Mostrar mensagens com a etiqueta cócegas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta cócegas. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

É horrível fazer cócegas?

Ahhhh... aqui estão as bloggers a lançar mais um tema que poderá parecer tão imbecil quanto o forçar violentamente (de forma física ou não) a dar beijinhos aos avós ou a quem quer que seja. Porém, tem o seu sentido e, mais do que chegarmos a um consenso, aqui o ideal é apenas parar-se 2 minutinhos (espero não me alongar muito que ninguém tem saudades de estar sentado numa secretária a olhar para alguém falar durante 45 minutos ou 90) para termos noção de qual é a nossa opinião sobre o assunto, pondo-nos no lugar das crianças. 



Por que temos cócegas? 

Os cientistas ainda não chegaram a conclusões consensuais (haverá conclusões científicas se não forem consensuais?), mas existem várias escolas de pensamento no que toca a esta pergunta. 

Há quem diga que as cócegas são um mecanismo de defesa para mostrar submissão ao toque e, portanto para, no caso de contacto próximo com o intuito de haver uma luta, encorajar a mudança da dinâmica, alijeirando o ambiente(giro e interessante, sabe-se lá como eram as coisas há milhares de anos quando éramos peludas também na barriga toda?). Ou seja, se um macaco se aproximasse de nós para lutar e nos fizesse cócegas e nos rissemos, a luta provavelmente acabaria ou não começaria, foi o que percebi. 


Por outro lado - e esta já tinha ouvido - as cócegas podem servir para aproximar as pessoas (que já devem estar próximas o suficiente para conseguirem fazê-las, digo). 

Apesar de ainda não terem chegado a um consenso, os cientistas sabem que fazer cócegas estimula o hipotálamo - região do cérebro ligada ao controlo das emoções, ao prazer sexual e que também controla a temperatura corporal, a fome, a sede e os ritmos circadianos (sono). 

Quando nos rimos quando nos estão a fazer cócegas (não me lembro da última vez que estive numa situação desse género, ahah) pode não ser porque nos estejamos a divertir, mas sim por resposta automática do nosso corpo. 


As crianças gostam de cócegas? 


Depende. A Irene, por exemplo (minha filha), odeia cócegas. Prefere lutas. Não gosta mesmo nada e pede até encarecidamente que, de vez em quando, se relembre alguns familiares para que não lhe façam cócegas de tanto que não gosta. 

A Isabel, da Joana Paixão Brás, não só adora cócegas como provoca situações para que passem a existir. Chama pelo monstro das cócegas e adora rir-se com os pais enquanto acontecem. 

Por que não fazer cócegas? 

Isto surgiu porque comprei um workbook de parentalidade (já cito ali em baixo) para o qual ainda não tive tempo de olhar - e, ao folheá-lo parei logo na página que tinha um quadrado informativo "Why not tickle?". 

Até com este testemunho (tradução livre): 

"O meu pai costumava fazer-me cócegas quando era pequena. Eu sei que era a maneira que ele tinha de se aproximar de mim, mas odiava sentir que não tinha qualquer controlo no momento. A parte estranha era que eu ria tanto que eu nem conseguia gritar para que parasse. Isto fez com que o meu pai pensasse que eu estava a gostar quando, na verdade, me sentia entre a espada e a parede e odiava."
 Mari, mãe de uma criança de 4 anos e de um bebé de um ano. 


Ao que parece, segundo esse livro, há a possibilidade da criança sentir-se desprotegida, o que pode criar ansiedade. A resposta psicológica às cócegas parece envolver uma parte diferente do cérebro daquela que usamos quando nos rimos (que é mais uma espécie de alívio de tensão, tal como acontece quando uma criança prefere brincar "às lutas"). 

A autora afirma que o que ouve da maior parte dos pais quando começam a fazer outro tipo de brincadeiras que aliviem a tensão (como "as lutas", a autora utiliza o termo "roughhousing"), as crianças deixam de pedir cócegas. Quando uma criança pede cócegas pode ser porque provavelmente percebeu e aprendeu que é uma óptima maneira de se rirem juntos. Porém, a manter a brincadeira, segundo a autora, poder-se-á experimentar as "cócegas aéreas" em que apenas ameaçamos fazer cócegas, o que provocará riso na mesma e aliviará a tensão. 

No caso da Irene, nem por isso a deixaria muito confortável, mas é uma brincadeira que já aceita bem melhor. 


O que fazer? 

Como mãe (e como cantora pimba que um dia irei experimentar) acho que passa por observarmos as reacções dos nossos filhos quando a brincadeira surge. Se pedirem a brincadeira, também valerá a pena perceber porquê e ir variando a mesma, digo. 

Duvido muito que haja muitos pais e mães a fazerem cócegas contra a vontade dos filhos mas, nestas coisas, nunca se sabe. E escrevo este artigo com o intuito que chegue a mais pessoas que não apenas os pais para despertar a consciência de estarmos mais atentos à reciprocidade ou não neste tipo de brincadeiras. As crianças são pequeninas e fofinhas mas isso não quer dizer que possamos tocar-lhes e fazer o que quisermos com o corpo delas, mesmo em "brincadeiras".


O que acham vocês?