Mostrar mensagens com a etiqueta alentejo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta alentejo. Mostrar todas as mensagens

5.06.2019

Fim-de-semana numa casinha de madeira!

Este fim-de-semana rumámos até ao Alentejo. Na sexta-feira não foram à escola (aproveitar enquanto não estão na escola primária) e fomos até Vila Nova de Milfontes (praia das Furnas, que maravilha). Estava um dia inacreditável para Maio e a água nem estava assim tão fria. Detalhe super importante: fomos com a minha mãe, só as quatro. Foi maravilhoso.

À tardinha, fomos até ao Zmar e de lá só saímos domingo à tarde. Havia programação especial para o fim-de-semana da Mãe, com mil actividades e foi uma animação, sem contar com a piscina exterior gigante, piscina interior com ondas, parque infantil enorme, todo de madeirinha, claro (o Zmar tem como conceito a sustentabilidade ambiental), as bicicletas para alugar, arvorismo para os mais crescidos, os carrinhos a pedais para a família toda ou os tractores em miniatura para eles pedalarem, o piquenique debaixo dos sobreiros, as tirolesas, a quinta pedagógica... há um sem-número de coisas para fazer e para explorar. Além de tudo isto, houve Yoga para crianças e Bebés, música para bebés, alimentação dos animais, caça ao tesouro e ainda palestras para as mães, um workshop com o Chakall, um espectáctulo fantástico com um artista malabarista e humorista, estão a ver a loucura de opções? :)






A Isabel disse no sábado que estava a ser o melhor dia de sempre e no domingo voltou a repetir a expressão (vejam aqui os stories). Dormimos imenso (eu cheguei às 11horas, imaginem) e o ambiente era todo muito zen, o pôr do sol deixa uma luz mágica no ar, aquelas casinhas de madeira, o lago e os burrinhos ali no meio das ervas criaram o fim-de-semana perfeito. Não temos de nos preocupar com nada. Esqueci-me de levar escovas de dentes e até isso há lá na mercearia, de bambu. O buffet é também bom, muito bom (comi uma açorda de camarão que estava daqui!), e apesar de bastante concorrido, tudo circulou rápido. Ai e as sobremesas? É tudo muito caseirinho, feito por alentejanos experientes, quase que aposto. Ah! E há ainda pizzas a ir ao forno mesmo à frente dos nossos olhos, bem boas.

Ponto negativo: o facto das miúdas serem tão aventureiras que andaram descalças e ficaram com farpas (lá foram elas ao posto de saúde, lá no hotel) e o facto da Isabel ter esfolado o rabo todo a descer de uma árvore (lá foi ela ao posto de saúde). Querem mais aventura? :) 

Alguém me perguntava como será em Agosto, mas eu não tenho essa experiência. Calculo que haja imensa gente e que se possa tornar um bocadinho mais congestionado. No entanto, aquilo é enorme e se não houver espreguiçadeiras, há relva. A minha cunhada tem ido todos os anos uns dias nessa altura com as filhas e adoram. É uma questão de experimentarem. Aquelas praias ali para aqueles lados são incríveis e a poucos kms (desde Vila Nova de Milfontes a Porto Covo, à Zambujeira do Mar... que zona do país maravilhosa!).




Adorámos. A nossa casinha de madeira era linda. E o facto de terem todas painéis solares e sentirmos que estamos num espaço que respeita mesmo a natureza, deixa-nos mesmo relaxados e descansados. 



Obrigada à minha mãe pela companhia e pelo Dia da Mãe como mãe e como filha. <3 


3.14.2018

Protegi a minha filha, está tudo certo.

Impossível. Impossível ficar-me por apenas um post sobre o Badoca Park. Como vos contei neste post, recebi um press a falar dele e decidi aventurar-me com a miúda e ir. Só por um dia não me apeteceu fazer a viagem, então optei por arranjar uma solução para o fim-de-semana inteiro: o melhor que fiz. Já viram a casa onde fiquei?  Vejam aqui

Quando chegámos (atenção que se forem pelas coordenadas de GPS não ficam mesmo, mesmo no sítio certo), passámos logo por baixo de um arco enorme, convidativo e a marcar o tom de um safari a sério e não de uma "coisinha a imitar um safari".  E, atenção, já fui ao Kruger Park e não pude sair de "casa" porque andava um hipópotamo à solta que, por causa das cheias, tinham caído as vedações. 

Não fomos bombardeadas por actividades. O ritmo ali é lento. Lento e era um dia quente. Afinal de contas, estamos no Alentejo. Chegámos atrasadas (parece que o ritmo do Alentejo já se tinha entranhado em nós no dia anterior) mas, mesmo assim, tivémos a sorte de chegar precisamente na altura da interacção com os lémures. 

A Sylvie (que amor de guia, faz o parque todo, caramba) explicou-nos as regras antes de entrarmos. Depois de algo assustadas (há mesmo algumas regras), decidi na mesma entrar. Queria muito que a Irene tivesse memórias tão boas e tão diferentes, mesmo que isso significasse que eu poderia cuspir meio coração. 



Ainda bem que o fizemos. Ter aquelas patinhas de borracha por cima das minhas mãos foi fantástico. Parece que usam luvas da loiça. E, se não fizermos movimentos bruscos e isso (ou se estivermos sempre a dar comida), eles comem a frutinha e andam por ali, apenas. A mim, os nervos deram-me para ter ataques de riso (e a sensação ser tão diferente também), a Irene esteve mais no modo observador e a levar as regras da maneira mais literal possível, não estivesse ela muito preocupada com a sua sobrevivência. 


E esta luz? Já viram? A sombra das árvores. Sem estarmos de férias e a experimentarmos estas sensações todas. Não quero parecer demasiado esotérica e coisas, mas estar assim, ali, tem qualquer coisa de estar tudo no sítio. Todos os papéis estavam certos, adorei tentar proteger a miúda (ou fazer com que se sentisse protegida), sol, Alentejo... OK, Lémures podiam não estar no plano, mas estavam e ainda bem. Foi inesquecível. 

Vejam bem a minha barriga e sou blogger. Não deixem que as vossas barrigas vos impeçam de serem coise.

De um frame para o outro temos a fotografia da miúda traumatizada com lémures e que vai sonhar com isso nos próximos 48 anos ...



Já aqui, parece que descobriu a magia de viver. Um pouco como aquilo que devemos sentir quando eles aprenderem a fazer o pequeno-almoço sozinhos e nos deixarem dormir até tarde. 

Vejam os bichos. Ainda bem que não pensei muito nisto e que fui. Foi mesmo maravilhoso. Confesso que foi mixed feelings apenas porque a salada de fruta deles tinha bom aspecto e eu ainda só tinha uma carcaça no bucho desde as 7 da manhã.

Olhem só o privilégio, caramba! Tenho que imprimir estas fotografias e por algures no quarto para ver se ela se lembra...


A segunda actividade foi logo o almoço. Foi-nos recomendado o próprio restaurante do Park que tinha variedade de refeições para todo o gosto, além de uma vista magnífica. 

A Irene comeu douradinhos, eu comi hamburguer e quem foi connosco comeu um belo arroz de feijão com pataniscas de bacalhau. Isto, claro, depois de uma sopinha bem aviada e de umas sobremesas de encher ... os olhos e não só... Bem, pareço o Eça no primeiro capítulo. Até estou a descrever as refeições, só não descrevo a loiça porque... era normal. 

Num outro post, em breve, contar-vos-ei a experiência do Safari propriamente dito, mas espero já vos ter convencido a experimentar a interacção com os lémures, além de vos ter dado vontade de ir ao Badoca Park. 


Vejam só a beleza da Natureza. Que giro... 


E a lata deste (gosto de pensar que é o Juliano) a apanhar sol todo escancarado? Que... delícia... 


Estão todos convidados a ir à Ilha de Madagáscar no Badoca Park. No próximo post ainda vão ficar mais derretidos. 

Gostaram da camisola das maçãs? É da Boboli. :)
Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

8.14.2017

A Mãe é que sabe VIAJAR - Monsaraz (Alentejo)

Na terceira semana de férias, fomos para casa dos sogros, em Évora. Tivemos dias mais calmos, mais em casa, a saborear as comidas maravilhosas da sogra, a abusar dos sofás, a ver desenhos animados, a ir ao parque ou à piscina. Foram também até à cidade e até ao cromeleque dos Almendres (eu fiquei em casa eheh). Mas, num dos dias em que lá estivemos, fomos todos até Reguengos (almoçámos por lá) e depois até Monsaraz. 

Monsaraz é uma vila medieval lindíssima, que fica no topo de uma colina com vista para o Guadiana, feita de cal e xisto e cercada por muralhas. Andar por lá, a pé, é um regresso a tempos de reis e rainhas, uma experiência única. As casinhas, as janelas (adoro janelas), as flores nos parapeitos, o Alqueva ali a espreitar pelas ruínas, tudo encantador.

Não comemos nem pernoitámos por lá, mas decerto haverá casinhas bem giras com uma vista incrível, por isso, se tiverem dicas para quem lá queira ir, deixem aqui na caixa de mensagens. :)

































Portugal tem cada sítio mais bonito!!! 



 
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade.