Mostrar mensagens com a etiqueta puericultura. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta puericultura. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Inventam tudo! (#13)

Mas o que é isto, senhores? Não estou sequer grávida e a Isabel já não deve caber ali, mas quero. Quero já! 


1. Parece uma cápsula saída do 2001, Odisseia no Espaço, mas é um berço chamado Cambridge Crib

2. Além de levitar, basta abaná-lo 5 vezes que ele apanha o balanço e fica a embalar sozinho.

3. Controla a temperatura dentro do berço, diz o batimento cardíaco, os níveis de hidratação, os padrões respiratórios e até a humidade da fralda!

4. Podemos, literalmente, pôr o bebé a ver estrelas ou, até mesmo, fazer um FaceTime com o pai ou com os avós, porque vem com ecrã de vídeo.






A última funcionalidade parece-me parva, porque os bebés não precisam mesmo nada deste tipo de estímulos e também não sei se me sentiria confortável com um controlador de temperatura (as máquinas são apenas máquinas e podem dar o berro). Também não aprovo o preço.

O que vos parece esta geringonça? É um grande SIM ou um redondo NÃO?

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Lista de coisas NÃO obrigatórias quando se vai ter um bebé.

- Corta-unhas e lima de papel

É só estúpido. Dizem até para se usar uma lima de papel mas, sinceramente, vim a descobrir que uma tesoura de pontas redondas é o mais fácil.





- Álcool para o coto umbilical

Podem comprar e usar, mas não é necessário. Na maior parte dos casos ele cai por si. Até podemos lavar no banho e tudo desde que os sequemos bem. 

- Toalhitas

As de viagem sim, são úteis. De resto, nos primeiros tempos, aconselho mesmo que se use compressas de tecido não tecido (nome estúpido) e ou água com um pouco de gel do banho deles (só um bocadinho) ou as "primeiras águas". 




- Termómetro rectal

Não é agradável nem para nós, quanto mais para eles. Além de ser difícil assegurar uma higiene constante daquilo em momentos que os filhotes tenham febre. Comprei um daqueles que se mede dentro do ouvido. Super rápido. De confiança. 

- 30 biberões

Não é necessário. Nem se sabe se vai ser necessário usar biberões nos primeiros tempos. Em princípio a mamã irá conseguir dar de mamar com o apoio certo (sugiro a linha SOS amamentação ou então o grupo no Facebook "Amamentação com Desmame Natural") e só precisará dos biberões para quando precisar de se ausentar e alguém lhe der o leitinho da mãe.



- Aquecedor de biberões

Não é necessário. É um conforto, mas não é necessário. Além de não se saber se realmente irá passar pela rotina dos biberões (a Irene só terá mamado uns 15 biberões até hoje), é fácil aquecer um biberão se tiver uma chaleira. Põe num tupperware com água quente e pronto (ou até debaixo da torneira). 

- Esterilizador 

Também é possível fazer-se esterilizações sem se comprar coisas. Além disso, há teorias de que nem é necessário esterilizar o que é para eles. Como queremos fazer tudo "muita bem" é normal que tenhamos esses cuidados nos primeiros tempos, mas se pusermos uma panela com água a ferver e "o material" (salvo seja ;)) lá dentro, fica na mesma e era como se fazia antes. 



- Bomba extractora de leite

Em princípio será necessário para quando a mãe for trabalhar, para o bebé continuar a beber o leite dela. Porém, até lá, antes de comprar a bomba, poderá alugar se preferir não gastar dinheiro ou até pedir emprestado às amigas (parece nojento para quem não esteja habituada a estas lides, mas é um alívio de mais de 100 euros). 

- Chuchas

Não é preciso comprar chucha. Os bebés não precisam de chucha. Temos de pensar sempre no que será mais natural. Eles, se precisam de satisfazer o desejo de sucção, têm de estar na maminha da mãe até para garantir o sucesso da amamentação.  No primeiro mês é até muito desaconselhável por poder causar "nipple confusion". Pode comprar-se depois, se se quiser. 




- Fazer stock de fraldas

A nossa vida não vai ficar confinada a casa. Até vai nos primeiros tempos (se for o primeiro filho, se for o segundo já andamos com ele às costas enquanto vamos ao cinema e arranjamos as cutículas), mas vamos continuar a ter que fazer compras (aconselho fazer-se online, é um luxo) e, com essas compras, podem vir fraldas. Há sempre promoções. Não se deixem enganar. 

- Roupa de rua

Eu sei que dá gozo. Que são muito queridas, mas o ideal é até que o bebé, nuns primeiros tempos, não esteja exposto a muitos estímulos. Para ele, ficar em casa, já é como apanhar uma cadela no Lux. Ir a restaurantes e a supermercados faz com que fiquem hiper-estimulados e faz com que fiquem muito desconfortáveis. Muitas das vezes, erradamente se atribuem distúrbios intestinais a bebés (cólicas) que não tiveram descanso suficiente durante o dia ou que estejam demasiado estimulados para conseguirem descansar. Não retirei grande prazer de andar a trocar a Irene de roupa nos primeiros três meses. Andava com o pijama. Estou só a dizer que não é necessário comprar, mas quem quiser... ;)



- Sapatos

Epá, não. Os recém nascidos não precisam de sapatos. 0. Podem ter umas meias boas e uns carupins (acho que é assim que se diz) para terem os pés quentinhos, mas bebé nenhum, nos primeiros meses, precisará de sapatos. A não ser que tenha nascido a andar. E, se for esse o caso, lamento o vosso pipi. 

- Toalhas para o bebé

É giro, mais uma vez, mas não necessário. Temos sempre uma toalha muito melhor que as outras cá em casa. Essa fica para o bebé. Ele não se importa se for uma toalha grande, até gostará de ficar melhor aninhado. 

- Brinquedos

Eles estão a borrifar-se para os brinquedos nos primeiros 3/4 meses. Não precisam disso. Podemos introduzir um doudou logo no início, mas só terá efeito a médio prazo. 



Tudo o que sintam falta depois, podem pedir. Isto se estiverem numa de gastar dinheiro. Se tiverem uma competição saudável entre avós e se vos apetecer espremer... Ficam aqui com algumas ideias quando já tiverem o necessário. 


*imagens We Heart It. 

sexta-feira, 17 de abril de 2015

A Mãe é cabaz de tudo! (#01)

Eu avisei. As Joanas são muitá fortes e cabazes de tudo. Sim, leram bem.

Chegou um "a mãe dá" numa versão mega-hiper-super potente. E ri-fixe, lá diria a miúda que falava com as árvorezinhas e que tinha um vestido azul. Não sabem do que eu estou a falar? Sortudas.

Vem aí um CABAZ de vos fazer saltar do sofá ou do computador na pausa do trabalho aos berros, em eufóricas, e gritar aos céus que as Joanas são as maiores. Não são nada despedidas, que disparate! Tenho a certeza que as chefes também vão estar a partilhar, desenfreadas, este post! E os chefes também, que as mulherzinhas deles a esta hora já lhes enviaram SMS a implorar que o façam.

Ora então o que temos para as mamãs mais lindas deste nosso Portugal Continental e Ilhas? 

Temos para oferecer: 
 - Saco de Arrumação Play&Go da Bica Kids
(difícil vai ser escolher o padrão, aqui )



- Painel 1º aniversário da Wonderland Parties



- Almofada Laracol Baby 
(versão menina ou menino à escolha)




- Aguarela com Dados do Nascimento Mirtilo for Babies



- Sessão fotográfica em família da Love Lab
(de 30 minutos, em Lisboa)




- Nome em letras da Molde Weddings 
(personalizado, óbvio, a não ser que coincidentemente tenham Isabéis)





- 50 euros em voucher Maria Pipoca
(conjuntos praia, fofos, tapa-fraldas, golas, e vêm aí toalhas de praia também,
para menina e para menino!)




- Kit Praia Mustela
 (spray solar + creme + after sun)




Para participar é preciso:
1) Fazer like nas oito páginas
(são 8! fizeram tudo certinho?) 

2) Fazer like na página d'a Mãe é que sabe (mas isso já está, não é?)
3) Partilhar publicamente este link no perfil do Facebook
4) Preencher o formulário em baixo (não se esqueçam de preencher o link dos vossos perfis do Facebook, para que possamos comprovar que partilharam este post!)

Condições:
O vencedor será anunciado dia 2 de maio, sendo aceites inscrições até às 23h59min do dia anterior.
O vencedor será escolhido aleatoriamente através de random.org.
Só é válida uma participação por endereço de e-mail.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Dúvidas na Gravidez (#04) - Banho à séria ou à gato?

Não é preciso dar banho todos os dias ao bebé ou lavá-lo todos os dias, claro que não. Até pode ser contraproducente por causa da pele, da hidratação. 

Porém, eu dou banho à Irene todos os dias. Nem sempre precisa de ter gel de banho na água, pode ser só em água morna para tirar o suor ou, então para a relaxar. Agora faz parte da rotina do sono dela e nunca me deu (raramente, mesmo) problemas para adormecer à noite por causa disso. 



Banho à séria ou à gato?

Acho que tem tudo que ver com a confiança de quem manuseia o bebé e se têm hipótese de ter a casa (casa de banho e quarto) a uma temperatura adequada para o bebé (eu gosto quando está a 22, mas como o meu marido começa a ficar irritante com essa temperatura, os 20 parecem-me aceitáveis). 

Enquanto não ganhei coragem para a por na banheira, dei-lhe banho à gato (compressas embebidas em água morna com gel de banho), mas depois decidi tentar e lembrei-me que não preciso de encher a banheira até cima. Só um bocadinho de água serve (convém estar a 37º graus).

Não há problema de dar banho antes ou depois de mamar (ou comer) se a temperatura for 37º (os choques de temperatura é que podem parar a digestão).

Não convém que os banhos durem muito tempo para a água não arrefecer. Cinco minutos no máximo.

Não sejam estúpidas e não lavem primeiro o rabo e depois a cara. A Irene apanhou uma conjuntivite por ter uma mãe que deve pouco à inteligência. Lavem de cima para baixo. Odiei-me aí durante uns 10 dias por causa disto.

Eles preferem o banho à séria. Não falei com nenhum recém-nascido, mas se a ideia é reproduzir as condições do útero para se acalmarem (daí os truques do secador e do swaddling ou lá o que é), o que melhor que estarem dentro da banheira durante um bocadinho?

Os redutores de banheira para segurança do bebé, parecem-me ser mais para a cabeça das mães inseguras (como eu que comprei um), que têm medo de afogá-los. Assim que me deixei disso (ainda era ela muito pequenina e graças a um conselho da minha mãe, os banhos tornaram-se ainda melhores, visto que eu, mesmo com o reforço, continuava a segurar nela como se ele não existisse e usava só a mão direita na mesma. 

Resposta aqui da campeã: banho à gato até se sentirem à vontade para experimentar o banho à séria. Depois disso, não vão querer outra coisa.

Nota: Não tenham muito medo das diferenças de temperatura e afins (tenham só qb), visto que o bebé, ainda recém nascido, ainda está embuchado das defesas da mãe, além de estar protegido com as defesas extra do leite materno. 

*imagem do site We Heart It. 

sábado, 4 de abril de 2015

Adeus ovinho. Olá cadeirinha do caraças para o carro!

Atenção: este texto é, sim, publicitário, mas é genuíno. Tudo o que está escrito em baixo é exactamente o que penso e as experiências são reais. 

Assuntos abordados: 

- quando passar para a cadeirinha

- que tipo de cadeiras se deve comprar e quanto gastar

- coisas a ter em atenção (não na vida em geral, mas nisto das cadeirinhas auto)

Senti-me como nas televendas quando tentam provar aqueles testemunhos. Neste caso, porém, podem acreditar: nunca vos recomendaria uma coisa rasca, muito menos tendo em conta que está em causa a segurança dos nossos bebés. 

Vou explicar-vos o que aconteceu: o ovinho da Irene foi óptimo até ao ano passado quando chegou o calor. Depois disso passou a estar muito encharcada de suor (lembras-te, Joana?). Tive um episódio traumático no Colombo em que a miúda não parava de chorar por causa do calor no ovinho, estando já só praticamente de fralda e disse "BASTA!" (eu, não a miúda que tinha uns 4 meses).

Cheguei a casa toda revolucionária e disse: "Acabou, não quero mais o ovo para a miúda, não sei se aquilo diz que até aos 22 anos ou até aos 40, mas não quero mais!". 

Mandámos vir duas cadeiras do Jumbo Online, as duas das marcas mais conhecidas no campo e lá chegaram. Uma para cada carro. Baratuchas porque não valia a pena investir se não fazemos viagens grandes. Para além disso, pensámos: são duas das principais marcas de puericultura, mesmo o que é mais barato, tem de ser bom, senão eram processadas a torto e a direito. "Estamos a ser muito espertos"- pensámos. 

Uma das marcas não desiludiu grandemente. A cadeira era adaptada à bebé, mesmo sendo ela ainda pequenina (acho que tinha 4 meses), mas não dava para inclinar  satisfatoriamente (hoje estamos numa de advérbios de modo). A outra, meu deus! Nem vos conto a história toda! Só que cheguei a ligar para a sede no estrangeiro e a dar o meu melhor para tentar perceber se a cadeira era uma real porcaria ou se eu é que sou muito parva. 

As duas confirmam-se, mas a cadeira era realmente uma porcaria. Não inclinava o suficiente. Aliás, no carro do Frederico acabava por ficar completamente direita, a bebé não ficava bem nem com o redutor, nem sem o redutor. Além de que passei sempre a ir atrás com ela porque a cabeça caía para a frente quando adormecia, ao ponto de quase parecer que tinha partido o pescoço.

Não conseguia. Por muito que já tivesse visto aqui na Internet muitas mães a dizerem que todas as cadeiras têm esse problema, não consegui aceitar. Era horrível ver a cabeça dela assim.

Depois de algumas discussões sobre o assunto, lá se chegou à conclusão que o ovinho era o melhor sítio para ela. Se tem calor, pega-se ao colo. 

1ª lição a retirar: só se deixa o ovinho quando for mesmo estritamente necessário. Parece-me ser o melhor sítio e o mais seguro para o bebé viajar. Além de permitir que o ponhamos no carrinho a dormir, caso tenha adormecido no carro. O que é uma bênção. 

Como acabei por ficar com as duas cadeiras na arrecadação (já decidi que a menos má vai para o carro dos avós para passearem com ela quando quiserem), o barato saiu caro. Lá fomos usando o ovinho. E foi parvoíce minha. Ela estava ainda óptima lá. 

2ª lição a retirar: o barato sai caro e o caro sai caro, mas vale a pena. 

Como sou mãe recente, sei que existe uma marca top-of-mind, se quisermos gastar uma brutalidade de dinheiro numa cadeirinha para o carro. Acho que é da Mercedes, se não estou em erro. 

Uma cadeira que eu não estava à espera que me deixasse tão feliz é esta: 


Tenham em conta que fotografias a cadeirinhas auto nunca ficam muito engraçadas, mas estou apaixonadíssima por elas (pela miúda e pela cadeira). Vocês que já usam cadeiras, já pensaram quase de certeza: "O bom que era se a cadeirinha dela rodasse para eu a por melhor e para a apertar em condições". 

Aqui está. É esta mesmo. Bébéconfort AxissFix. Roda a 360 graus (quase que poderia concorrer ao Dança com as Estrelas, mais talento que o Raminhos, por exemplo, teria), dá para estar no sentido da marcha e no inverso, dá dos 4 meses aos 4 anos - sem ser daquelas cadeiras que manhosamente vai acrescentado almofadas suspeitas ou retirando) e quase tão importante: tem cores que gostaríamos que houvesse em vestidos para elas ou calções para eles. 



Foi tão fácil de montar que quase que poderia ter sido eu (eles até gostam de fazer estas coisas). 



Coisas que me fizeram ficar apaixonada (não necessariamente por esta ordem): 

- virar a 360

- ser robusta, nota-se que o bebé vai confortável e  que 
e segura

- vir com isofix

- todos os detalhes sempre muito bem pensados para bebé e para a pele do bebé, estar tudo mais do que protegido

- as cores

- a inclinação necessária

- a facilidade de alargar os cintos e de voltar a apertá-los


Já é a minha terceira cadeira para o carro. Sei do que estou a falar. E estou super satisfeita. 

Só uma sugestão aos senhores da Bébéconfort: bem que podiam pensar numa maneira de estar sempre a trocar os padrões da cadeira para irmos variando consoante nos fosse apetecendo. 

Pronto. Tirando isto, está tudo ;)


sexta-feira, 13 de março de 2015

A mãe dá (#10) - To Be Touch - Vencedor

A mãe dá uma mãozinha aos recém-nascidos deste país, literalmente. Quem será o grande vencedor da To Be Touch, da marca To Be Baby? 

(rufam os tambores)



A vencedora é: 
Sónia Rodrigues, de Guarda Nova.

Parabéns!!!


quarta-feira, 11 de março de 2015

Quero um quarto de beta, já!

Vou fazer birra. A sério. Não tenho jeito nenhum para esta coisa de mamãs fofas que decoram o quarto. Lembro-me de quando era pequenina adorar uma loja que havia que acho que se chamava "os ursinhos" e tinha tudo super super bimbinho, a condizer. Pensava para mim: "gostava tanto de ter um quarto destes". Sim, para mim. 


Também, pelos vistos, queria umas sabrinas de verniz vermelho que a minha mãe não me deu por achar muito bimbas. Mais tarde ficava chateada comigo por não querer andar de "sapatos à vela" (como eu dizia) e querer sempre ir com as botas da Nike. 
Conhecer a Joana Paixão Brás despertou em mim esta vontade de querer ter tudo arranjadinho e bonito, à mãe fofinha.  


E nem é pelo facto da Irene crescer mais feliz (acho que na volta não lhe faz grande diferença se tem um cavalinho de madeira ou uma caixa de cartão das fraldas para brincar), é porque faz parte de toda uma filosofia da qual estou a ficar fã: pôr amor e dedicação em tudo. Para que se note, sempre. Para que à la SIMS (o jogo), quando entremos nessa divisão, sintamos os nossos níveis de conforto e, já agora, de oxitocina a subir. 


Para que todas as fotografias no quarto façam sentido com o que lhes passamos todos os dias. 
E, já agora, para que a Irene se sinta inspirada quando também for mãe. 

Este é o quarto da Isabel e fiquei tão contente de ter tirado lá fotos com a Irene que a conclusão é mesmo: quero um quarto de beta, já!


Em breve (ainda não sei quando) vamos mudar de casa e está prometido um quarto de beta para a Irene. E um quarto de beta para a mãe. E uma cozinha de beta. E mais vestidinhos para ficar mais bonita quando se tiram fotografias, para a Irene que eu tenho as pernas num nojo e não pretendo fazer a depilação tão cedo.  

Continuo a ter alma de trolha, de querer tudo o mais prático possível mas ser betinha compensa. É só pensar mais um bocadinho. Envolver-me mais nos projectos.
Pensar antes de agir.


Acho que é esta uma das milhares de lições que estou a aprender com a maternidade. 

segunda-feira, 9 de março de 2015

a Mãe dá (#11) - Mochila Porta Bebés Ergobaby

Olá meus amores (apeteceu-me, desculpem).

[ler à televendas]

Fartas de andar com os carrinhos para a frente e para trás e com o ovo? Já têm dores nos braços como se fossem autênticas velhotas? 

Quando vão passear com os bebés e os levam no carrinho, ficam com saudades deles e, a determinada altura, querem muito pegar neles porque não aguentam mais? 

Em casa eles fazem birra e não vos deixam fazer nada? Só se acalmam ao vosso colo e o vosso sonho é ter o melhor dois dois mundos? Isto é: ter o bebé ao colo e, ao mesmo tempo, fazer outras coisas, tendo as mãos livres? 

Fartas de anúncios que só fazem perguntas? 

Temos este magnífico kit mãos livres para vos oferecer. Neste caso é como se o bebé ficasse boiar à vossa frente, porque praticamente não sentem o peso no vosso corpo.

Já usei marsúpios e, infelizmente, tinha de embuchar um Ben-u-Ron à noite porque não conseguia dormir por causa das dores de costas. Neste caso, está tudo muito bem pensado.

O primeiro Ergobaby foi pensado e feito por uma mãe que teve um bebé com o problemas de  displasia da anca. Por isso, o Ergobaby não é um marsúpio, é uma mochila porta bebés. Ele foi pensando, acima de tudo, no conforto do bebé (ainda não tinha visto nenhum que apoiasse tão bem o bebé) e depois na sua portabilidade. 

Eles não são anémonas, eles têm ossinhos e músculos. E se vão ficar ao nosso colo, o melhor é garantirmos que estão bem, que não estão todos tortos e não vão ficar marrecos ou algo pior.  



O único inconveniente desta mochila é o facto de ser tão segura e tão, lá está, ergonómica que se leva um pouco mais de tempo para estar pronta para enfiarmos o miúdo lá dentro, mas compensa depois com o conforto e com a certeza de que ele também está tão confortável quanto nós. 

Ainda estão a ler isto tudo? Pá, estou a dar-me ao trabalho de escrever, é bom que sim, senão não merecem a mochila. Ganham antes uma nêspera e vão à vossa vidinha. 

Um dos outros problemas com que me deparo com os outros porta bebés é que tento fazer as outras coisinhas, mas depois tenho sempre a cabeça da miúda à frente. Neste caso, este modelo do Ergobaby dá para pôr o miúdo em tantas posições que quase parecemos fazer parte do Cirque du Soleil. 

Se forem um bocadinho burras como eu em ler instruções, em perceber coisas práticas, se demoraram até aos 20 anos a saberem atar os sapatos e, mesmo assim, apertam da maneira mais lenta possível, há solução para nós! Os tipos pensaram em tudo e fizeram vídeos para por na net com uma senhora toda elegante (mete um bocadinho de nojo) e bonita a explicar tudo devagarinho (além disso podemos por no pause, o que é excelente!). 

Está aqui o site do bicho e, já agora, está aqui também o modelo que escolhi e que vocês podem ganhar! Não sei se vão ter que levar também com a cor que escolhi, mas olhem, amanhem-se. ;)



Para participar é preciso:
1) Fazer like na página Ergobaby Portugal 
2) Fazer like na página d'a Mãe é que sabe
3) Partilhar publicamente este link no vosso perfil do Facebook
4) Preencher o formulário em baixo

Condições:
O vencedor será anunciado no dia 22 de março de 2015, sendo aceites inscrições até às 23h59 do dia anterior.
O vencedor será escolhido aleatoriamente através de random.org.
Só é válida uma participação por endereço de e-mail.



domingo, 1 de março de 2015

a Mãe sugere (#02) - Tartaruga Psicadélica

Fartas do barulho do mobil deles? Já não podem ouvir as caixinhas de música e ter que lhes puxar a corda?

A minha madrasta ofereceu isto à Irene. O meu irmão Tiago tem isto desde pequenino e ainda hoje adora (já tem 8 anos).



Se calhar até já conhecem, mas eu só conheci por ter visto no quarto do meu irmão Tiago nas vezes em que ia jantar a casa do meu pai. 


                                    


É uma tartaruga, a pilhas. Não, não é só. Além de ter três cores de luzes "de presença" (embora fortes quando as pilhas estão no auge), a luz faz com que as estrelas da carapaça fiquem projectadas no tecto do quarto. Adoro, adoro. A Irene também. Ela é um bocadinho totó porque, durante uns tempos, desmancha-se a rir sempre que aquilo está no modo de trocar de cores entre si, mas depois acalma-se. 

Não tem música, o que é óptimo. Entretém e não excita muito. Ela já adormeceu com isto ligado várias vezes e aquilo desliga-se sozinho passado algum tempo (não sei quanto). 




A minha madrasta encomendou neste site, mas já vi à venda umas com um aspecto bem rasquinho (mas, na volta fazem o mesmo) na Alle Hop. 


quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Já somos famosas (#04) - Mustela

Joana Gama (JG): Cabra, cabra, cabra, cabra.

Joana Paixão Brás (JPB): Estás parva? Sabes que as pessoas da Mustela vão ver isto e começas o post assim?

JG: Não gostei de ter sido abandonada. Fomos ao evento Mustela para as embaixadoras e imprensa e a Joana teve de ir embora a meio para "trabalhar". 

JPB: Desculpa lá se tenho de fazer pela vida! Nem percebi essas aspinhas de caca.

JG: Cabra, cabra! Ainda por cima estava lá a Vanessa Oliveira que, muito querida, nos convidou para nos sentarmos ao lado dela e, por isso, ficámos na mesa das celebridades. Quando a Joana foi embora, lá fiquei eu só sabendo quem era a Rita Mendes. 

JPB: Pá, tu já nos vídeos não me deixas falar, nos posts escritos a meias também vai ser assim? Mau! Estás ressabiadinha por eu não ter ficado a parecer um lemur na foto como tu, não é?



JG: Nem sei por que é que fui ao melhor cabeleireiro que há por aí para depois não me pentear. Já viste os cabelinhos da tanga por causa da gravidez? Que nervos! E o que é que aconteceu ao meu colar? Achou por bem enfiar-se na minha axila. Fetiches. Tu, por acaso, ficaste muito bonita, Joana.

JPB: Tira a mão da minha perna!!! Não gosto desses climas esquisitos. 

JG: Vamos por o vídeo?

JPB: Para que é que o teríamos gravado, então? Que nervos.

JG: Está muito nervosinha, está a menina. Agora que fica bem nas fotos já ganhou moral.






JPB: Viram tantas coisinhas boas? Vamos só explicar-vos o que se passa. Assim que tivemos o blogue quisemos logo associarmo-nos à Mustela por ser a nossa marca preferida.

JG: Lá foi a escrava à reunião e acabamos por ficar embaixadoras Mustela, isto é, pessoas que gostam da marca e que fazem parte da família. 

JPB: Não diríamos que gostávamos, sem gostar. E não é por nos oferecerem cremes que iríamos estar a mudar a nossa opinião sobre as coisas. Aliás, somos nós quem pede os cremes, por isso não estamos a ser subornadas.

JG:  E hoje o evento foi muito para falar sobre isso. Em toda a investigação que está por trás dos produtos Mustela. Foi muita informação para a minha cabeça, por acaso.

JPB: Tu até a montar legos tens dificuldade, é normal. 

JG: Sou selectiva nas coisas que acho que valham a pena pensar, é mais isso. Olha, tu ainda não viste os sacos das prendas com atenção porque não tiveste tempo, estás a trabalhar, mas lá dentro acho que está a melhor invenção de sempre.

JPB: O quê? Um tira-buços por telepatia?

JG: Não. Isto!



JPB: Um saquinho? 

JG: Um saquinho que deita cheirinho a Mustela para por nas gavetas!! Eu não sei se vendem isto, mas se não venderem é por parvoíce! Acho que estamos perante um best seller.

JPB: Então oferecem-nos um saco com uma dezena de produtos para falarmos deles e explicarmos para que servem e tu centras-te no saquinho?

JG: Os produtos já conhecemos de trás para a frente. Aliás, se a Mustela é líder de mercado é porque a maior parte das mães que nos lêem também conhecem. Agora... o saquinho? Bem jogado, Mustela. Eu compraria isto para todas as gavetas lá de casa.

JPB: E como não há à venda e esperta como és, vais ter a brilhante ideia de encher as gavetas de creme, não vais?

JG: Não tens o Alta Definição ou o Fama Show para fazer? 

JPB: Sim, tenho de TRABALHAR, sim. Não estou de pijama sentada com a regueifa no sofá, não. 

JG:  Obrigada Mustela pelo convite!!

JPB: Mas, acima de tudo, pelo saquinho de cheirinho, já sabem... 



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Atenção: não usem marsúpios!

Senão, depois, não querem outra coisa...

Ela não parece contente, mas é porque estava a olhar para o Pai. ;)


Dei o meu melhor para esticar o pescoço e não se reparar na papada. O marido teve de cortar a foto assim por causa do buço. Do meu, claro. A Irene também tem mas a ela ninguém lhe diz nada, cabra. Sim, chamei de cabra à minha filha. 


Mas ela não parece muito importada. ;)



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Inventam tudo (#09) - Sem água nojólhos!

Se os vossos filhos forem esquisitinhos como o meu irmão era, que praticamente não queria tomar banho para não levar com a água nojólhos, das duas uma: ou vai de banho à gato, com toalhetes ou compressas com água lavante ou compram uma coisa destas:


Skip Hop
Dizem eles que a borda é flexível e que se ajusta ao encostar à cabeça dos putos. Fiquei curiosa.

Já alguém experimentou isto? Resulta ou é tanga?

sábado, 14 de fevereiro de 2015

a Mãe dá (#07) - Coffrets Mustela

Temos aqui um a Mãe dá muuuuito, muuuito suave e bem cheiroso.
Como já repararam, fazemos parte da família Mustela. São mesmo os nossos produtos preferidos!

Para mim, são tão o cheirinho do bebé que, antes de estar grávida, fui cheirar um Musti (refiro-me à água de colónia da Mustela) a uma loja, às escondidas (porque iria parecer esquisito entrar só para fazer isso) para me sentir mais perto de ser mãe.
Tenho alguns problemas de cabeça, sim, mas estava desejosa de engravidar e as coisas já estavam a levar demasiado tempo, hehe. 
Bom, chega de falar de mim (será que consigo?).

Vamos falar dos coffrets Mustela que temos para oferecer. Temos, para dar: dois coffrets exclusivos da Mustela que vêm com o perfume e com o Musti em azul ou cor-de-rosa.

Olhem aqui a fotografia, que bonitinhos: 

Visto que está aí o Carnaval, achámos que seria giro enviarem fotografias dos vossos bebés com uma máscara de Mustela: um coração na bochecha com creme, uma bolinha no nariz... Mostrem-nos as vossas criaturas para depois, quando divulgarmos os vencedores (que, apesar de serem escolhidos aleatoriamente, não deixam de ter o envio da foto como requisito de participação) termos umas fotografias queridas para mostrar. 



Para participar é preciso:
1) Fazer like na página d'a Mãe é que sabe (mas isso já está, não é?)
2) Partilhar publicamente este link no perfil do Facebook
3) Enviar, por e-mail (amaeequesabeblog@gmail.com), a tal fotografia do vosso bebé "mascarado" com creme na cara, com o assunto MUSTELA, com NOME (do participante e da criança), MORADA e link do Facebook.

Condições:
O vencedor será anunciado dia 21 de Fevereiro, sendo aceites inscrições até às 23h59 min do dia anterior.

Os vencedores serão escolhidos aleatoriamente através de random.org.

Só é válida uma participação por endereço de e-mail.


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Inventam tudo (#07)


Mas o que é que o raio da miúdo tem na boca? Parece que está a comer um pedaço de sabão dos antigos, mas com um gargalo, é isso?

É isso, mas sem ser.

Este alimentador anti-sufoco (como lhe chamam e acho que é horrível) tem duas partes: a do adaptador de garrafas e afins a uma tetina (giro) e a do chucha-coisas. 

Mete-se a fruta ou o bife de alcatra dentro de uma rede e damos-lhes para eles andarem a chuchar nisso. Se pusermos um magret de pato, também deve dar para ir que nem ginjas. 

Apesar de ser uma coisa tentadora de experimentar (por ser um gadget, no fundo), acho que a Natureza funciona muito bem. E, se eles não conseguem ainda trincar e engolir determinados alimentos é porque, também, não devem. 

Ir devagarinho será sempre melhor do que pô-los a chuchar numa rede, digo eu. 


O que têm a dizer? Além de que a coincidência da senhora ter levado uma camisola da cor do alimentador ser bastante agradável à vista?


a Mãe dá (#06) - Bomba de leite Bébéconfort®

Ahhhh! Saudades que pingassem coisinhas para as nossas mães preferidas (que não as nossas)? Nem por isso, não é? Pois. Somos muito fofas (eu até um bocadinho demais, mas já ando a jantar só salada - se calhar, convém dizer que é a Joana Gama que está a escrever, que a outra não merece este tipo de comentários).

É mesmo de "pingar" que vamos falar, mas de pingar leite. 

Não sei se sabem (deviam), sou muito muito fã da amamentação (quase todos os meus posts têm sempre uma notinha sobre isso vejam lá aqui). 

Ora, como queria continuar a amamentar a Irene quando voltasse ao trabalho (pus uma licença de 5 meses mais um mês de férias), tinha de fazer um bom stock de leite materno para que nada faltasse. Se foi difícil? Foi. Tirar leite e armazenar é um processo que custa muito ao início.

Não porque doa, mas porque parece que as mamas ignoram a nossa intenção e a nossa pressão psicológica não ajuda o corpo a relaxar. Investiguem um pouco sobre isso na net para ser mais fácil para vocês. Demorei um mês a tirar leite depois de todas as mamadas, para aumentar a minha produção ao ponto de conseguir tirar quantidades visíveis. Aconselho a que comecem a fazer o stock de leite assim que a vossa produção esteja estabilizada para não terem pressão de andar a tirar leite todos os dias à noite enquanto estiverem a trabalhar ou terem que levar a bomba para o trabalho. 

Posto isto, houve várias coisas que fizeram com que tirar leite se tornasse desagradável (além de ter que esperar pelo hábito do corpo), uma delas era o barulho. Tínhamos que ver programas com legendas enquanto eu tirava leite porque não conseguíamos ouvir nada do que diziam na Casa dos Segredos (não estou a gozar, vemos e adoramos ver a Casa dos Segredos - também só se estraga uma casa, não é?).

Além disso, eu não podia escrever nada ou mexer no computador ou no telemóvel porque tinha sempre uma mão ocupada a segurar a bomba na mama. 

Até tinha comprado uma bomba bastante cara (Tommee Tippee), confiei no preço, apesar de não conhecer a marca, mas agora estou arrependida. E porquê? Porque conheci o Extrator Elétrico Natural Comfort da Bébéconfort (acabou de sair). A sério, melga. ;)



Mesmo que esta bomba não fosse mais silenciosa, dá para usar sem mãos. Só por isso, até podia ter o barulho de uma rebarbadora que eu não me importava. 

Outra coisa óptima, que não falei ali em cima, é o facto de podermos por o disco que retira o leite por baixo do soutien. No início foi muito giro andar sempre com as maminhas de fora no sofá, até nos riamos com isso, mas depois sinto que a imagem se tornou tão comum que o meu marido já não ligava nenhuma e me via só como um instrumento de tirar leite. 

Ahhh!! Olhem, esta nem tinha experimentado quando usei a bomba, li agora e vou experimentar. Para tirarmos leite, não sei se sabem, mas convém estarmos sentadas com as costas bem direitas para as bombas fazerem um bom vácuo. Neste caso, parece que podemos estar refasteladas no sofá! Que bom! Fico mesmo genuinamente contente por quem vá receber esta máquina. Não têm noção do chato que é: nem toda a gente consegue tirar leite com grande bisga (eu!) e, por isso, todo o conforto é tão, mas tão bem-vindo. Fico contente pela BébéConfort estar a ajudar mães a prolongar a amamentação (eu disse que era fã da amamentação). 

Assim sendo, temos duas salva-vidas destas para oferecer. Vamos embora participar? ;)

Para participar é preciso:
1) Fazer like na página da Bébéconfort Portugal
2) Fazer like na página d'a Mãe é que sabe (mas isso já está, não é?)
3) Partilhar publicamente este link no perfil do Facebook
4) Preencher o formulário em baixo (o link da partilha é o endereço do seu perfil do Facebook)

Condições:
O vencedor será anunciado dia 21 de Fevereiro, sendo aceites inscrições até às 23h59min de dia 20 do mesmo mês.
Os vencedores serão escolhidos aleatoriamente através de random.org.

Só é válida uma participação por endereço de e-mail.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Já somos famosas (#03) - La Redoute


Vá, vamos fazer com que este seja um post muito dinâmico e, como se costuma dizer no mundo da publicidade, "fora da caixa", porque queremos que isto resulte num "a Mãe dá" para vocês e um "a Mãe recebeu para nós". Nesta casa é assim, tudo em pratos limpos, não há cá publicidadezinha de fino. É bom? É. Queremos? Sim. Se queremos e temos, vocês também têm que ter. Tungas.

Joana Paixão Brás (JPB) - Claro que esta parte de cima foi a Joana Gama a escrever...

Joana Gama (JG) - Ai, coitadinha da menina que tem sempre de lavar as mãos de complicações. Estás por aqui?

JPB - Pelos vistos, sim. Vá, rápido que tenho de ir fazer coisas.

JG - Ok, mãe ocupadinha que trabalha e não sei quê. Hoje fomos à mostra da nova colecção da La Redoute.

JPB - Claro que a Joana ficou muito mais entusiasmada com o pequeno almoço. A maneira com olhou para os bolos parecia que não comia há séculos. Olhando para os olhos, claro. Olhando para a barriga, diria o contrário (parece que não para de comer há séculos, eheh). 

JG - Por acaso quem se fez mais à comida nem fui eu e... tenho provas disso!! Parece aquele programa do João Klebber, não parece? Drama nu cásau!


                  


JPB - Um "márron", meu Deus! Ainda bem que sou eu a organizar a festa das nossas filhas, senão elas iam ter "pancakes" em vez de "cupcakes" e cortinas em tom de "macarron". Às vezes é muito frustrante ter que estar a ensinar-te a ser uma senhora. 

JG - Até fui bonita para não ficares mal, mulher. Não sejas assim! 



JPB -  O cabelo da Irene, ahah! Sim, hoje fazíamos um bom par. As duas lindíssimas (viva ao filtro esquisito do teu telemóvel). Porém, tenho de aprender contigo a posicionar a cara para parecer mais magra. Bem jogado, miúda!


JG - Pronto, depois parece que começou a parte de mostrar a nova colecção e, infelizmente, não consegui empanturrar mais a Irene de pão e manga. Ela começou a birrar e tivémos de sair. Pelo menos, deu para tirar umas fotografias giras lá fora. Como foi lá dentro, Joana? Agora parecemos aqueles dois jornalistas da rubrica "Ir é o melhor remédio" da SIC, não parecemos? hehehe



JPB - Lá dentro, Joana, a Ana Rita Clara apresentou-nos a colecção de senhora (maravilhosa, quero tudo! Menos a bela da mini-saia, porque AINDA não tenho perninha para isso. Ainda, ainda!!!), enquanto umas miúdas desfilavam (todas tão feias, que raiva!). Também deu para espreitar algumas imagens das roupas de criança e já fiz aqui a escolha das peças mais giras para as nossas miúdas.

Looks Isabel:
Looks Irene:

Looks namorado da Irene (que a Isabel está terminantemente proibida até aos 32 anos):

JG - Oh! Tenho mesmo pena de não ter visto, mas também estive bem acompanhada lá fora. Depois entrei, pus mais uns bolos à boca, fomos ver as roupas que, por acaso, não vi muito porque estive à conversa com toda a gente que me perguntava quantos meses tinha a Irene. 

JPB - Nem desconfiaram que era um toque de marketing para nunca mais se esquecerem de nós. Muahahah. 

JG - Era mais para ver se ela via um bocado do mundo e não estar tão fechada em casa, mas acho que tivemos mais sucesso por causa disso, sim.

JPB - Eu a pensar que era por causa do meu traseiro.

JG - Não.

JPB - Tirámos uma fotografia no canto das famosas, lá está. A Ana Rita Clara não nos deixou em paz até tirarmos uma fotografia com ela. Chegou até a ser um pouco inconveniente. Haha



JG - Temos de nos habituar a esta vida, Joana. Bolos e Anas Ritas Claras a pedirem fotografias. Mais complicado que isto só ser o tipo que indica os lugares no cinema. 

JPB - Foi assim a nossa manhã! Ah! Esquecemo-nos de dizer que foi no Pestana Palace Hotel em Lisboa e que é um óptimo sítio para passear e tirar umas fotos. E pagar 3,50 euro de parque de estacionamento à nossa amiga...

JG - Não tinha moedas, pá!

JPB - Seja como for, mais novidades em breve e num a Mãe dá ;)