3.11.2019

Sinto-me sempre incompleta. Será que ela também?

Adoro rotinas. Adoro saber com o que contar, não sou muito fã de surpresas, a não ser que signifiquem um aumento do meu rendimento e um decréscimo da quantidade do meu trabalho. De resto, sinto-me sempre ansiosa e insegura. A mudança, no imediato e na minha cabeça, nunca poderá trazer coisas boas porque “bem” estou eu agora por estar confortável.

No entanto, à medida que vou aprendendo a incluir-me na minha relação com a Irene, vou-me apercebendo que a flexibilidade não só é importante como é uma peça fulcral para - como a minha cara metade (emoji vómito) me ensinou - “deixar a vida entrar”. É preciso aceitar o que a vida nos vai trazendo, saber receber, saber adaptar e transformar o que há de menos bom no melhor possível. 

Estou a ganhar mais gosto em viver. Eu sei que escrevo tudo de uma forma muito pesada, mas não vejo - ainda - maneira diferente de escrever sobre estas coisas sem serem sempre com uma tónica existencial grande. É como as sinto. 



Nesta fotografia ela teria, talvez, dois anos. Foi no Verão. Parece que já teve umas mil e tal caras até esta que tem agora. Tenho saudades dela de quando era mais bebé. Que chatice. Isto só se resolve tendo-se outro, não é? 

Mas como estava a dizer: há que saber receber. Há que conseguir calar os instintos mais negativos e defensivos para conseguir estar disponível para a “evolução” da vida - devo ser prima do Gustavo Santos e não sei. Se for, quero muito que ele me venha pintar a casa. 

Ao longo desta semana vou ter alguns trabalhos e desafios que implicam mudar as nossas rotinas. Além de ser side-kick (uma espécie de co-apresentadora, mas que não deveria falar tanto, ahah) do Rui Unas no Maluco Beleza, também vou actuar num espectáculo de uns amigos fora de Lisboa (não posso dar mais pormenores para já que sei que já estavam por aí todas malucas a quererem saber, bem sei). 

Tendo em conta que agora a minha carreira já não é registada numa máquina de ponto das x horas às x horas, tenho mesmo de incluir maior flexibilidade. Sorte a minha que a Irene ainda não anda na primária e poderei usufruir de uma liberdadezinha maior a nível de ausências ou de atrasos - pelo menos até a educadora se passar comigo ou assim, eheh. 

A carreira do pai da Irene também é assim e, por isso, neste fim-de-semana, ela dormiu de Domingo para Segunda em casa do pai. Não me levem a mal: é fantástico ter tempo para mim, para namorar sossegadamente (ou nem por isso, eheh) e sentir como uma espécie de evasão da realidade apressada e repleta de responsabilidades, mas sinto sempre que existe uma privação. Cálculo que até possa ser química. Passar a semana inteira com ela, a adormecê-la, a olhar para ela, a dar-lhe banho, tudo e, de repente, ficar sem ela assim é... duro. 

Nem consigo pôr-me na situação das mães que têm os seus filhos num modelo de custódia partilhada, mas sei que somos capazes de tudo. Por isso força para todas as mães (e pais) que sintam ainda de forma mais aguda aquilo que estou a partilhar aqui. 

Pus-me, no entanto, no lugar dela. Quando ela me diz que tem saudades do pai e quando diz ao pai que tem saudades da mãe. Apesar de ser filha de pais divorciados, só me lembro de ter saudades do meu pai, não me lembro de ter saudades de alguém independentemente de onde estivesse. Ela sente-se incompleta também. 

Tento cada vez mais olhar para as situações (é um esforço, mas que implica cada vez menos energia) de uma perspectiva positiva e acho que estas ausências de parte a parte também farão bem à sua apreciação das presenças e também que a ajudarão a desenvolver ferramentas que lhe irão ser úteis para o resto da vida. 

Não há outra alternativa. Para quê martirizar? Esta é a melhor solução de todas e que sorte tenho eu de ter uma filha que sente saudades de ambos os pais. Que o verbaliza junto do outro e que entende o que está a sentir. Não é só sorte, também é trabalho. De todos. Até da minha cara-metade que já lhe ensinou uma verdade que ela já sua que é “há amor para todos”. 

A vida é boa. Ainda que não seja tudo ao mesmo tempo. 




4 comentários:

  1. Então ainda não pintaste a casa? (não consegui esquecer o vestido diáfano - alerta stalker aha).
    Já te vi no maluco, até aguentei aquele do futebol!...Ehehe.

    ResponderEliminar
  2. Posso dizer que é uma vida esquizofrenica. Numa semana agitação e na seguinte o total silêncio. É ter os dias contados, enfim. É a vida, siga que o carrossel não pára:-/
    A pintura da casa deve ser um mal geral, é sempre para o ano:-)

    ResponderEliminar
  3. É tão isto...
    Joana parabéns, descreves os momentos tão bem. Obrigada

    ResponderEliminar
  4. Roda Bota Fora?

    ResponderEliminar