Mostrar mensagens com a etiqueta lavar os dentes. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta lavar os dentes. Mostrar todas as mensagens

6.20.2018

Lavar os dentes é uma festa!

Não tenho a melhor relação do mundo com dentes e dentistas. Ou não tinha. Já vos disse aqui, fiquei quase 4 anos sem ir a um dentista. Infelizmente, fiquei um bocado traumatizada com as extrações dos dentes do siso e nunca mais lá pus os pés, nem para tirar o último que tinha de ser retirado (sim, sim…) Claro que deu asneira e estou a desvitalizar um dente.

Não quero que as minhas filhas tenham a relação que eu tive com os dentes e com os dentistas. Comecei desde cedo a lavar-lhes a boca – à Isabel ainda comprei uma daquelas dedeiras de silicone, quando lhe nasceu o primeiro dente, com 9 meses. Com a Luísa já passava compressas molhadas com água, ainda ela não tinha dentes. Assim que começaram a ter curiosidade em agarrar a escova e em imitar-nos, passei-lhes as escovas para a mão. No caso da Isabel, sempre foi fácil, no fim da lavagem, dar “uma de mão”, ou seja, lavar eu mesmo a sério. A Luísa dá um bocadinho mais de luta, mas paciência. O que tem de ser tem muita força.

Ajudou, desde sempre, ter pastas a saber a fruta (apesar de só passar o tamanho de uma unha do mindinho delas na escova ou até menos) – chegámos a tentar um sabor menta mas odiaram – e escovas coloridas. Trocamos bastante de escovas de dentes, ou porque deformam um bocado ou porque não se torna muito higiénico. Lavamos todas as manhãs e todos os dias a seguir ao jantar. Quando eu me esqueço e já estou a caminho do quarto para lhes contar a história, elas são as primeiras a lembrar-me! Até a Luísa, no seu português macarrónico, se faz perceber muito bem com “détes!”. Quando tudo isto entra na rotina, não há como falhar. Tenho de ir com elas em breve ao dentista – a Isabel foi aos 2 anos quando partiu o dente da frente; a Luísa nunca foi. Acho muito importante criar-lhes bons hábitos. Com os dentinhos não se brinca, mesmo! [Eu que o diga quando tive a minha primeira dor de dentes a sério há um mês. Credo! Apanhava-me o cérebro, mal conseguia abrir os olhos, um horror! (parecia as velhotas no autocarro a queixarem-se, agora).]




Neste momento, estamos a experimentar umas novas escovas e pasta de dentes de uma marca norueguesa, a Jordan, que tem pastas e escovas para todas as idades. Não sei se já se cruzaram com elas no Continente, são muito fixes! Gostei do design da escova dos 0-2 anos mais larga na base, bastante ergonómica, com silicone, para que agarrem com maior facilidade e não escorregue. A dos 3-5 anos já tem um formato mais convencional, mas com desenhos de animais - a Isabel tem a do hipopótamo. As pastas, além de apelativas visualmente, com animais, têm 1450 ppm (flúor) e estão totalmente livres de sulfatos, o que me tranquiliza muito.

Por enquanto, é uma festa lavar os dentes (ainda não chegaram à fase mais porquita da adolescência, graças ao senhor!) mesmo tendo um temporizador, que vem com a escova da Isabel, para assegurar que ficam ali tempo suficiente.

E vocês? Quais são as vossas rotinas dentárias? É uma luta para eles lavarem os dentes ou arranjam estratégias porreiras?











O temporizador da discórdia (irmã mais nova a boicotar)

Já está, mãe! (a mãe agora vai só espreitar para ver se ficou tudo impecável e dá mais uma de mão)

A Isabel, a ser perfeccionista (e as tatuagens “do Portugal”?! lol) 

*post escrito em parceria com a Jordan



Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

8.16.2016

Missão cumprida!

Desde sempre que tento incentivar a Irene a que lave os dentes sozinha e que sinta que é uma necessidade (para não ser obrigação). Expliquei-lhe que há uns "bichinhos na boca que comem os dentes" e... acho que andou a ter pesadelos com isso durante imenso tempo - receio parvo meu, mas é que uma vez acordou a dizer que tinha bichos na boca... 

Além dela lavar sempre os dentes sozinha (e de nós darmos só "uns toques" no final), comecei a preocupar-me com a espuma toda da pasta de dentes que ela andava a engolir. Claro que não "faz mal", que "ninguém morre disso", mas qual seria a idade certa para ela aprender a cuspir a água? 

Não sei, mas decidi ensinar. Foram 5 noites ou 6 em que tentava três ou quatro vezes que ela aprendesse. Foi difícil para ela resistir ao instinto de engolir a água, mas agora já consegue e estou toda orgulhosa! ;)

Deviam vê-la com o peito todo para fora a dizer "a Necas já consegue, sozinha!". Confesso que talvez não tivesse ensinado antes por preguiça e algum... descrédito na miúda, mas tal como li num livro qualquer (um óptimo que se chama: Como falar para as crianças ouvirem e ouvir para as crianças falarem): nunca subestimar as crianças, antes esperar "mais" delas do que "menos". 

Conseguimos!

Próxima lição? Arrumar a loiça na máquina, ehehehehehehehehe. 


Sigam-me no instagram @JoanaGama
e o @aMaeequesabe também ;)