Mostrar mensagens com a etiqueta normalizebreastfeeding. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta normalizebreastfeeding. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 4 de abril de 2017

A qualquer hora, em qualquer lugar.

Sempre dei mama em qualquer lado. Quase. No local de trabalho, se íamos visitar o pai, não me sentiria bem a sacar da mama e a dar ali à frente do chefe, nem via grande necessidade ou urgência nisso. Mas quando digo "em qualquer lado" é basicamente não sentir que tenho de ir para o carro ou para uma casa de banho. Vou se quiser, não tenho de. Custou-me, numa ida a um hospital privado, que me tenham sugerido por duas vezes ir para um cantinho da amamentação, quando eu disse que preferia ficar ali na sala de espera normal, simplesmente porque tinha a minha filha mais velha ali e não a queria abandonar nem privá-la de estar a brincar com os bonecos. Da segunda vez que a mesma pessoa me veio sugerir ir para o cantinho da amamentação, senti que já não era para que eu me sentisse mais confortável, era porque ele não estava confortável OU não queria que os outros utentes ficassem desconfortáveis. Poderia ter ido se estivesse só com a bebé. Não tinha de. E é isso que eu defendo: a escolha. 

Já dei mama no carro porque naquele momento era o mais confortável para as duas (e assim não se distraía tanto), já dei mama com um paninho a cobrir parte da mama, tentei dar à Isabel com um avental e não corria bem porque a miúda suava em bica (nesta nem experimento), já fui de propósito para espaços e cantinhos de amamentação. Agora também vos digo: há cantinhos de amamentação/fraldários que não lembram ao diabo. Ou cheiram a cocó (e eu levo na boa com o cheiro a cocó das minhas filhas, mas dos outros dispenso), ou estão ao lado de uma zona de fumadores e aquilo está empestado, enfim... 

Depende do momento, mas regra geral, se a miúda tem fome ou sede o que seja, saco da mama, com discrição (como penso que qualquer mãe, pelo menos nunca vi nenhuma a puxar para cima o vestido para amamentar ou a andar a passear por aí sem camisa), sem pudores e sem grandes alarmismos. Quando sentirem que estão a fazer algo de errado ou a incomodar alguém - que estupidez sentir-se isto - pensem que até o Papa já falou pelo menos duas vezes sobre este assunto: amamentem "sem medo e com naturalidade, tal como a Virgem", referindo-se às mães dos bebés que estavam a ser baptizados.

Eu sou das que acha bonito ver um bebé a ser amamentado. Não têm de achar, claro. Mas todos temos de respeitar. Tenho fotografias a amamentar em museus, em parques, em restaurantes, em casa. Desta vez foi na festa da Isabel e da Irene. É onde calha, a qualquer hora, em qualquer lugar. Tão natural como a sua sede. 

Susana Cabaço Fotografia


............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.