2.02.2019

Ai... isto das visitas à maternidade pode ser tão chato...


Claro que depende das mães e... dos familiares e amigos. Como é que podemos pensar em tudo isto antes de termos sido mães? Como não ter que aprender com "o primeiro" para não repetir no segundo? Ó minhas amigas, é para isso mesmo que fizemos este vídeo maroto. Para não terem que levar com o cheiro a Marlboro daquele parente que parece patrocinado pela tabaqueira ou para não terem que se sentir mal por negarem que uma tia vossa afastada pegue no miúdo ao colo enquanto ele está a dormir. 

Só queremos facilitar-vos a vida. 





Subscrevam o nosso canal, amigas. Pode ser que o próximo vídeo seja sobre como fazer dinheiro a dormir, enquanto uma cópia de nós vive a nossa vida. Pensem nisso, se não seria um sucesso. Não querem perder um conteúdozinho como esses, pois não? Nãaaao, claro. Subscrevam :) 

Entretanto, alguma coisa da qual nos tenhamos esquecido? E de que grupo fazem vocês parte? Do grupo do "venham, malta, que sempre não me sujam a casa depois" ou... "vá, o bebé, se tudo correr bem, ainda estará cá daqui a um mês ou dois, tenham calma"? 

Joana Gama Freire

1.30.2019

Esqueceste-te de mim, mãe?

É por volta desta altura que parecem surgir os medos mais concretos. Noto que ela tem mais medo do escuro e das aranhas e coisas do género. Quando era mais nova, dizia que tinha medo mas não se comportava como se estivesse mesmo a imaginar que as coisas "más acontecessem".

Na primeira escola onde ela andou - estava eu toda desorientada - aconselhava-se aos pais que saíssem sem que eles reparassem. Que não era preciso dar um beijinho. 

Sentia que era errado. Experimentei duas ou três vezes como a educadora tinha dito, mas não havia outra maneira. Passei a despedir-me sempre. Até porque na escola nova ("nova", este já é o terceiro ano), a educadora dos primeiros anos aconselhava a fazê-lo, mesmo que eles chorassem com a despedida, para confiarem que os pais não "desaparecem". Disse-me também para usarmos as frases "a mãe volta sempre". 

Despeço-me sempre da Irene. Nunca é completamente fácil como já vi com outros miúdos, mas não tem de ser tudo igual para todos. Hoje, como está constipada, fui deixá-la a casa do pai. Já tinha tentado despedir-me dela no elevador para depois com a agitação não estar a pedir que ela se focasse em mim novamente. 

O pai da Irene e eu falamos um pouco até sobre os cuidados a ter com ela por estar constipada e abri a porta do elevador para sair. A Irene estava a ver televisão e perguntou ao pai por mim. Voltaram a abrir a porta e ela veio ter comigo, abraçou-me e disse:

"Então, mãe? Esqueceste-te de mim?". 

"Não filha, a mãe nunca se esquece de ti, nunca".

Nunca é demais certificarmo-nos que nos despedimos, mas aquele abraço precisava de acontecer. 

A Irene a saltar no trampolim numa aula com o Chama a Sofia.

1.29.2019

Ela dormiu pela primeira vez fora de casa!

Nem acredito que aconteceu! Que liberdade! Que maravilha! 

A Irene até ontem (4 anos e meio) nunca tinha dormido fora de casa (da mãe ou do pai). Claro que, entretanto, ultrapassamos imensos desafios como dormir em casa do pai ainda amamentada pela mãe, dormir uma semana sem a mãe, só com o pai. As coisas não têm estado estanques. Têm evoluído.

Por estar a fazer o Maluco Beleza com o Rui Unas tenho estado fora de casa à noite quando há programa e porque é sempre bom ter onde deixar a Irene, nem que seja também quando começar com as actuações de stand-up, tenho de ter aqui algumas alternativas... 

Ela também tem de perceber que há muitas pessoas que podem tomar conta dela e que a amam. Aos poucos estamos a fazê-lo. E correu tão bem! Pelo menos, tanto quanto saiba. Claro que teve o máximo de conforto e atenção mas saber se gostou, só quando lhe disser que tem de ir novamente, hehe. 

Nunca antes tinha posto esta hipótese por causa da amamentação e também pela maneira como a Irene reage a mudanças (talvez também por ser a minha). 

Estou muito feliz por ter corrido bem. É mais um passo para a liberdade. Às vezes, quando estamos a passar por fases mais difíceis, mais sufocantes com eles, temos alguma dificuldade em ver que é temporário. Lembro-me de fases da amamentação em que só me apetecia desaparecer. Ou a fase dos dentes, ou a fase...

Mas, já dizia o meu ex-director: "é tudo uma fase". 

É mesmo. 

E ainda bem, por um lado. 

Por outro... está a ficar toda crescida e independente, ahah. Está a ser rápido ;). 


1.28.2019

Não têm actividades extracurriculares!

Nenhuma das minhas filhas tem actividades extracurriculares. Nunca teve. [Ainda]. Tive fases em que pensei que era um disparate sobrecarregá-los mais com calendários e horários, que precisavam era de ter tempo para não fazerem nada e para estarem com os pais. Que uma hora no parque ou na floresta com a mãe ou até a fazer o jantar, juntas, era mais útil para ambos do que uma hora num outro qualquer sítio. Também pode ter sido a preguiça a falar. A falta de horário ou de disponibilidade. Ou tudo junto. Mas agora... agora que tenho horários mais flexíveis, se calhar devia. A Luísa adoraria ter ballet (já me fez duas birras enormes por não poder fazer ainda na escola) ou alguma coisa a ver com ginástica, música, expressão corporal. A Isabel mostrou tanta resiliência a andar de patins no gelo (e já me pediu mais vezes) que talvez pudesse experimentar a patinagem artística. Ambas deviam andar na natação e sempre protelei. 

Está na hora? Há hora para começar? (A natação sim, claro, por todos os motivos e mais alguns). 

Eu acho que comecei com dois ou três anos na música, no conservatório em Santarém, e depois fui tendo de tudo: natação, danças de salão, ginástica, basquetebol, música (guitarra, solfejo e canto coral) ténis, até cardiokickboxing fiz, já na adolescência. Andei nos jovens cantores de Lisboa e nos Onda Choc. Fazia parte dos meus dias. O meu irmão tinha outras tantas. Os meus pais andaram um bocado "escravos" dos filhos (lembro-me de irmos ver jogos do meu irmão e aos domingos havia ensaios em Lisboa das minhas cantorias). Tem de ser? Dará para dosear melhor? Ou faz parte?

Contem-me. O que fazem os vossos? Se é que fazem...

Boquinha com restos de papa de aveia mas expressão mais querida <3


Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt

1.27.2019

Tudo o que sei sobre convulsões febris.

A primeira vez que a Irene teve uma convulsão febril foi um susto enorme. Mesmo sabendo que é algo que é genético, não estava nem aí para que isso acontecesse. Para responder aos vossos e-mails e também porque gostaria de ter ouvido alguém a falar sobre isto com quem me identificasse, a Joana e eu fizemos um vídeo sobre isso mesmo.

Por acaso, uma semana depois de gravarmos o vídeo, a Irene voltou a ter uma convulsão. Parece aquilo que costuma acontecer quando nos gabamos que os nossos filhos estão a dormir... só para voltarmos a ter noção de que tudo é uma fase.

Ainda não passaram, mas acho que a nossa maneira de lidarmos com isso vai variando. Isto é: vai deixando de ser tão dramática, apesar do coração sentir as mesmas coisas, a mesma urgência.

Espero que gostem, que vos ajude a sentir que têm algum controlo pela situação. Ou a vocês ou à vossa amiga que têm um filho que têm convulsões febris.



Querem acrescentar alguma coisa? Alguma coisa com que não tenham concordado?

Se quiserem ler outros posts aqui no blog sobre convulsões febris e como tenho lidado com a Irene, carreguem aqui.

1.26.2019

É um alívio, não é?

Já repararam que, por mais que sintamos que estamos a fracassar quando eles “não nos respeitam”, “nos desafiam” e até dizem que não gostam de nós (já me aconteceu...),  a verdade é que quando eles brincam uns com os outros ou até com bonecos, usam as nossas expressões, distribuem o nosso amor e são extremamente meigos e até empáticos? Fica lá qualquer coisa! Fica lá muito do bom que lhes damos!

É inevitável irmo-nos questionando se estamos a fazer as coisas certas, se têm de nós o suficiente ou até se os “nãos” que lhes dizemos serão suficientes ou demasiados. Se somos bons pais. Se eles, quando nos parecem virados do avesso ou até mesmo ingratos (quando sentimos que demos tudo o que tínhamos e não fomos reconhecidos), serão bons filhos ou se vão ser boas pessoas. 

Mas depois, nesses momentos, em que lhes vemos o olhar brilhante, o sorriso, a voz querida, quando nos desarmam, quando o nosso coração explode de amor, percebemos que esse amor está a chegar lá. Que eles serão o que tiverem de ser mas que levarão algo de bom com eles. E que, em parte, contribuímos para isso. Que alívio.


Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt

1.21.2019

Ela estava obcecada com isto, mas conseguimos que parasse.

Uma das coisas que mais me lembro que me disseram sobre isto de ser mãe (ou pai) é "tudo são fases". Tem sido. Temos que nos lembrar que tudo passa (em princípio). 

A Irene tem tido várias fases que me têm preocupado. Porque é o que faço: preocupar-me, ahah. 

Houve uma altura em que teve para aí uns 6 meses a dizer que era um rapaz e a corrigir-me os pronomes e tudo (que irritante e imaginem o meu stress - embora estivesse a preparar-me psicologicamente para todas as possibilidades). Mais tarde, falando com especialistas sobre o assunto, apercebi-me que fazia todo o sentido dada a idade que ela tinha e o cenário que ela vive (não haver figura masculina cá em casa, etc). 

Como estava, de certa forma, a dificultar a socialização dela na escola, tive de lhe dizer para parar com a brincadeira durante uns tempos e ver o que acontecia. Passou. Continuou a brincar que é um rapaz (qual é o problema, não é?), tal como brinca que é uma sereia, um tupperware ou um panado. 

Agora, desde há um ano, a "mania" (não é manha, atenção, eu presto muita atenção a estes comportamentos e o que eles quererão dizer que a criança não sabe compreender e verbalizar - daí também se arrastem tanto tempo) é dizer que está invisível quando apareço na escola para a ir buscar, quando o pai vem buscá-la cá a casa, quando eu vou buscá-la a casa do pai, quando chegam os avós para cuidar dela ou quando vamos a casa dos avós para os visitar. 

O problema não é a brincadeira em si. Ela finge-se invisível e fica muito muito nervosa com isso. Quando a descobrimos fica ainda mais desconfortável. Tem de ser ela a decidir quando aparece, pregando-nos um susto - o que poderia demorar até meia hora. E, pelo meio, a falar na mesma, a fazer pedidos, mas enervada. 

Percebi que era ansiedade. E, mais "engraçado" ainda, percebi que também sinto o mesmo. Nos dias em que estou à espera que ela chegue, mesmo sem motivo real aparente, fico com o coração acelerado. É quando algo vai mudar no cenário e não temos controlo sobre isso. Para os mais psicanalíticos, acho que tem a ver com o parto de cada uma (que foi semelhante), mas não me vou alongar muito para 80% das leitoras não me sugerirem já um internamento - que não me dá jeito que tenho uns trabalhos esta semana. 

Quando, no outro dia (depois de meses nisto), a fui buscar à escola e - também por ser final do dia e não ter feito sesta) não conseguiu gerir minimamente a situação, tornando-se num choro imparável, senti que já chegava (arrependo-me de não ter achado isso mais cedo, mas cada uma faz o que melhor que vê e que pode, não é?). 

Em Cabeça, aldeia do Natal há um mês (ou menos).

Em casa expliquei-lhe que a brincadeira estava proibida. Que não era divertida para ninguém. Expliquei-lhe o que ela sentia (vergonha, nervos) e que há outras maneiras de lidar com a situação. Nomeadamente verbalizar que tem vergonha e que as pessoas assim perceberiam melhor o que ela sente. 

Ainda experimentou fazer mais duas vezes (afinal de contas era um hábito), mas já está a conseguir ganhar outras ferramentas e já está a conseguir lidar com o assunto. Sinceramente parece-me muito aliviada e corre tudo de forma muito mais calma para todos. Especialmente para ela que ficava angustiada e já não fica. 

Isto tudo para dizer que proibir é crucial. A forma claro que difere do momento, dos pais e da criança. Mas proibir às vezes poderá ser a solução - aparentemente tem funcionado e deixado a Irene mais leve pela responsabilidade das coisas passar para os crescidos.


Tudo com conta peso e medida e estamos a descobrir o nosso :)


1.17.2019

Já consigo falar do parto da Luísa

Falar sobre isto ainda me deixa assim... mas já consigo contar. Acho que já está tudo resolvido. Acho que já não há trauma. Não deixa de ser uma das experiências mais fortes e mais duras da minha vida.
As grávidas NÃO PODEM VER ESTE VÍDEO, ok? Pronto, estamos conversadinhas.

Caso tenham passado por algo assim, partilhem connosco.



De que outros temas gostariam que falássemos no Youtube e partilhássemos por aqui?
BEIJOS!

Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt

1.16.2019

Quem era eu há 10 anos?

Sinceramente não sei.

Andei aqui a fazer umas viagens pelas minhas pastas de fotografias para tentar lá chegar mas nem tenho bem a certeza do que fiz em em 2009, muito menos de quem era. Tinha 22 anos, fiz os 23 nesse ano. Tinha tirado Ciências da Comunicação, na NOVA, tinha estagiado na TVI, em informação, tinha ido para Londres uns meses, aperfeiçoar o Inglês e tirar um curso de TV e trabalhar num restaurante chinês, tinha regressado para ter o primeiro trabalho na área (onde recebia 500€ a recibos verdes e trabalhava de uma forma desumana - despedi-me logo após um mês e arranjei trabalho dois dias depois -), pus-me numa pós-graduação em apresentação de TV na Autónoma enquanto trabalhava na Duvideo, uma produtora onde fiz vários programas, como jornalista, locutora, alguns vídeos institucionais... e onde conheci o David. Foi nesse ano que conheci o David. Mentira, foi nesse ano que começámos a namorar, conhecemo-nos no anterior. 

Não sei bem quem era. Não vale dizer "a mesma", que isso não é verdade. Tinha muitos sonhos e tudo me parecia possível. Neles incluía casar, ter filhos, três ou quatro, trabalhar em televisão, viajar muito. O David nunca tinha andado de avião e nós resolvemos logo ali o assunto: Londres num mês, Florença, Veneza e Milão noutro. Tarifa pela primeira vez (a minha, que ele ia desde pequenino). Tínhamos a vida toda pela frente. Nesse ano o David começou a trabalhar na SIC, além da Duvideo. Eu comecei a fazer locuções e ficámos mais desafogados. Comprámos uma máquina fotográfica das boas. Íamos ao cinema muitas vezes, muitas, mesmo muitas. Ele levou-me ao Festival Marés Vivas, no Porto: foi esta a nossa primeira "escapadinha". Aldeias do Xisto depois. Ahhhhhh tão bom recordar. Esta liberdade toda, este futuro todo.

Dez anos depois, estamos mais velhos, mais cansados. Temos os pés mais assentes na terra. Dificilmente conseguiremos comprar uma casa um dia. Dificilmente conseguiremos dar a volta ao mundo. Temos mais presente o "agora". Já nos morreram pessoas queridas, já apanhámos sustos e a vida já nos mostrou que a família está em primeiro lugar. Temos uma família e passou a ser ela a nossa prioridade. Somos 4. Eu já percebi que nada é definitivo, que vamos sempre a tempo de mudar. Ainda sonho com viagens, mas já não tenho uma sede que me deixe angustiada. Já sei que a felicidade se constrói e dá trabalho. Tenho a escoliose mais acentuada, mais marcas no corpo, mais flacidez. 

Há algumas coisas que nunca mudam: continuo a ser despistada, a perder chaves de casa e carteiras e cartões. A protelar algumas coisas. A não adorar exercício físico (ou pelo menos os recomeços). A adorar ver filmes (e séries). A não gostar de falar ao telefone. A adorar chocolate e gelado e doces, comida no geral. A ter muito prazer em escrever. A sentir-me uma miúda.

Não sei quem inventou este desafio dos 10 anos, mas gostei!

Venham mais dez. Com saudinha da boa e amor no coração.


Em Tarifa, com o vestido que o David me tinha oferecido nos anos

Opa... 


Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt


1.15.2019

De uma vez por todas: não há colo a mais!!!

Este vai com exclamações até dizer chega: a sério que em 2019 (!!!) eu ainda leio comentários nas redes sociais, extremamente sábios, a aconselhar maior ponderação na hora de dar colo, não vá o bebé ficar mimado, viciado ou manhoso?!! Viram? Mais exclamações.

Vamos lá por partes.

- São... BEBÉS! Se não estivéssemos à espera de lhes dar colo, de os cheirar todos e de os querer engolir com beijos, teríamos adoptado um já com uns 18 anos. Ou comprado um tapete.

- Muito certo que agora nos vão cair aqui muitas histórias de bebés que não suportavam colo e que só queriam estar, no mínimo, a 12 km de distância dos pais e que a primeira palavra que aprenderam foi "larga-me", mas o mais comum é um bebé precisar do conforto do colo, uma vez que vem num estado de "prematuridade" chamada exterogestação. Há todo um trimestre cá fora de adaptação e essa adaptação não deverá ser à bruta: "chora para aí que é para não fazeres causa-efeito choro-colo que eu não nasci ontem, seu espertinho."

- O expectável é que um bebé precise de se sentir confortável, precise de colo, de embalo, da temperatura do nosso corpo e do nosso cheiro, do bater do coração. Afinal de contas esteve 9 meses todo enroladinho, embalado e quentinho e sai cá para fora, sente demasiado espaço à volta, sente frio, fome, tem cocó, cheiros estranhos, barulhos diferentes e adivinhem onde é que eles se sentem melhor, regra geral? Isso, ao colo.

Também a mim me disseram isso. Quando eu ia acudir ao choro da Isabel, tinha ela semanas, e me diziam para "deixar chorar" - porque ela não podia aprender que sempre que chorava eu estaria lá, que os bebés têm manhas -, eu ainda não tinha lido nada sobre o assunto, mas o meu instinto sempre me disse que essas teorias não fariam sentido. Primeiro porque eu a amava mais do que tudo no mundo e não conseguia estar confortável sabendo que ela não o estava; depois porque não percebia que ensinamento era esse que lhe iria passar: "a mãe não vai estar sempre que chores, faz-te mulher". Queria mesmo passar-lhe a ideia contrária, queria dar-lhe segurança: "sempre que chorares, a mãe vai fazer das tripas coração para minimizar isso. Conta comigo". E quem diz mãe, diz pai, que o David também nunca caiu nessa teoria. Claro que, se eu precisasse de tomar banho e ela estivesse ali na espreguiçadeira e tivesse de chorar um minuto, eu, a certa altura, já conseguia tirar o champô do cabelo, cantava e fazia palhaçadas, mas não saia a correr, como se o mundo fosse acabar. Ela esperava um minuto. Nas viagens de carro, igual. Mas, se eu pudesse, se eu tivesse bracinhos, saltava logo para o meu colo. 

Não acho que tenha uma filha mal-habituada, manhosa, e coisas que tais. Vejo-a uma criança querida, feliz, independente q.b. com as exigências próprias da idade. Desafiante. Curiosa. 

E se com a primeira filha dei colo o mais que pude, com a segunda filha não saiu dele, já que fiquei em casa um ano e meio com ela.* Não acredito que o amor estrague. O amor dá segurança, dá confiança, cria cumplicidade. O amor gera amor. 

Regras? Sempre.
Mas colo é amor. Não há regras para ele. Há regras para além dele.

Fotografia: Susana Cabaço
* muito babywearing: essencial.

Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt

1.14.2019

"Se é para terem uma vida estúpida, mais vale não os terem"

A propósito do cansaço dos pais e das divisões domésticas (post aqui), recebemos um comentário que me fez pensar (apesar de o querer rebater): obrigada por isso. 

Neste momento, o David está numa fase em que precisa de trabalhar mais horas (sem que isso tenha a ver com o facto de eu agora trabalhar como freelancer e não ter um ordenado fixo, só para que conste), tenho de ser eu a estar. A ser mais mãe. Com todo o lado maravilhoso que isso tem (adoro ter agora mais tempo para elas, estar com elas, conversar, abraçá-las e amá-las), também recai sobre mim gerir mais. Gerir as refeições, as compras, as guerras entre elas, as birras e até algumas decisões, que às vezes têm de ser imediatas e em que nem o whatsapp nos safa. E isto cansa, às vezes. Na minha visão hipotética das coisas o preferível seria "ambos fazem tudo" - cuidar da casa, cuidar dos filhos. Mas nem sempre isso é o melhor para a família no seu todo, ou nem sempre isso é possível: há fases e nem todos os trabalhos são iguais e têm a mesma flexibilidade, exigências, horários, turnos, etc. Não tem de ser tudo medido a régua e esquadro e as cedências também deviam fazer parte do "contrato".

O comentário:

"Todas as tarefas e despesas devem ser logo divididas como se o casal estivesse separado. Quer esteja ...ou não. A criança deve ter dois progenitores que são os dois cuidadores e adultos de referência para a criança. 
Não precisam, nem devem cuidar deles em conjunto. Devem é fazer as atividades de lazer juntos. É suposto tirarem muito prazer disso. Ora, tal não vai acontecer se estão ambos exaustos.
Ou pior ...se há uma/a claramente muito mais sobrecarregado.
Por exemplo, as mães que amamentam não deviam fazer mais nada se não cuidar de si e fazer só as tarefas leves e gratificantes com os seus filhos. O que amamentam e os outros, se os têm. 
2 Uma empregada doméstica é fundamental. 
As tarefas domesticas basicas não podem ser asseguradas a 100% por um pai e uma mãe sob pena de destruirem a sua relação como casal e pior...destruirem a sua relação com os filhos. 
Se é para arranjarem uma vida estúpida e de má qualidade para as crianças e para as mães/ pais, mais vale não os terem".

Concordo com parte da premissa, acho importante e preferencial que a criança tenha os dois cuidadores de referência a educá-la e também em momentos de lazer; não vejo que este modelo funcione com todas as famílias, há vários tipos de famílias, vários tipos de trabalhos e acho redutor que sintamos que toda a gente se deverá moldar a esta forma de pensar, que já parte do ponto de vista "privilegiado". Há uma coisa chamada "desemprego" que afecta muitas famílias em Portugal. A maior parte das pessoas, dos casais, não têm dinheiro para ter uma empregada doméstica. Só com esse critério podem ter filhos? Não. As crianças também ficam a saber, desta forma, que os pais (ou a mãe ou o pai) sabem fazer tudo, são autónomos, e que na vida há lazer e descanso mas também há responsabilidades e deveres. Que organizar, cozinhar e gerir uma casa pode ser gratificante. "Bullshit" pensam vocês. Sim, sim. Eu adorava ter alguém que todos os dias estivesse lá em casa a limpar, arrumar e a fazer as refeições, mas, nem nos tempos em que eu e o David talvez tivéssemos conseguido, antes de sermos pais, isso aconteceu. Claro que se eu tivesse alguém que me assegurasse o trabalho "de sapa", para que eu pudesse só dar banho, jantar, brincar e contar histórias, seria menos cansativo; mas também gosto que as minhas filhas saibam - a sério que sim - que podemos transformar momentos de responsabilidade em momentos felizes e de entreajuda. Ponho-as a limpar, a ajudar, a aspirar, a separar a roupa escura da clara, a cozinhar comigo (ainda hoje de manhã fizemos waffles juntas)... e consigo transformar obrigações em brincadeiras e em momentos em família! Às vezes até cantamos e dançamos pelo meio. Gosto e até acho que lhes estou a dar ferramentas importantes.

Posto isto, já aprendi que não há fórmulas únicas e taxativas e que não devemos definir o que os outros devem fazer com os nossos olhos. E muito menos sou pessoa para dizer "então não os tenham". Cada um faz o que consegue e pode, cada família luta para ser melhor e, na minha opinião, não temos de estar à espera de ter uma empregada em casa ou nem sequer um contrato de trabalho das 9h às 5h para decidirmos ter um filho.

E sim, podemos queixarmo-nos e desabafar depois, quando estivermos cansados.




Sigam-nos também no Instagram:
👯👯      www.instagram.com/amaeequesabe.pt

1.13.2019

Joana Gama prova do seu veneno.

Ahh.. Achavam vocês que tínhamos uma engraçadinha aqui no blog que em registo de monólogo mandava umas larachas mas depois não recebia nada de volta? Não. Nem pensar. Como é óbvio que a Joana Gama teve de ser posta a teste numa mistura de roast com entrevista. 

Sabem o que é roast? Está sublinhado porque têm lá a explicação. Entrevista sabem o que é, de certeza. 

A Joana Paixão Brás foi ao Roast do Toy e toda inspirada pela onda do cenário quis averiguar se a Joana Gama também tem sentido de humor quando a piada é sobre ela. Óbvio que a Joana PB não acha que as mamas da Joana sejam horríveis (que nos tenhamos apercebido, ainda não as terá visto), mas foi tocando em vários pontos (não das mamas), para ver se a sua amiga e colega tem a boa disposição que aparenta ter... 

O que acharam vocês? Temos pessoa que levou na desportiva ou um piquinho a azedume no fim?



1.10.2019

É horrível fazer cócegas?

Ahhhh... aqui estão as bloggers a lançar mais um tema que poderá parecer tão imbecil quanto o forçar violentamente (de forma física ou não) a dar beijinhos aos avós ou a quem quer que seja. Porém, tem o seu sentido e, mais do que chegarmos a um consenso, aqui o ideal é apenas parar-se 2 minutinhos (espero não me alongar muito que ninguém tem saudades de estar sentado numa secretária a olhar para alguém falar durante 45 minutos ou 90) para termos noção de qual é a nossa opinião sobre o assunto, pondo-nos no lugar das crianças. 



Por que temos cócegas? 

Os cientistas ainda não chegaram a conclusões consensuais (haverá conclusões científicas se não forem consensuais?), mas existem várias escolas de pensamento no que toca a esta pergunta. 

Há quem diga que as cócegas são um mecanismo de defesa para mostrar submissão ao toque e, portanto para, no caso de contacto próximo com o intuito de haver uma luta, encorajar a mudança da dinâmica, alijeirando o ambiente(giro e interessante, sabe-se lá como eram as coisas há milhares de anos quando éramos peludas também na barriga toda?). Ou seja, se um macaco se aproximasse de nós para lutar e nos fizesse cócegas e nos rissemos, a luta provavelmente acabaria ou não começaria, foi o que percebi. 


Por outro lado - e esta já tinha ouvido - as cócegas podem servir para aproximar as pessoas (que já devem estar próximas o suficiente para conseguirem fazê-las, digo). 

Apesar de ainda não terem chegado a um consenso, os cientistas sabem que fazer cócegas estimula o hipotálamo - região do cérebro ligada ao controlo das emoções, ao prazer sexual e que também controla a temperatura corporal, a fome, a sede e os ritmos circadianos (sono). 

Quando nos rimos quando nos estão a fazer cócegas (não me lembro da última vez que estive numa situação desse género, ahah) pode não ser porque nos estejamos a divertir, mas sim por resposta automática do nosso corpo. 


As crianças gostam de cócegas? 


Depende. A Irene, por exemplo (minha filha), odeia cócegas. Prefere lutas. Não gosta mesmo nada e pede até encarecidamente que, de vez em quando, se relembre alguns familiares para que não lhe façam cócegas de tanto que não gosta. 

A Isabel, da Joana Paixão Brás, não só adora cócegas como provoca situações para que passem a existir. Chama pelo monstro das cócegas e adora rir-se com os pais enquanto acontecem. 

Por que não fazer cócegas? 

Isto surgiu porque comprei um workbook de parentalidade (já cito ali em baixo) para o qual ainda não tive tempo de olhar - e, ao folheá-lo parei logo na página que tinha um quadrado informativo "Why not tickle?". 

Até com este testemunho (tradução livre): 

"O meu pai costumava fazer-me cócegas quando era pequena. Eu sei que era a maneira que ele tinha de se aproximar de mim, mas odiava sentir que não tinha qualquer controlo no momento. A parte estranha era que eu ria tanto que eu nem conseguia gritar para que parasse. Isto fez com que o meu pai pensasse que eu estava a gostar quando, na verdade, me sentia entre a espada e a parede e odiava."
 Mari, mãe de uma criança de 4 anos e de um bebé de um ano. 


Ao que parece, segundo esse livro, há a possibilidade da criança sentir-se desprotegida, o que pode criar ansiedade. A resposta psicológica às cócegas parece envolver uma parte diferente do cérebro daquela que usamos quando nos rimos (que é mais uma espécie de alívio de tensão, tal como acontece quando uma criança prefere brincar "às lutas"). 

A autora afirma que o que ouve da maior parte dos pais quando começam a fazer outro tipo de brincadeiras que aliviem a tensão (como "as lutas", a autora utiliza o termo "roughhousing"), as crianças deixam de pedir cócegas. Quando uma criança pede cócegas pode ser porque provavelmente percebeu e aprendeu que é uma óptima maneira de se rirem juntos. Porém, a manter a brincadeira, segundo a autora, poder-se-á experimentar as "cócegas aéreas" em que apenas ameaçamos fazer cócegas, o que provocará riso na mesma e aliviará a tensão. 

No caso da Irene, nem por isso a deixaria muito confortável, mas é uma brincadeira que já aceita bem melhor. 


O que fazer? 

Como mãe (e como cantora pimba que um dia irei experimentar) acho que passa por observarmos as reacções dos nossos filhos quando a brincadeira surge. Se pedirem a brincadeira, também valerá a pena perceber porquê e ir variando a mesma, digo. 

Duvido muito que haja muitos pais e mães a fazerem cócegas contra a vontade dos filhos mas, nestas coisas, nunca se sabe. E escrevo este artigo com o intuito que chegue a mais pessoas que não apenas os pais para despertar a consciência de estarmos mais atentos à reciprocidade ou não neste tipo de brincadeiras. As crianças são pequeninas e fofinhas mas isso não quer dizer que possamos tocar-lhes e fazer o que quisermos com o corpo delas, mesmo em "brincadeiras".


O que acham vocês? 

1.08.2019

Lua-de-mel nas Maldivas - o vídeo

O tão aguardado vídeo (por quem? por mim talvez só) já está online. Preparados para o esfregalhanço de turquesa nessas faces pálidas que não vêem sol do bom há uns meses?

Cá vai.


(Engraçado que editei a cor desta imagem para parecer que ainda tenho bronze quando na verdade pareço o Casper)

Caso queiram saber mais pormenores sobre a lua de mel, dados mais detalhados, escrevi sobre isso aqui:


Leiam, vejam o vídeo, comentem, partilhem, subscrevam o canal, vejam os outros vídeos, no fundo, esqueçam-se de que há vida para além de nós. 


1.07.2019

Os vossos filhos ficam loucos antes de dormir?

A sério. Se isto da maternidade fosse um jogo de consola, para mim, desde sempre que havia dois níveis finais de dificuldade: adormecê-los e dar de mamar. 

Sempre foi um terror para mim adormecê-la. Agora está muuuito melhor e entendemo-nos muito bem SE... Se o quê? Olhem, se tiver feito sesta é uma maravilha. SE conseguir deitá-la a boas horas também. 

Comecei a reparar (já há algum tempo que a miúda tem quase 5 anos, mas mais agora que já não faz sesta todos os dias na escola, infelizmente) que perto da hora de deitar está sempre a mexer em tudo. Como se fosse compulsivo. Pega numa coisa, digo para parar, pega logo noutra. Põe-se aos pulos na cama, corre de um lado para o outro e parece que fica com audição selectiva... pedir-lhe para parar ou tentar explicar que tem de ir dormir cedo na maior parte das vezes não resulta. É horrível.

Isto para já não falar que fica claramente "mal comportada". Faz asneiras, parece que não consegue pensar e parece outra miúda. A Irene costuma ser uma rapariga energética mas reage bem quando falamos com ela quando está "em si". Mesmo que não aceite ou o que for, costuma dar para falar e gerir as coisas em conjunto, negociando, explicando. 

Quando não dorme a sesta e quando não consigo deitá-la pelas 20h porque, sei lá, uma pessoa tem de fazer coisas e quer ver a criança, é a chamada loucura.

Fica louca. E eu também. As coisas descontrolam-se e, finalmente, quando ela adormece, fico a sentir-me horrível por não ter conseguido controlar-me ou não ter conseguido dominar a situação, etc. A culpa quando ela adormece... começo a rever os passos e a pensar como posso fazer diferente no dia a seguir. 


Isto porquê, gente? 

Não falando da culpa toda que sinto - isso posso falar no divã (ahah) - mas sim deste descontrole todo que existe ao final do dia, especialmente em crianças privadas de sono (e em mães cansadas também).

Quais são as consequências da privação de sono? 

São a vários níveis: no comportamento, no desenvolvimento socio-emocional, no desenvolvimento cognitivo, etc. 

As crianças têm vindo a dormir cada vez menos de geração em geração (por todos os motivos que já sabemos: os pais terem de sair tarde do trabalho, as deslocações...). 

Ao contrário dos adultos, a falta de sono nas crianças não se revela em bocejos e em apatia, mas sim em hiperactividade, irritabilidade e uma rápida falta de tolerância. E é sabido que alguns diagnósticos de hiperactividade mudam depois da criança passar a ter uma rotina adequada de sono (cuidado com isto, hã?). 

Dormindo menos que o ideal ou desejável não conseguem gerir tão bem (quanto possível para a idade) as suas emoções até porque revelam um nível de cortisol (stress) mais elevado. 

A privação de sono antes dos 3 anos pode perturbar o desenvolvimento verbal da criança e nas capacidades não verbais nas crianças de 5 e 6 anos. 

Além de que contribui para um risco acrescido de excesso de peso ou de obesidade.


Quanto é que as crianças devem dormir? 

Se conseguirmos estar atentas, conseguimos ver pelo comportamento deles, pelas olheiras, pela energia (excesso ou falta dela) que estão cansados. Geralmente, quando adormecem no carro, é porque estão em privação de sono evidente, por exemplo. 

Tudo depende da qualidade de sono da criança. A Irene, por exemplo, por ter alguns problemas respiratórios, a qualidade do sono dela é inferior, de momento, à desejável e, por isso não me posso reger pelos valores habituais. Nada como observarmos os nossos filhos, se conseguirmos. Digo muitas vezes "se for possível" ou "se conseguirmos" porque, durante muito tempo, não consegui por não estar minimamente calma. 

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Pediatria, estas são as recomendações de horas diárias de sono: 

1) Lactentes dos 4  aos 12 meses: 12 a 16 horas por 24 horas (incluindo sestas)

2) Crianças de 1 a 2 anos: 11 a 14 horas por 24 horas (incluindo sestas)

3) Crianças de 3 a 5 anos: 10 a 13 horas por 24 horas (incluindo sestas)

4) Crianças de 6 a 12 anos: 9 a 12 horas sono noturno por 24 horas

5) Adolescentes de 13 a 18 anos: 8 a 10 horas sono noturno por 24 horas


Aproveito também para deixar a tabela muito clara que toca às repercussões da privação de sono nas crianças: 



Só para não ficar aqui só um post de pânico geral, queria deixar algumas sugestões para melhorar a qualidade e quantidade de sono da criança (pode ser que ajude alguém que não saiba ainda):

- Criar uma rotina de horários de sono (mantendo-a aos fins-de-semana, tentando que haja apenas, no máximo, 30 minutos de diferença, de acordo com a SPP);

- Incentivar a utilização de um objecto de transição e respeitar essa necessidade;

- Não permitir a visualização de ecrãs e a utilização de aparelhos electrónicos pelo menos trinta minutos antes de adormecer;

- Ter uma rotina para deitar, os rituais e as ordens serem os mesmos;

- etc. 


Acima de tudo, o que queria deixar claro com este artigo é que não podemos responsabilizar uma criança que está em cenário de privação de sono pela incapacidade de gerir as suas emoções, pela sua hiperactividade e agressividade e pelas dificuldades de aprendizagem. 

Aquilo que poderá parecer uma atitude de revolta ou de falta de educação é, nestes casos, o melhor que a criança poderá fazer. Sendo da responsabilidade dos pais e da escola que a criança tenha o mínimo de sono adequado para a idade e para cada caso.

A Irene precisa de 11 horas mais uma sesta, ainda, por aí.

Tem sido difícil gerir tudo, mas só temos que fazer o melhor que conseguirmos.



Referências: 

Petit D, Montplaisir J. Consequences of Short Sleep Duration or Poor Sleep in Young Children. In: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Petit D, topic ed. Encyclopedia on Early Childhood Development [online]. http://www.child-encyclopedia.com/sleeping-behaviour/according-experts/consequences-short-sleep-duration-or-poor-sleep-young-children. Published December 2012. Accessed January 7, 2019.

Sociedade Portuguesa de Pediatria, RECOMENDAÇÕES SPS-SPP: PRÁTICA DA SESTA DA CRIANÇA, 1 de Junho de 2017. 

1.04.2019

Fomos à Serra da Estrela ver neve pela primeira vez!


No outro dia tinha planeado ir a Paris com a Irene, porque me apetecia e porque achei que ia ser uma boa viagem. Porém, quando vi as notícias, tive de cancelar. Ainda para mais indo só as duas. Não achei seguro e Paris poderá esperar - digo eu. 

Olhei para o calendário e havia as férias de Natal da miúda. Quero dar-lhe memórias, quero mostrar-lhe vida, coisas e lembrei-me de ir à neve. Ela falava de querer ver neve e, por isso, tendo em conta orçamento, idade e disponibilidade fomos à Serra da Estrela. 

Por ter feita a reserva um "bocadinho" em cima do joelho, os sítios mais giros estavam ocupados, mas acabámos por ficar numa casa em Vila Cova à Coalheira (gostava tanto de saber o que se passou para este nome) muito agradável. Posso dar-vos o nome, se quiserem. Se não quiserem escuso de meter aqui o nome porque aquilo que paguei, Jasus, dava para me banhar em litradas de cremes feitos de fetos de ovelha para todo o sempre - não foi assim tão caro, mas eu sou forretita. De qualquer das formas, duvido que exista mais algum sítio daquele género para ficar ali na Vila. 

Acordamos sempre com tudo cheio de gelo do lado de fora da janela do quarto, mas à hora de almoço o sol era tão bonito e forte... 


Fomos à Torre logo no primeiro dia. E, infelizmente, este ano, ainda não tinha havido neve. Porém, ainda nos deliciamos com alguns metros quadrados de gelo. Já deu para não poder ter outra alternativa se não tirar a etiqueta do fato de neve que lhe tinha comprado no dia anterior à pressa naquele centro comercial espanhol apesar de ter um nome que tenta disfarçar. 

Metrinhos de gelo na Torre.


Não compensou ir à Torre. A caminho, à beira da estrada, havia alguns pedaços de gelo com menos gente e menos carros que teriam servido perfeitamente. No entanto, a minha esperança era que lá em cima houvesse neve numa quantidade absurda. Não. Não havia. 

Fiquem a saber que - não sei se é verdade - mas reza a lenda que Na Torre nos dão queijo bom a provar e, depois, o que nos vendem  não é o mesmo. Achei o senhor muito simpático, não lhe estou a julgar o carácter, mas é história que corre por lá. Talvez para enganar os turistas. Só não comprei porque não queria o carro a tresandar a queijo. Só por isso. Onde se devem comprar queijos, pelo que me disseram, é na loja "da Maria" ali em Seia. É uma rua onde há 3 ou 4 lojas de produtos regionais e, do que percebi, são todas da Maria, pelo que não há que enganar. 

Na descida, tivemos que almoçar no Museu do Pão. O nome não me parecia nada atractivo para qualquer actividade que fosse. Haver um Museu do Pão desperta em mim uma vontade gigante de fazer stand-up sobre as ideias mais parvas para museus, mas fui convencida e ainda bem. Que restaurante e sítio fabulosos. A comida era óptima e o modelo de entradas e sobremesas em regime buffet também. Reservem. Pelo menos na altura da passagem de ano foi mesmo necessário. 

Aproveitamos para ir à festa de passagem de ano em S. Romão onde fomos brindadas com dois palcos "cheios de animação" - um chavão que a malta "do meio" usa quando já não tem mais nada que dizer. S. Romão tem imensos bons restaurantes, acabámos por almoçar num dia no Gato Preto e no dia 31 comemos umas sandes de leitão e de panado ali numa taberna no centro que eram um mimo. 

O Borges é um restaurante a não ignorar em Seia. É-se muito bem tratado, bom ambiente, carta reduzida e, por isso, bem cuidada. Comida acabadinha de fazer. Gostámos muito. 

Pelo caminho aproveitamos (estou a juntar dias, não fizemos tudo num dia que não andamos a drogar-nos, haha) e visitamos A Aldeia Natal em Cabeça. Além de cantares, de poder andar de pónei, comer crepes, beber ginjinha, também pudemos ver o presépio vivo (pessoas a sério que de vez em quando tinham de ir à casa de banho) e a beleza de Cabeça. Que vista inacreditável. 

Cabeça, A Aldeia Natal. 
Um mini-crepe de chocolate em Cabeça.


Loriga também nos recebeu de braços abertos. É uma vila, apesar de ter dito que tinha braços. Tem uma praia fluvial que nos deixou esmagadas. Ir ali no Verão é um paraíso. Nem imagino que haja tanta gente por cá que não conheça aquele segredo. Cada vez mais fã de praias fluviais. Uma frase que nunca pensei que viesse a dizer, confesso. Nem isso, nem Loriga.




Todos os caminhos na Serra tiram-nos o ar. A vista, a maneira como a luz vai mudando a cor das árvores. Por muito que a paisagem sejam semelhante, a temperatura da luz do sol vai fazendo com que haja sempre algo mais para ver.

As estradas são muito mal iluminadas à noite, tenham cuidado. 

De resto, foi uma experiência incrível que nunca esqueceremos e, ainda para mais, cá dentro. O nosso país está mesmo cheio de sítios maravilhosos para conhecermos. Quero mostrar à Irene também a riqueza que temos aqui bem perto de nós. Quero que se inspire para que quando lhe apeteça algo, já tenha ideia do melhor que há. A todos os níveis. 


Se e quando quiserem ir, já sabem. Foi isto que fizemos durante os 4 dias de estadia.

O que falta à lista? Querem acrescentar?