Mostrar mensagens com a etiqueta séries. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta séries. Mostrar todas as mensagens

10.08.2019

Joana Paixão Brás: O que ando a ver #02

Tenho visto mais TV do que lido. Mesmo assim, consegui ler uns 5 livros este verão (um deles adorei - “Só o tempo o dirá”, do Jeffrey Archer, que já emprestei à minha mãe e que ela leu em três tempos - queremos os outros dele!!!). Bem longe da quantidade de livros que eu devorava antes, mas vá, já me voltei a entusiasmar. Agora estou a ler um mais técnico: Educar pela Positiva - quando acabar, digo.

Mas bem, vamos lá ao que ando a ver ou vi recentemente.

Oh para mim a VER.
Já decidi que esta rubrica vai ter sempre fotos
zero relacionadas com o assunto.
A ver.

Série UNBELIEVABLE
Minissérie na Netflix com 8 episódios, sobre uma miúda que é violada. Mas será que foi mesmo? A polícia acha que não. Aliás, acusa-a de mentir. Anos mais tarde, noutro estado, duas polícias [uma delas a Toni Collette, que eu amo], encontram casos semelhantes ao descrito. Ficaram convencidos a ver?


Documentários EXPLAINED (ou RESUMINDO)
São episódios curtos sobre os mais diversos temas: por que não resultam as dietas; cultos; milionários; crise da água; por que ganham as mulheres menos; música... e por aí fora. Super bem feitos, rápidos, interessantes! Tenho aprendido imenso a cada episódio, andei viciada a ver todos (até os que achava, pelo título, mais desinteressantes) E agora a Leonor da Cadeira da Papa disse-me que havia também episódios sobre o cérebro “The Mind - Explained” e já comecei a ver o dos Sonhos. A-D-O-R-O!


Filme CALL ME BY YOUR NAME
Foi seguramente o meu filme preferido de 2017 e já está na Netflix. É a história de um amor nos anos 80, com o Timothée Chalamet (que ator, Deus meu!). A banda sonora é fantástica, adoro as personagens e chorei baba e ranho no fim: a descoberta, a paixão, a impossibilidade. Nota para a conversa entre pai e filho. Li recentemente - vai ter sequela. Que boa notícia! Vejam, vejam e venham cá dizer o que acharam.

Próxima coisa que está na minha lista: Joker, claro. Tenho a certeza de que o Joaquin Phoenix está brilhante, estou em pulgas [o homem cá de casa já viu e ainda aguçou mais a minha curiosidade!].
Quero séries filmes e documentários para a troca, combinado?


8.19.2019

Joana Paixão Brás: O que ando a ver #01

Não faço ideia se isto vos interessa ou não, mas pensei: "se eu gosto que me recomendem filmes e séries para ver, documentários, livros, etc, por que não?" 

Vou fazer isto também com livros, artigos e revistas, o que acham? Mais não seja para vos inspirar a ler mais (a última coisa que faço à noite já não é scrolling no instagram e estou a ADORAR) ou para vos alertar para coisas que eu desconhecia por completo. Estarmos mais conscientes não é mau. Quero sugestões vossas para a troca, combinado?

Imagem completamente descontextualizada só para saberem que fui eu quem escrevi isto
e porque cortei o cabelo e até estou gira, pronto,
que a vida pode ter um bocadinho de futilidade para aligeirar o resto. <3 

A ver.

Série EUPHORIA
Depois da 13 Reasons Why, achei que dificilmente uma série sobre adolescentes me iria prender tanto, mas encontrei uma substituta à altura (e até melhor, acho). Mas atenção, é muito, muito forte. Tem cenas de sexo bastante explícito, muita droga e muita violência. Convencidos, já? A verdade é que a protagonista, a Zendaya, é assim fabulosa e sempre me intrigaram histórias sobre droga, o que fazer? Gosto muito da realização também, a fotografia está sublime e, olhem, prendeu-me muito. Mas fica o aviso: forte mas forte. Ainda não terminei. Ah! Está na HBO.

Filme ROCKETMAN
Gosto muito de filmes ou séries biográficas. E se forem de bandas ou de cantores, ainda me despertam mais a atenção. No ano passado, e apesar das críticas, o Bohemian Rhapsody foi um dos meus preferidos (saí do cinema a cantar); este ano vi o dos Motley Crue (The Dirt, na Netflix, uma maradice, mas das boas) e não quis perder o do Elton John. Não é espectacular, mas vê-se muito, muito bem e ficamos a par de pormenores absolutamente desconhecidos e a gostar ainda mais do artista, a dar-lhe uma dimensão mais próxima e humana. Gostei.

Documentário QUANDO A VIDA NOS ATRAIÇOA
Este é daqueles que, se forem bastante impressionáveis e tenham ficado ainda mais sensíveis depois de serem mães, não convém mesmo que vejam. Mas ficam a saber que isto acontece. Incapazes de lidar com traumas, centenas de crianças refugiadas na Suécia sofrem de síndrome de resignação: ficam basicamente em coma. Não comem, não reagem a estímulos, ficam inertes. Enquanto não se sentem protegidas, com medo da deportação, ficam imóveis. Podem estar anos assim e, às vezes, mais do que um filho de um casal desenvolve isto. Desconhecia por completo. É doloroso, mas talvez urgente para quem não percebe a urgência de acolher refugiados. Está na Netflix. 



5.21.2019

E o final do GoT? (spoilers, sim, muitos spoilers)

Epá e este final? 

Quantos enters é que tenho de dar para esta frase não aparecer na miniatura no post ali no Facebook? 

Já está. Epá e este final? Já fui mais fã do Jon Snow. Aquela meia trepadela que ele deu à tia não me entusiasmou por aí além. Bom rabo, sim, mas senti que sabiam que eu estava a ver e que não estavam a gostar. O Jon Snow da minha imaginação deixava de ser cocózinho e dava-lhe uma trepadela que deixaria os orifícios dela a deitar fogo como a boca dos dragões. 

Mas não. Muito amor. Muita saudade no amor e uma espécie de... parecer que já sabiam que estavam em família, com o desconforto que é habitual quando se faz amor dentro da própria família. Nunca é totalmente fixe. 

Já disse que ele tinha um bom rabo? Eu também quando me agacho toda 50 vezes por semana. De resto é comprar calças caras para não parecer que o meu rabo se está a derreter pelas pernas. 



Tal como muitas de vocês tive uma crushzinha por este actor fantástico mas comecei a ficar enervadinha com a nhónhice dele com o "és a minha rainha, és a minha rainha". Parecia já um refrãozinho dos Santa Maria ou algo do género e o rapaz, tão dado à sensatez, estava a matar-me o semi-pau que me dava ser tão corajoso e lutador e afins. 

Vá lá que matou o bicho. E ainda bem. Gostei também o trabalho de artesanato que o dragão fez com a cadeirinha de ferro e veio a calhar bem porque o novo rei já vinha sentado. Fantástico!

O raio do Tyrion não sai daquele posto. Tem-lhe corrido bem a carreira de freelancer mas não tem variado muito. Não consigo deixar de pensar nos furos nas roupas do homem que tem feito aquele crachá. Parecem aqueles que me costumavam aparecer na zona da cintura. Não sei se era traça, se era do cinto ou... dos chineses ou o...

Sinto-me desapontada porque foram algumas seasons a ver penteados invejáveis das Sansas da vida e da Rainha dos Fritos e nem um Do It Yourself ou algo do género. Nada. Quer dizer que tenho de gastar dados do youtube? No me gusta. 

Tirando isto tudo... A Arya é a maior. Não há de conhecer a banca da Benefit na Sephora mas, já que perguntam, digo-vos que aquela farfalha ocular até lhe assenta. Que coragem. Também passou por muito, desde a ter que lutar cega a... não me lembro do resto, mas foi complicadote. 

E a mázona? A da varanda? Não gostei nada quando ela cortou o cabelo. Ficou igualzinha ao quadro do menino que chora só que com menos inteligência emocional. A rebentar tudo pelos ares e a fazer filhos a torto e a direito para se sentir mais preenchida (literalmente). Uma chatice. Gostei que o maninho tivesse voltado para lhe dar uma mãozinha (lol). Foi bastante tétrico vê-los empedrados. 

Acho que até gostava deles. 

Sacanas destas séries em 2019 que questionam a dicotomização habitual que o ser humano faz da realidade para uma simplificação da leitura e consequentes conclusões, não é? Querem ver que os bons não são sempre bons e os maus... what?

Pronto. Tudo muito giro. Gostei muito. Já não me afeiçoei tanto à série nesta season por saber que ia acabar, mas foi muito lindo. Irá sempre descer-me o leite quando ouvir a música do genérico. Quase que tenho vontade de ler os livros, não tivessem eles capas tão cocós de aparecer no instagram. 




4.24.2019

Prontas para ficarem viciadas em mais uma série?

Por um lado vou ter que vos pedir desculpa, porque sei que quando estamos viciadas numa série não dá para fazermos mais nada nem durante o dia, nem durante a noite. Esqueçam aquela resolução "aiii agora vou ler mais", porque não vai acontecer. 

Quem me recomendou esta série foi o Unas e que lhe foi recomendada pela Susana Romana (para quem não saiba é... uma entidade da comédia em Portugal). Só por essas duas pessoas é que eu passaria à frente do facto de ser uma série de comédia com alguns momentos musicais. Vomito musicais e momentos musicais a meio de comédias ou do quer que seja.


Rebecca Bunch é a protagonista que, por muito que isto pareça fútil da minha parte, tem um notório excesso de peso para aquilo que estamos acostumadas a ver na televisão. Vê-la a ser e ser tão bonita e tão sedutora na série tem feito maravilhas pela forma como me vejo e como me aceito. Já estou meia conformada que nada irá resolver, mas tem ajudado mesmo muito. 

A série chama-se My Crazy Ex-Girlfriend é dá para ver na Netflix. Além de ter mesmo muito, muito humor consegue, mesmo assim, passar mensagens muito importantes e úteis. Não só no que toca à nossa auto-imagem, mas também à maneira como nos julgamos e aos outros pelas nossas atitudes. 

A protagonista é apresentada de forma muito íntima, indo desde os maiores traumas da infância ao seu diálogo interno mais profundo. Creio que a diferença entre ela e a maior parte de nós é que ela parte para acção, tendo como mote aqueles pensamentos que a maioria de nós sabe pôr de parte por serem "absurdos" ou... ilegais. 

Quem nunca quis enviar um pacote de cupcakes feitos com as suas próprias fezes a um ex-namorado? Bom, estou sozinha nisto, não é?

Outra das coisas que também me tem feito muito bem ver - isto sempre a par de uma comédia desalmada com uma entrega incrível de TODOS os actores envolvidos (excepto um ou outro actor mais secundário do escritório de advogados) - é que a protagonista é uma advogada extremamente bem sucedida, muito inteligente mas que isso não diz nada da sua sanidade mental ou do seu índice de felicidade. 

Faz-nos pensar em muita coisa (pelo menos a mim, faz, vá), ajuda a perceber muita coisa. Não é necessário estarmos sempre só a aprender com os nossos erros e com os dos nossos amigos, certo? Esta série poupa uns quantos. E incita-nos a estarmos mais atentas à nossa saúde mental e aos padrões que vamos seguindo. Quanto menor for a consciência que temos de nós mesmas, menos controlo temos sobre as nossas vidas e tantas serão as vezes que as nossas maiores dores se vão repetir que nos iremos sentir constantemente desgastadas e desesperadas. 

Sou um bocadinho intensa, eu sei. E quem nos segue sabe também, eheh. 

Já agora, fica novamente o testemunho que faço terapia. Neste momento (já há uns anos) estou a fazer psicanálise e as diferenças na minha vida têm sido... INCRÍVEIS. Aconselho a quem possa e queira que seja acompanhado. 

Quem conheça soluções em conta, às quais tenhamos todos direito, escreva aqui em baixo nos comentários. 

Quem diria que este post acabaria assim? Pois, eu sei. Sorry ;)






Quem já viu, gostou? 


4.16.2019

Já têm filme para ver hoje à noite!

Epá, as mães que mal dormem por causa dos bebés que me perdoem. Sei bem que a prioridade é aproveitar aquela meia hora em que os putos de certeza não vão chamar para cochilar um bocado. Porém, lembro-me que, no meu caso, era... ficar a ver Netflix na mesma. 

Isto para vos dizer... levei uma bofetadona de reflexão, de realidade, de maturidade e de... arte com este filme: 


A Loja dos Unicórios, é como se chama.


Bem, identifiquei-me imenso com este filme e claro que cada uma de nós fará a sua análise ou, então, até poderá odiá-lo. "Não é um filme para todos", dizem muitas críticas. Mas, também, qual será? Eu não amei o Titanic, por exemplo e tinha uma crush por osmose pelo Leonardo Di Caprio por causa de uma das filhas de uma ex-madrasta minha. Muita informação?

A partir daqui já vou revelar algumas coisas sobre o filme. Quem quiser ver o filme sem se sentir sugestionado nas suas interpretações, por favor, siga para o  parágrafo em que digo "já podem ler" logo no início.

Há vários temas a decorrer em paralelo. Um será o da maturidade, o outro será o de não perder a vontade de brincar e outro ainda será o amor. Normal que aconteçam os três em simultâneo porque, na vida real, também estão os três interligados.

Quando procuramos alguém ou quando queremos alguém na nossa vida, queremos que seja uma relação que tenha tanto de maturidade também como de infantilidade e, a isso, chamaremos de amor. Creio que a diferença será no tipo de amor que se pede (ou que se exige) mediante o caminho que estejamos a percorrer individualmente.

A protagonista claramente ainda tinha que processar várias coisas da sua infância (ou várias coisas da sua vida adulta) e ambas ainda não estavam em sintonia. Ela sente que tem de deixar de ser ela para crescer e que crescer é - como em muitas empresas e para muitos adultos - cinzento e aborrecido. Onde o divertido ou a brincadeira passa a ter um cunho sensual e sexual em vez de meramente alegre e, talvez, sim, infantil.

Em que gaveta, em que idades estarão arrumados determinados tipos de comportamentos? Onde ficam os sonhos perdidos quando nos sentimos socialmente obrigados a sermos mais cinzentos? Onde está a fé em nós próprios e tudo aquilo que adorávamos fazer quando éramos crianças e que, dando uma verdadeira oportunidade, ainda agora adoraríamos fazer só que "os crescidos não o fazem"?

Para ser amada, para se sentir incluída, a protagonista teve de percorrer o seu caminho, de reconhecer o lugar que a sua infância e infantilidade tinham dentro de si (ao em vez de a negar abruptamente) de forma a poder levá-la com isso ao longo da sua restante existência.

Estando em sintonia consigo mesma, tendo sido o seu processo fluído (embora de forma muito bruta, por - por razões que o filme não fecha - ter sido confrontada com isso no momento em que já estava na faculdade, creio), acaba por encontrar um rapaz que a vê tal como ela é por ela também ser quem é realmente.

Isto faz-me pensar em tantas coisas. Quanto mais formos nós mesmas, mais inteiras, mais nos respeitarmos, mais genuína será a nossa vida. Haverá por aí muita gente triste e infeliz e também ansiosa por ainda não ter tido a capacidade, as condições, a coragem e a consciência de se conhecer um pouco mais? E de fazer este processo de maturação, de passagem para a vida "adulta"?

Já podem ler. 

Este filme é crucial. E ajudou-me numa conversa muito interessante na minha relação em que nos conhecemos ainda melhor mutuamente. Senti que foi informação e entretenimento ao mesmo tempo (como quando via a Oprah ou oiço os podcasts dela), mas muito bem embrulhado num filme com uma fotografia exemplar, além de um género de humor menos mainstream, mas interessante e menos impositivo para dar lugar ao que realmente interessa: a reflexão.

Já alguém viu? O que acharam? Vão ver?