Mostrar mensagens com a etiqueta férias. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta férias. Mostrar todas as mensagens

7.09.2020

Fim-de-semana a 7 no Ohai Nazaré

No fim de semana passado, fomos matar saudades do OHAI Nazaré. O espaço é magnífico e tínhamos-nos divertido bastante da última vez que lá estivemos, há um ano. Desta vez, fomos sete (uiiii que a Joana Gama já nos apresentou o Mike!), ficámos em bungalows e pusemos três miúdas a dormir juntas! Bebemos uns gins no alpendre depois da tarefa hercúlea de as adormecer, conseguimos apanhar sol, desfrutar da natureza e fazer desporto (só alguns). 

Quem não tiver paciência para ler a nossa review, gravámos hoje mesmo em podcast e também está disponível em IGTV. ‘Tamos em todo o lado, ‘migas, já sabem. 

Enquanto a Joana Gama e o Mike "jogavam padel"  (jogavam mesmo, pusemos em aspas para efeitos ligeiramente humorísticos)

Assim que começámos a viver a experiência, percebemos que teríamos coisas boas e más a apontar e, como nos perguntaram no instagram várias coisas sobre o resort, decidimos desde cedo que iríamos apontar as coisas boas e as coisas más, para que possam ir de forma informada. 

Primeiro, aspecto geral: está ainda mais bonito, mais arranjado, tem imensas árvores, sombras e o ambiente é predominantemente calmo, familiar. As miúdas, então, adoram. Pinhas, piscina, escorregas de água, slide e parque infantil: paraíso. 

Os bungalows são bons, bem equipados e bem decorados: têm ar condicionado, boas dimensões. Nota máxima para a pressão da água do banho que, além de bem quentinha, é excelente. Acho que estamos sempre à espera que num parque de campismo seja tudo a conta-gotas, mas não. A casa de banho tem toalheiro daqueles que aquecem as toalhas e que ajudam a secar os fatos de banho. As camas são boas e os lençóis macios. A cozinha tem fogão, torradeira, microondas, frigorífico grande; pratos, taças, copos... tudo. Até detergente para lavar a louça. Tem vários armários nos quartos e, assim, parece que está tudo sempre arrumado. Gostamos disso. 

Contudo, ao contrário das tendas, onde estivemos no ano passado, não há muito espaço entre bungalows, estão muito colados. Às 23h já tínhamos um vizinho a espreitar à janela por estarmos a falar no alpendre. 



Devido aos tempos em que atravessamos, tiveram de limitar o número de pessoas no parque aquático. Ainda bem que tiveram essa preocupação, que é essencial, mas só podermos usar a piscina com marcação, em turnos de 2 horas por dia (momento em que desinfectam as espreguiçadeiras), é pouco. Domingo era o dia do nosso check out e, quando na véspera tentámos marcar, já não havia vaga das 10h-12h, o primeiro horário do dia. Pelo que o senhor  nadador salvador nos disse, já umas 50 pessoas tinham tentado marcar e teve de lhes dizer que não. Quando, no próprio dia, dissemos à Isabel, até chorou. Para as crianças, o parque aquático é o ponto alto do parque.
Parte boa que deriva desta: ir à descoberta de mais coisas para fazer. Convém programar o dia a contar com uma ida à praia e aproveitar para conhecer as da região, que são óptimas ou um passeio nas redondezas (adorámos São Pedro de Moel e também a Praia da Polvoeira), usar o parque infantil - que é enorme e muito giro, de madeirinha - e o slide, por exemplo. Para quem gosta de jogar padel (há uma de nós que adora, adivinhem qual), há campo. Também há de basquete e até ginásio (também funciona por marcação e bem). 










Os pequenos-almoços, apesar de serem com marcação e de distribuírem máscaras (ponto a favor), têm demasiada gente, em self service, numa fila que não respeita a distância de segurança. As pinças para por o pão na torradeira são as mesmas. Tocar no mesmo utensílio que muitas outras pessoas, sem que seja desinfectado, não nos deixou confortáveis. Uma solução que poderia ser implementada seria haver pinças de utilização única, que iam a lavar, sendo revezadas (ou um pinça por família durante toda a estadia - há um hotel a fazer isso - ou, ainda, ter alguém do staff responsável por essa função. Criámos um sistema de só ir um adulto por família buscar a comida para todos e tivemos pena de não saber que, afinal, dá para pedir o pequeno-almoço em takeaway. Não nos deram qualquer informação sobre isso. 


Adicionar legenda



A comida no buffet, regra geral, é boa (tirando um rosbife que era duro), com boas saladas e opções saborosas. Tivemos pena de não poder experimentar o restaurante para jantar (que fica no piso de cima e que tem muito bom ar), que estava cheio quando lá chegámos na sexta-feira.

Achamos que a comunicação entre as várias partes envolvidas não está a funcionar a 100%. Mais clareza e informação sobre os procedimentos, aquando das marcações, ajudaria a alinhar as expectativas às limitações, ainda que necessárias. 

Contudo, achamos que há grande margem para melhorar. O staff é muito disponível e simpático. O ambiente é acolhedor e extremamente bonito e bem cuidado e, acertados alguns pontos, tem tudo para satisfazer miúdos e pais. 
















Podem ouvir aqui, enquanto arrumam a casa ou conduzem:



Até breve, Ohai!  

11.21.2019

A sonhar com as férias de Natal... sou só eu?

Ainda não temos planos. Só a ideia de estarmos os quatro em casa de pijama, a brincar, a comer castanhas (e a dar puns e a rir muito, tudo incluído), a ver filmes e a ter tempo em família, já me agrada. Não sou a maior amante do inverno, não sou mesmo. Menos sol na fronha deixa-me mais deprimida, a conta da luz à conta - passo a redundância - dos aquecedores ligados deixa-me nervosa (e esta casa, mesmo com polares e robes vestidos é um gelo, credo!), dias mais curtos e escuros e menos idas à praia e por aí fora, dificuldade em secar roupa (que nervooooos), e por aí fora. Mas há que aproveitar o que de bom esta época nos traz e poder estar mais em casa, receber família ou visitar a família é mais que bom. Adoro o Natal.

Anseio pelas férias do Natal desde setembro (ahah). Já pensámos em ir uns dias para Évora, casa dos pais do David, já pensámos ficar por casa uns quantos, mas agora tenho pensado na hipótese de ir de autocaravana dar uma volta 4 ou 5 dias por Portugal. Nunca o fizemos e seria tão giro. Já está nos nossos planos há uns três anos e desde que a Joana Gama partilhou aqui a experiência, ainda com mais vontade fiquei.

Se não, gostava de ir até à Serra da Estrela (só a Isabel ainda foi e com os avós) dois dias. Acredito que seja, no entanto, um destino bastante concorrido nesta altura do ano. Onde ficar alojados? O que visitar nas redondezas? O que aconselham naquela zona? 

E vocês, o que planeiam fazer no Natal? Vão à terra?


(Que sonho de casa, hein?)

8.05.2019

Este nosso Algarve

Seja a ir para fora, até a ficar por casa ou em casa dos avós, as férias, só por sim, já são dias de partilha, em que nos olhamos nos olhos durante horas, em que conseguimos fazer jogos e ter tempo para tudo. Mas confesso que vir até à Fuseta com o meu pai, o David e as miúdas, é especial. É como se o tempo parasse. Tudo é simples neste nosso Algarve. Desde a vizinha Rosa, que nos emprestou uma cabeça de alho, aos pimentos grelhados e às sardinhas compradas no mercado, aos bolsos cheios de conchas, aos barcos a deslizarem e às gaivotas em pontinhos brancos no horizonte. As crianças a brincarem nas pocinhas, nós na toalha a vê-las serem felizes enquanto ouvimos música na coluna. Sozinhos na praia. Gostamos disto. De ir para a festa quando nos apetece (e aqui já começaram, com música pimba, farturas e um gelado chamado Palhacito, que elas adoram), mas de estarmos ao nosso ritmo no resto do tempo.

E elas acordam bem-dispostas, com um sorriso nos lábios, e um “tenho fome”, invariavelmente. Procuram-me com um “mamãzinha”, entre abraços e beijinhos. Ouço da Luísa um simpático “cheiras mal” e um “tens de ir lavar os dentes”, que me faz rir mas a tentar conter a respiração. Depois, comem flocos ou iogurte com a granola do avô e as manhãs são vagarosas, que não há pressa nenhuma. Praia ou piscina, decidimos no momento, consoante o vento, assim como os almoços, que se querem práticos. Caprichamos mais nos jantares, com grelhados e petiscos homemade. E vinhaça ou minis bem geladinhas. O dia estica e estica entre brincadeiras e apanhadas, birras e gargalhadas. Em casa há o Rex, o cão da Dona Rosa, o coelho, que já mordeu uma sandália da Isabel, para lá de 16 porquinhos da Índia e um gato desconfiado. Passamos muito tempo em casa.
Quando decidimos ir para a praia, vamos normalmente até à Barra Velha (Ria Formosa) de barco e lá ficamos, praticamente sozinhos, com areal e descobertas à nossa espera. Mas já experimentámos também a Praia do Barril (linda!) e, claro, a Barra Nova, na ilha da Fuseta.

É tão bom estar de férias com esta minha gente que, tenho a certeza, vou sair daqui ainda mais cheia de tudo. Mas que sorte!

Parece-me que encontrámos, há três anos, o nosso lugar, o nosso Algarve.




















6.23.2019

Glamping: quem quer ir acampar em modo luxo para a Nazaré?

Nós fomos! 

As duas famílias a Mãe é que sabe foram convidadas para experimentar os Glampings na Nazaré. 

O que é o Glamping, perguntam vocês? É Camping com Glamour. Whaaaat? Depois digam que não somos influencers didáticas.

É uma tenda na mesma, é.,. Mas, nesta tenda, até o mais chato dos familiares aceita ir "acampar", digo eu ;)

A Joana Paixão Brás e eu, no último dia, fizémos um vídeo para vos mostrar melhor o Vale Paraíso Natur Park e a nossa experiência como as primeiras Glampadoras ;)



Adoramos saber que estamos a dar este tipo de recordações às nossas filhas e, ainda para mais, também a mostrar-lhes outras formas de férias para que depois tenham muitas ideias quando for a vez delas de planearem tudinho. 

Fiquem aqui com algumas fotografias que tirei para se inspirarem ;) : 





"Mãe, tenho uma prenda para ti!"

Aquele copo do meu lado foi só para enganar ;)





Este é o André ;) O responsável pelo restaurante do Vale Paraíso Natur Park. Foi sempre um anjo com as miúdas e extremamente divertido. Levou a Irene a visitar a Arca do restaurante mas claro que, devidamente protegida do frio. Que amor <3








 Já sabem que temos um passatempo a decorrer no nosso instagram para vos dar a hipótese de Glampar na Nazaré no Vale Paraíso Natur Park? Então, toca a seguir-nos aqui:

Bom Glamping ;)



6.19.2019

Primeira vez de férias no Algarve com os avós – suspiro!

Esta semana vai de férias com os avós. Vão as duas. As quatro. Primeiro ano que vai rumo ao Algarve com as primas e o meu orgulho é proporcional à minha pieguice. Nunca estivemos tanto tempo separadas.


A primeira vez que nos separámos, a Luísa ficou com o pai, fui eu com um amigo até ao Porto dois dias. Depois, meses mais tarde, fomos os dois até Madrid. Seguiram-se as Maldivas, na lua-de-mel; pouco depois São Tomé e Príncipe. Podia dizer-se que já tenho mestrado em ir de férias sem as minhas filhas, mas a verdade é que foi sempre diferente. Era eu que ia. Elas ficavam cá em casa, continuavam com as rotinas e, parecendo que não, isso dava-me algum conforto. E foi sempre menos tempo do que desta vez, que vão ser quase duas semanas.

Acho sinceramente que ela está preparada, eu nem por isso. Mas não quero que seja a minha pieguice a limitar os horizontes delas, a rede de segurança e de afectos. Quero que contem com os avós para tudo, que lhes conheçam bem as expressões, o colo e até que se lambuzem de gelados todos os dias. Que dêem a mão, as duas, que brinquem muito na areia com os primos e que mergulhem na piscina. Vai ser a terceira vez da Isabel, que começou precisamente a ir rumo a Cabanas de Tavira com os avós precisamente com 3 anos. Já sente borboletas na barriga. Espero que a Luísa queira repetir este ritual todos anos, com os meus sogros e as primas. Eles são uns avós de coragem, por irem com as quatro! Confiamos muito neles. E só lhes temos a agradecer. Que elas sintam essa confiança sempre também. Que venham cheias de histórias para contar e memórias.


As malas estão feitas e desta vez não exagerei. Levam apenas uns sapatos, muitos vestidos, calções e t-shirts e um casaquinho para os dias mais frios. E um corta-vento, que este junho anda assim meio maluco. Levam também o spray de Garnier Ambre Solaire, testado sob controlo pediátrico e que tem, assim como toda a gama Ambre Solaire, 100% filtros orgânicos que respeitam o ecossistema marinho. Gostamos em formato spray, facilita imenso, e sempre, claro, com protecção muito alta contra os raios UVA e UVB. Apesar deste ser o nosso eleito e o que levámos para Porto Santo na semana passada, quando formos de férias em julho quero experimentar a Bruma anti-areia, que me parece incrível. Já experimentaram?


Esta noite vou dormir agarradinha a elas, sabem a sensação? Ainda não foram e eu já estou cheia de saudades. Conseguem ou conseguiriam, se pudessem, deixá-los ir?


*Post escrito em parceria com a marca