Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

11.25.2018

Custa mais ter o primeiro filho ou ir ao segundo?

Eu já não sei se foi o tempo que amenizou, mas não me lembro de ter sido complicado ter a primeira filha. Apesar de todos os pesares: de não termos uma rede de apoio próxima ou permanente; da amamentação ter sido um processo doloroso; de ter voltado a trabalhar aos 3 meses a tempo inteiro; de ter ido para a creche com 5 meses (graças à boa vontade da avó Béu, da tia Rosel, da tia Raquel, etc etc, que conseguiram ficar com ela e se foram revezando - calhou em tempo de férias); da gestão difícil de quem ia buscar, nos dias mais complicados de trabalho; de um dia ter chorado muito no caminho para a creche, num dia em que ia muito atrasada; de sentir culpa por achar que não lhe dávamos a atenção que ela precisava (ou de uma semana, grávida da Luísa, em que chegava tão tarde a casa e estava tão pouco tempo com ela, que me chamava durante a noite e que só acalmava coladinha a ela, de tantas saudades que tinha). 

Apesar de tudo isto, acho que não foi assim tão difícil habituarmo-nos à mudança que ter um filho acarreta. Em termos comparativos, acho que custou mais passar para o segundo filho. Acho que a Isabel passou a pedir mais atenção e que nem sempre foi fácil gerir o colo para ambas. Ficar sozinha com as duas em casa assustou-me durante algum tempo. Arriscar-me a sair sozinha com as duas era quase um cenário de guerra durante alguns meses: lembro-me da mais velha a meio do desfralde e a mais nova na mama, em plena casa de banho de um supermercado. A gestão das birras das duas. Como meter as duas no carro no meio da chuva, os sacos e o lixo. Acho que veio acrescentar um nível de dificuldade às nossas vidas. E de cansaço. Foram mais noites sem dormir. Custou até conseguirmos equilibrar a balança. E eu estive em casa durante 1 ano e tal, quase dois. E mesmo assim, foi um bocado difícil.

Perguntei à Catarina Raminhos, do 7 da tarde, na viagem de comboio que fizemos a Coimbra hoje, e ela disse-me que lhes custou mais a passagem da vida de casal à vida de casal com uma filha, do que passar de uma para duas. Também lhe custou passar da primeira, com apenas dois anos, para a segunda: "é sempre difícil".

Resolvi perguntar também à Maria Ana Ferro, do Mãe Já Vai, para quem o primeiro filho "foi um choque". "Passar de uma vida de casada e livre para ter nas mãos um bebé - não muito fácil - a meu/nosso cargo, foi muito duro. Daí o medo de ir ao segundo. Mas apesar de todas as dificuldades em equilibrar o bem estar do primeiro com as exigências de um recém nascido, a experiência ajuda e torna tudo, ainda que muito exigente, mais fácil. Perceber que os nossos instintos na maior parte das vezes estão certos. O terceiro filho para mim foi a confirmação de muitas coisas. Se por um lado ter dois ainda pequenos retirou alguma da paz que um recém nascido merece, por outro deu-me paz interior para não ter medos e acreditar 100% em mim. Logisticamente complicou. O carro, as roupas, o espaço. Mas a leveza que se ganha com a experiência que os filhos nos dão e também com a idade supera o pequeno caos que se instala. Relativizar e gerir andam sempre de mãos dadas com três filhos."

Ambas têm três filhos. Eu às vezes tenho vontade de ir ao terceiro filho. Tenho uma ideia romântica da maternidade, saudades de ter um bebé no meu colo e sentir aquele amor avassalador por mais uma pessoa, vê-lo crescer e vê-lo fazer-me rir, sorrir e chorar, de alegria. Imaginar mais um ser maravilhoso no mundo, tal como as irmãs, deixa-me balançada. As relações entre eles, para a vida. O mágico que pode ser uma família grande. Mas depois tenho, por um lado, o David, que não tem esse sonho e que é mais pragmático, e por outro, vontade de conseguir, finalmente, encontrar alguma serenidade, de conseguir vê-las "criadas" e de conseguir ir tendo mais espaço para mim e para o casal. Às vezes acho que a decisão tem fundo egoísta, noutras acho apenas racional. 


Isabel com 4 dias, já em casa.

O que vos custou mais? Do primeiro para o segundo? Do segundo para o terceiro? Do zero para o primeiro? 

Sigam-nos também no Instagram:

11.21.2018

Quando foi a última vez que te sentiste sexy?

Alterei o título para a segunda pessoa do singular porque quis evitar a dúvida "sexys" ou "sexy" no plural mas afinal fico à espera que me digam como é, que não quero morrer burra (no entanto estou preguiçosa e ir aos googles da vida agora não me apetece). 

Quando foi a última vez que se sentiram sensuais? (viram como me esquivei?)

Bem sei que nem toda nos sentiremos sensuais com as mesmas coisas. E até haverá quem raramente se sinta (eu!). Acho que isto não releva necessariamente falta de auto-estima (tenho estima por mim noutras coisas), mas, no meu caso, é apenas uma dificuldade em me sentir com sexappel, provocadora, ou sei lá que mais. Eu sou das que, por exemplo, se esbardalha a rir se tentar fazer um striptease para o marido (tentei, o quê, uma vez?). Mas, sei lá, acho que isso também tem piada: esse jeito desengonçado, de quem não sabe o que está a fazer. Ui, então se me pedirem para fazer um olhar sensual (já pediram numa sessão fotográfica, tinha eu uns 18 anos? ahah), não sei o que isso é. Consigo olhar para mim ao espelho e, apesar do acne e dos defeitos que tenho, achar-me bonita - algumas vezes. Vejo uns olhos bonitos, expressivos, um nariz redondo, com graça, e gosto de mim. Agora daí a sentir-me sexy... vai uma longa, longa, distância. Acho que poderia estar com o corpo mais bem feito do mundo e super fit que não me iria sentir, de qualquer forma. 

Espero, no entanto, que, mesmo com os pijamas largos e com bonecos, o mê-hóme me ache sexy. Que ache isso sexy. Que ache sexy a minha falta de asas de anjo da Victoria Secret e lingerie provocadora. Que goste que eu me sinta "eu".

Isso trabalha-se? Ou nasce-se? 

Digo-vos quando me senti sexy, talvez a última vez. 

Nesta sessão. Há dois anos e picos.



Mentira. Acho que não me senti sexy durante as fotografias - não me lembro - só quando as vi. Não sei se é da maquilhagem, se da postura, da cor do vestido, mas talvez seja sobretudo do decote pronunciado - raríssimo por estas bandas. Talvez também ajudasse o tamanho das mamas, de quem está a amamentar ali nos primeiros meses (já que eu não fui brindada com tamanho considerável), às quais o RAP chamou "implante dos pobres". Lá se foram os implantes entretanto (snif snif).

Posso sempre repetir a sessão ou... não, se calhar não interessa. 

Isto é muito provavelmente um não-assunto, mas gostava de saber: vocês sentem-se sexy? [lá está] Ou seria importante sentirem-se? Trabalham isso?





Fotos: The Love Project
Maquilhagem: Rita Amorim (Kabuki)


Sigam-nos também no Instagram:




11.12.2018

Estive 3 horas a achar que tinha ganhado um BMW e afinal não.

Aconteceu há uns 6 anos. Numa feira havia um passatempo para ganhar um BMW. Um stand, um BMW e uma tombola onde, depois de escrever uma frase inspirada, deixaríamos a nossa sorte. Eu e a minha mãe participámos, com frases diferentes. Não me lembro do que escrevi, mas devo ter usado os meus floreados, ou feito umas rimas, não faço ideia. Deixei lá a minha participação e a minha mãe a dela. Passados uns tempos, recebo um telefonema, que foi mais ou menos assim [perdoem-me, mas entretanto tive duas filhas, duas amnésias e mais uns quantos neurónios cometeram suicídio]:

"- Muito boa tarde.
- Boa tarde.
- Daqui fala xxx, da xxxx, do passatempo BMW xxxx xxxx xxxx
(eu já com o coração a acelerar)
- Sim...
- Era para anunciar que foi a vencedora.
(zumbido, não ouvi mais nada)
- Não acredito! Não estou a acreditar! Oh meu Deus!!!
- Acredite! Parabéns! É realmente um prémio fantástico. Até queria ser o meu filho a dar-lhe a notícia, de tão entusiasmado que estava.
- Estou muito, muito feliz!
- Que bom! Também ficamos por si. A frase estava fantástica [deve ter usado outro adjectivo, não faço ideia da riqueza de sinónimos do senhor].
- Então e agora? Como faço para levantar o carro?
- Agora marca o fim-de-semana no Hotel XXX em Cascais e vem cá levantar antes que tratamos de tudo.
- Ah! Exacto! Venci a noite no hotel, claro! 
- Sim, sim, é fantástico mesmo. [lá está, não sei se foi isto]"

Nisto, uma pessoa telefona aos pais, ao irmão, ao David, comenta no trabalho, diz à amiga, uma grande festa. Afinal não calha só aos outros, que maravilha, Já a fazer planos, vender o meu pequenino, ou mais tarde este, Meu Deus, que carrão, nunca na vida. Isto há pessoas com sorte. Fantástico. Fantástico. E as palavras do senhor a ecoar.

Três horas mais tarde, liga-me o meu irmão que conhecia não sei quem que era familiar de não sei quem e caiu-me tudo. Afinal eu não tinha ganhado um BMW. Um BMW nunca esteve a concurso. Mas sim a tal noite num hotel de 5 estrelas para o qual iríamos de BMW. [nem eu nem a minha mãe percebemos ou lemos as letrinhas pequeninas, sei lá].

Pausa para uma lágrima. 
Pausa para outra.

Não chorei, é figurativo. Mas foi um choque.

Não ter um carrão não era problema. O problema foi ter tido um e afinal não. É aquele chupa-chupa que se dá a uma criança e "Ah! Afinal não podes, enganei-me".

Tem graça por ter sido verdade.



Sigam-nos também no Instagram:

A que brincam elas? - NOVIDADES

Com dois pais que não se levam muito a sério e que embarcam em teatros e danças malucas, acho que já perceberam que não há regras nem limites. Brincamos a tudo cá por casa. Há espaço para livros e puzzles, folhas brancas e brinquedos com luzes, música alta e jogos divertidos. Não há nada mais gratificante do que ouvir aquelas gargalhadas e perceber que estão a crescer, não há nada melhor do que vê-las a aprender enquanto brincam. Há brinquedos que juntam o melhor dos dois mundos: que as fazem rir e que lhes ensinam coisas novas, como o Beat Bo e o Movi da Fisher-Price. Ficam de sugestão já para o Natal. 

Vídeo novo :) 



Post em parceria com a Fisher Price


Sigam-nos também no Instagram:

11.06.2018

Adeus fralda para todo o sempre?


As mães ficam muito felizes ao verem que os seus filhos ultrapassam uma etapa, que estão cada vez mais autónomos e cada vez mais espertos, mas… também é verdade que, a cada nova fase, ficamos com uma sensação agridoce por vê-los deixarem de ser bebés, os nossos bebés, não é? Custa mais ainda quando a probabilidade de serem o último bebé cá de casa é grande - para não dizer enorme. Adeus fraldas para todo o sempre? 

E este ar de marota?

A Luísa já não usa fralda durante o dia. É uma alegria vê-la ganhar mais esta capacidade; uma gracinha quando nos pede para ficar sozinha na casa de banho; e até mesmo quando nem nos chama para a limparmos. Confesso que ainda não estou a 100% confiante quanto a esta parte, ainda gosto de lá ir examinar e ajudar, mas com as Kandoo e agora com as Aquas, que são 99% água, sem qualquer perfume e biodegradáveis – e que ela pode descartar pela sanita -, é mais fácil confiar. O rabinho fica limpo e hidratado e ela assim não se zanga connosco porque não temos de ir “fazer por cima”.

A Luísa tem praticamente dois anos e meio (ou 29 meses e 6 dias, para quem ainda conta os meses – mas PORQUÊ?!!!) e “só” agora teve o click. Já ia algumas vezes à sanita em maio e junho pela graça, mas quando experimentávamos colocá-la de cuecas, achava que tinha fralda e fazia na fralda. Só corria bem quando andava nua em casa, no verão. Se calhava vestir-lhe umas calças ou cuecas, pumbas, chichi. Até que, há duas semanas, andou sem fralda em casa – e estava vestida - e não houve nem um descuido. Não precisámos sequer de a ir lembrando, ela ia sozinha. Decidimos arriscar e lá foi ela para a escola só com cuecas. Está a correr muito bem! Já arriscámos mesmo viagens mais longas de carro, supermercado, restaurante ou teatro e tudo nos trinques – já se distraiu em casa e na escola, mas faz tudo parte do processo. É preciso é ter calma, não pressionar e muito mostrar desapontamento.

Ainda não está preparada para ficar sem cueca-fralda de noite ou até mesmo durante a sesta, que a fralda ainda vem composta – se for como a Isabel, só aos 3 anos. No caso da irmã, por volta dos três, começámos a pô-la na sanita ali por volta da meia-noite (ia a dormir) e a levá-la à casa de banho logo às 6h30/07h. Desta vez, acho que vou esperar mesmo por ver fraldas enxutas, logo vejo. Já ouvi pessoas que decidem tirar-lhes logo as fraldas de vez, mudar a cama de noite ou levá-los ao WC, mas esta é a forma como acho melhor para a nossa família neste momento: aguardar.
Se os vossos filhos tiverem a idade da Luísa e ainda não estiverem nesta fase, lembrem-se: os miúdos são todos diferentes, têm ritmos diferentes e, às vezes, mais vale esperar por eles do que nos regermos pelas expectativas dos outros e causar-lhes stress (a eles e a nós também).

Dicas para incentivar:
- dar o exemplo, mostrar (de um irmão, primo, ou até mesmo o nosso, caso não tenham problemas com isso – nós não temos) e/ou comprar um livro sobre o assunto (nós lemos à Isabel o As Princesas também fazem Cocó, mas há mais)
- comprar cuecas com os bonecos que eles mais gostem
- comprar um banquinho para facilitar a subida até à sanita (também há redutores, mas por cá não foram muito bem aceites; elas ajeitam-se na sanita “normal”)
- perguntar sempre antes de sair dos sítios se quer fazer para evitar stresses na rua ou em sítios sem casa de banho próxima
- há quem ande com bacio no carro, e uns sacos que se adaptam; há ainda uns redutores desdobráveis para levar para todo o lado, o que pode ser mais higiénico
- ensinar-lhes o ritual todo logo desde início: a levantar a tampa, a puxar a camisola bem para cima, a limparem-se, a puxar ao autoclismo, a vestirem-se e a lavar as mãos
- fazer uma festa quando são bem sucedidos [e normalizar e mostrar compreensão quando não conseguem]

Boa sorte para esta fase, que pode ter tanto de gira como de stressante J














*post escrito em parceria com a Kandoo


Tudo o que já escrevemos sobre desfralde aqui.


Sigam-nos também no Instagram:

11.04.2018

Hotel para a noite de núpcias? Este, sem dúvida!

Foi ali que me despedi da vida de solteira (como se a vida se tivesse alterado depois) e onde passámos a noite anterior ao casamento juntos. Sim, sabíamos do "grande erro" que seria os noivos dormirem juntos na véspera do casório e mesmo assim quisemos arriscar. Pausa para explicação: não somos supersticiosos e muito menos achamos que faça sentido dormirmos juntos há 9 anos e, de repente, separarmo-nos na véspera do grande dia só porque alguém diz que tem de ser assim. Respondi a toda a gente com um "mas nós não vamos dormir" por ser uma grande marota :) Não ficámos ali na noite de núpcias porque o casamento não era na região de Lisboa, mas se fosse, podem crer que seria ali.


E que maravilha de hotel! Não que eu tenha grandes termos de comparação, já que não ando propriamente a esfregar este corpinho pelos melhores hotéis do mundo, por falta, essencialmente, de tempo, claro (plim plim - som da caixa registadora), mas já estive precisamente num hotel também de 5 estrelas ali mesmo ao lado (ganhei a estadia num concurso há uns 6 anos, depois conto-vos este episódio que teve imeeeeensa piada, já que eu andei 3 horas a achar que tinha ganhado um BMW e depois afinal... não) e o InterContinental Cascais-Estoril ainda conseguiu superá-lo. É uma experiência única.

O quarto então é uma coisa sem explicação, mas eu vou tentar. Enorme, com uma cama daquelas digna de filme, bandeja com fruta e vinho a receber-nos, uma varanda gigante com vista para a piscina e para o mar, uma banheira excelente com um apenas um vidro a separá-la do quarto... um verdadeiro luxo. É o sítio ideal para uma noite de núpcias ou para descansar antes do grande dia, como fizemos. 







Tevemos a sorte de, em outubro, apanhar uma tarde de piscina mesmo boa. Lanchei, ali mesmo, com o Renato e a Raquel, os meus padrinhos e depois fomos até ao SPA e à piscina interior, um espaço também muito agradável e sossegado.




Depois do banho, fomos jantar ao Atlântico, o restaurante do hotel, envidraçado, com uma vista linda e com pratos mesmo, mesmo saborosos, pelo chef Miguel Laffan, de Cascais e já com duas estrela Michelin no currículo.














Ao acordar, aquela vista e o nascer do sol foi o cenário perfeito para escrever os votos. Emocionei-me muito, ali, na varanda. Senti-me muito feliz. Depois do banho e de um pequeno-almoço que tinha tudo para ser perfeito - e só não o foi porque eu tinha o estômago embrulhado do nervosismo (dá Deus nozes a quem não tem dentes...) -, lá nos despedimos e só nos voltámos a ver para nos casarmos, eu vestida de noiva e em lágrimas, ele sorridente e nervoso.









A experiência aqui foi toda muito, mas muito boa. E começou logo na recepção. Não é todos os dias que nos vão estacionar o carro, que levam as nossas malas até ao quarto, que nos fazem uma apresentação do hotel tão simples e simpática (obrigada, Frederico!) e que somos tão apaparicados. 
Soube mesmo bem! Mais do que aconselho este hotel. Que sejam tão felizes ali quanto nós fomos. 








Sigam-nos também no Instagram:




Ser o irmão mais velho é uma valente treta

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de ter a casa e o coração dos nossos pais só para nós.

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de poder ir ao cinema ou ao teatro ou fazer coisas de "crescidos" enquanto o irmão mais novo não tiver idade. Ou vamos, mas muito menos.

As nossas mãos deixam de ser pequeninas, os nossos pés tornam-se enormes e a nossa pele deixa de ser tão macia.

Deixamos de poder ir a conversar no carro porque o bebé se sobrepõe ou chora ou não nos deixa falar.

Deixamos de poder fazer birras, de nos queixarmos ou de fazer disparates porque olham para nós como pessoas já com mestrado, quando ainda nem fizemos a primária.

Deixamos de poder subir a um muro porque temos de dar o exemplo.

Nunca mais comemos um gelado sossegados. Ou um chocolate por inteiro.

Deixamos de poder fazer jogos de tabuleiro ou brincar com peças pequenas só porque é perigoso para o bebé.

Ser o irmão mais velho é uma valente treta.
Deixamos de ter o nosso espaço, o nosso lugar e de ser incomparáveis.
Deixamos de ter um colo só para nós e de ser pequeninos.
Às vezes nem nos vêem, não nos ouvem nem perguntam por nós na rua.
Não podemos ripostar porque "é o mais novo", "é bebé", "coitadinho dele".
E até arcamos com castigos, à custa do outro. 

Ser o irmão mais velho é uma grande treta.
A chave do diário é descoberta. E os nossos segredos mais preciosos.
Nem conseguimos ir a concertos, festivais ou discotecas sozinhos ou com os nossos amigos.
E, imagine-se, até podemos ter de voltar a viver juntos, para estudar. 
Ir buscar.
Receber chamadas tardias. 
Emprestar carro.
Ficarmos preocupados.

Ser o irmão mais velho, às vezes, é uma grande treta. 
No resto das vezes não.
Sentimo-nos orgulhosos.
Ensinamos coisas a alguém.
Somos protectores. 
Sentimos um carinho inexplicável. 
Temos alguém com quem brincar. 
Um aliado para os disparates. 
Um par para a dança mais maluca. 
Uma mão para nos segurar.
Uma gargalhada, uma piada, e pipocas para partilhar.
E nem sequer nos conseguimos lembrar de como era a nossa vida antes do nosso irmão. 
Duvidamos até que fosse melhor do que é. 
Só lhe desejamos o melhor da vida. 
Queremos que seja feliz, muito feliz.
Tanto ou mais do que nós. 

Da irmã mais velha.




Sigam-nos também no Instagram:

10.25.2018

Encontrei o desporto que mudou o meu corpo e não só...

Já experimentei muitos desportos e modalidades na minha vida: natação (anos), basquetebol, ginástica (trampolim, zero jeito), ténis (muito pouco jeito), cardio kick boxing (muito pouco tempo),  danças de salão (bem criança), ginásio, urban streaptease aerobics (não vale gozar, era bem girooooo, tipo dança de videoclip pop com uma professora fantástica)... ginásio 1, ginásio 2, ginásio 3, ginásio 4 (só da última vez, quando estava em Santarém, consegui gostar!) e mais uns quantos que me devo estar a esquecer.

Neste último ano, desde que regressámos do campo para a cidade, não mexi uma palha. Não sabia encaixar; tinha como prioridade dormir (e ainda tenho); achava a hora de almoço curta para ir ao ginásio, tomar banho e voltar ao trabalho; ir buscá-las já às 19h, casa, jantar e banhos: impossível à noite... até que descobri o Yoga, através da Joana Gama, que andava a "chamar a Sofia" (viram o que eu fiz aqui, Chama a Sofia ? uau!, que trocadinho nunca antes visto!...).

Experimentei, na fase mais louca da minha vida, com os preparativos para o casamento, filhas, trabalho e blogue (e com o David a trabalhar mais), à hora de almoço, e percebi que era isto. Era o que me fazia falta, era o que me fazia relaxar verdadeiramente e - eu não fazia ideia - está a ajudar-me a sentir músculos que eu nem sabia que tinha. A focar-me em mim, a centrar-me em cada parte do corpo. A aprender a respirar. A replicar o que sinto nas aulas para momentos de maior ansiedade. Ajuda-me a relativizar tudo, a afastar as más energias e pensamentos para longe de mim. A exigir mais um bocadinho de mim, da minha flexibilidade, do meu equilíbrio, mas a aceitar os minhas limitações. Com calma.

Eu era céptica, tão céptica. Tenho a certeza de que a minha mãe até se ri ao ler isto. Ela que fazia yoga e pilates e meditação e eu acenava com a cabeça a fingir que estava a ouvir o que ela me dizia. Era miúda.

Cheguei a tempo. Estou cá. E é para sempre.

Obrigada Mahima por me ajudares a descobrir-me, pelo incentivo e pela sabedoria.


Não quer dizer que não venha a fazer outras coisas entretanto e ao mesmo tempo: acho divertido dança, às vezes até tenho saudades de correr e até de alguns exercícios no ginásio, mas, para já, está a saber-me muito bem (só) isto. 

Sigam-nos também no Instagram:


Há casamentos que proíbem crianças

Durante os preparativos para o casamento, alguém comentou que tinha recebido um convite para um casamento que dizia "NO KIDS". Já tinha ouvido falar de amigos de amigos que tinham pedido aos convidados, ou alertado, para não levarem filhos.

Também já aqui vos falei que, até com 1 mês, a Luísa nos acompanhou a um casamento de uns amigos. Aliás, nem me recordo de algum casamento a que tenhamos ido os dois e a que a Isabel não tenha ido. O que às vezes fazíamos - quando dava - era deixá-las, depois do jantar, com a avó. Fizemos isso mesmo ainda no último a que fomos e, sinceramente, foi melhor assim: aproveitámos as garotas até uma hora decente e depois divertimo-nos os dois juntos.

Eu gosto de ter as minhas filhas connosco na maior parte do tempo. Aproveito essa tarde para as ver, ver como brincam, apreciar a forma como dançam, dar colo e matar saudades da semana. Uma amiga chegou a dizer-me que até equacionou deixar as filhas com os avós, mas como tinha estado uns dias sem elas antes, em viagem, não iria conseguir. Percebo-a e bem.

Nós temos filhas, temos sobrinhas, temos primos pequeninos e temos filhos de grandes amigos, com os quais convivemos e dos quais somos chegados, pelo que não fazia sentido limitar o nosso casamento a eles. Agora, não me choca que alguns noivos, que não tenham crianças na família, nem muitos amigos com filhos, queiram reduzir stress e, quem sabe, até custos, e que proponham isso aos amigos, até para que eles se possam divertir. Acho que só se consegue pedir isso com bastante confiança. No entanto, até nós tivemos de enfrentar essa situação. As crianças no espaço onde casámos não podiam ultrapassar uma determinada percentagem relativamente aos adultos (e só nos apercebemos disso mais tarde... demasiado tarde) e perguntámos, aos dois colegas do trabalho do David com filhos - porque achámos que eles não se iriam importar -, se se importariam de não levar. Com algumas pinças e cheios de medo de estar a ser indelicados. Corremos esse risco.  :/
E mesmo assim tínhamos 13 crianças para 67 adultos, noivos incluídos. 

Eu, que por acaso gosto muito de levar as minhas filhas connosco a tudo e mais alguma coisa [menos lua de mel, vá ahahah], não ficaria chocada se me perguntassem se eu teria com quem deixar as crias ou se me sugerissem ir sem elas. Apenas não saberia se isso seria possível. Mas também percebo quem fique chateado. Sou sensível aos dois lados da questão.

Para mim, era ponto assente que, no nosso casamento, teríamos crianças e que teríamos babysitters. As 3 meninas da On Nanny eram muito simpáticas e profissionais e conseguiram entretê-los com pinturas faciais, balões, deram-lhes o jantar e brincaram com eles. Os pais comeram descansados. Achei uma boa qualidade preço! 

Depois, quis ter uma mesinha com alguns doces e a Maria das Festas trataram do assunto em menos de nada (foi praticamente de um dia para o outro, são incríveis). "O amor é doce" estava escrito nos saquinhos para que pequenos e graúdos se servissem. A decoração foi ao encontro de todo o casamento: adorei! [Atenção que a Maria das Festas agora, a par das festas de anos e eventos corporativos, também faz casamentos, a coincidência! Boa sorte, meninas!!!].





































Estes chocolates estavam lindos! Como não tínhamos presentes para os convidados senti-os como a recordação do dia

Fotografias The Love Project 


E vocês? Ficariam ofendidas caso vos pedissem para não levar filhos? 
Levam sempre? O que acham deste assunto?


Sigam-nos também no Instagram: