada 😊

    ResponderEliminar
  9. O meu filho iniciou na segunda feira o período de adaptação, tem 2 anos e até agora tem estado com os avós.
    Não está a ser fácil, mesmo com toda a flexibilidade que a creche me oferece, o momento da separação dos pais tem tido bastante choro envolvido, mas tenho confiança nos profissionais que lá estão, que me tem dado feedback várias vezes ao dia.
    O meu maior receio que era o adormecer para a sesta, correu bem... mas o momento da separação matinal esgota-me... enfim, vai melhorar!

    ResponderEliminar