Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Joana Paixão Brás. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Não deixem o amor morrer.

Já todos sabemos que não é um bebé que sustenta uma relação. Aquela máxima de "engravidar para segurar um homem" ou ter um filho para tentar salvar um casamento é crendice do passado. 

Neste momento, acho que já todos temos consciência de que a relação do dia-a-dia, o amor, a cumplicidade, a união na saúde e na doença, a noção do lado lunar do outro, o respeito e a empatia já têm de vir de muito antes. Se não vem - porque nunca antes havíamos sido confrontados com esse teste - tem de passar a haver. E a verdade é que um filho vem mudar muita coisa. Muda a casa, muda os horários, muda os estados de espírito, muda corações. E, ao mesmo tempo que os muda, acrescenta. E ao mesmo tempo que nos acrescenta uma força que não sabíamos que existia, acrescenta medos, acrescenta incertezas e traz ao de cima algumas das nossas maiores inseguranças e fragilidades. Perante o assoberbamento que é ter um filho a depender totalmente de nós, ficamos expostos. Totalmente nus.

Com o nascimento a paixão, como todas as outras, deixa-nos meio anestesiados no início e com borboletas na barriga. É uma explosão tão grande de emoções que choramos, rimos, ora estamos tranquilos e orgulhosos a olhar para aquele ser a dormir, tão perfeito, tão nosso, ora estamos em rebuliço a achar que não damos conta. E é na soma desses dias, em que começamos uma nova vida - todos -, em que nos vamos conhecendo e redescobrindo, em que vemos nascer e crescer uma criança, mas também dois pais, que o amor se sustenta.

Se não conseguirmos esperar que o outro se reencontre, se não conseguirmos colocarmo-nos no lugar do outro e perceber que há muito por curar, há um corte e um luto com o passado por fazer, há até memórias de infância que surgem, inesperadas, há um nós que às vezes não reconhecemos e que demora a reconstruir-se ou a aceitar-se, há sono, há cansaço e há - acima de tudo - mais uma pessoa na equação.

Nem tudo vai continuar a ser igual. Arrisco-me a dizer que nada vai continuar a ser igual. E se no meio desta mudança, a relação não sobreviver, então não é amor. Porque o amor é compreensão, é paciência, é abertura para tentarmos encaixar novas rotinas e novos "eu" na história. Amar é tentar, é dar uma nova oportunidade, sabendo esperar. O amor sobrevive a maus feitios, a zangas miúdas e a grandes, sobrevive a dias ou semanas com falta de sexo, a muito sono e a birras, de todos. Mas só sobrevive se for alimentado - mesmo com períodos de jejum-, só sobrevive se relativizarmos palavras afoitas ditas a meio de uma noite mal dormida, só sobrevive se dermos e recebermos e se tivermos noção de que amor não é só o prazer momentâneo e auto-satisfação. É abdicar também, é procurar também a felicidade do outro. Amar dá trabalho, ao mesmo tempo que não dá trabalho nenhum, porque, se de coração aberto, não custa nada.



Fotografia: Joana Paixão Brás



............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Na Páscoa não temos de lhes dar (só) ovos de chocolate!

Já sabem que cá em casa evitamos porcarias (só quando o rei faz anos) e, mesmo em épocas festivas, gostamos muito de moderação. No ano passado escrevi Cá em casa não há ovos de chocolate. Ponto final. e a verdade é que não houve. Este ano também não faço grande questão. Se algum tio ou avó oferecer, não cai o Carmo e a Trindade (já tem 3 anos e se comer um chocolate de vez em quando já não me faz confusão), mas eu não vou oferecer dos de compra. A não ser que haja por aí alguma opção melhorzinha, há?

Logo à noite dar-vos-ei algumas ideias de receitas boas para fazerem com eles.


Comprei este ovinho do coelho na H&M, que traz uma surpresa, um anel com um coração e não me enganei: adorou! :)

*
Sim, cortei-lhe o cabelo! Eu. Euzinha. "Estás linda, filha!" disse-lhe, com vontade de me mandar para baixo de um camião. -» Post aqui.

Ler também:
Mas por que é que lhes continuamos a dar papas com açúcar? 
 
............

............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

EU cortei-lhe o cabelo e...

Quando fiz o primeiro corte quase chorei. Fiz aquele erro crasso de principiante que é esticar bem o cabelo para baixo de um dos lados e zás - tesourada a direito. Ora, quando larguei, subiu ao lugar dele e ficou acima do que eu queria. Quem me mandou?! Disse para dentro, quase a morder a língua. "Estás linda, filha!" disse-lhe, com vontade de me mandar para baixo de um camião. Por que é que as mães têm de achar que conseguem fazer tudo e ainda várias coisas ao mesmo tempo? Ele é cortar batatas com facas afiadas com eles ao colo enquanto se limpa o ranho e se faz agachamentos e tudo isto sem dormir grande coisa. Ele é maquilhar-nos no carro no trânsito enquanto se faz caretas e canta O Panda Manda? Calminha. Está bem que está provado cientificamente que o cérebro das mulheres faz mais sinapses, mas daí a querermos ter dotes para tudo vai uma distância. Achei que ao levar as duas ao cabeleireiro para cortar ia demorar mais tempo e assim poupava uns trocos. Oh senhores! O arrependimento enquanto lhe cortava. E depois ela não parava um bocado quieta e aquilo já me estava a enervar. Pontas e mais pontas e o raça do redemoinho que ela tem atrás igualzinho ao do pai e "agora ficas aqui com um corte à Bairro Alto todo excêntrico que te lixas". Resolvi parar. "É melhor irmos a uma profissional, antes que vá cortanto cortanto cortando para melhorar e fiques com um corte à padreco.

Mas afinal hoje já gosto mais, até porque no dia seguinte, com mais calma e mais em mim, fui aparando os pequenos cabelos que tinham ficado mais desalinhados e porque já me habituei a vê-la assim de cabelo curto. Fá-la mais pequenina e gosto disso. Está mais fresca, mais prática e com um ar muito querido. Não está perfeito, não está (de longe), mas não está nada mal.

Mas, pelo sim, pelo não, acho que não me meto noutra. Não vá ficar como o corte que a Joana Gama fez à Irene uma vez. (ahaha gargalhei outra vez só de ver).















............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

2,5 kgs perdidos numa semana... a COMER!

*este título não é o mais importante do que eu consegui. A força mental, sim. Mas quis cativar-vos.

Não é novidade que as dietas iô-iô não ajudam ninguém. Aquela coisa de que para se perder peso se tem de fechar a boca (já ouvimos alguém dizer isso pelo menos uma vez na vida), isto é, ingerir menos calorias do que as que o corpo precisa, sabemos que pode resultar a curto prazo mas, como não é nada que possamos suportar ad eternum, acaba por resultar num aumento de peso exponencial assim que voltarmos a apanhar comida à frente.

Sabemos também que, em princípio, com uma dieta equilibrada, sem passar fome, e com muito desporto a coisa também se dá, mais devagarinho, mas mais consistentemente. Porém, nem sempre é fácil arranjar tempo para o exercício (csssss cssss - é o som da chibata, mas quero voltar que tenho uma corrida de 10kms para fazer já dia 22, socorro!!!) mas a alimentação é meio caminho andado para a perda de peso. Tenho-me vindo a aperceber de que COMER é a solução. E quanto mais limpa, do bem, for a comida, melhor nos fará. Se cortarmos ao máximo os processados, comendo quando temos fome e não segundo aquela imposição das 3 em 3 horas - e vamos ver que se comermos bem não vamos ter fome tão cedo - e baseando-nos numa dieta o mais próxima do paleolítico que conseguirmos (ou quisermos), garanto-vos que não só perdem peso (ganhando saúde), como se vão sentir com uma energia maior. Perdi logo na primeira semana 2,5 kg e a comer, sem esforço por aí além. Confesso-vos que o desmame do açúcar não é fácil, passar a beber café sem adoçar também não, mas prometo que o vosso corpo se vai adaptar e vão agradecer.
Eu não sou "fundamentalista" (aliás, podem ver os estragos que fiz no fim-de-semana - e não foram poucos), mas com algumas alterações vi logo resultados. Não sigo paleo à risca, mas é dos estilos de vida/alimentação que mais sentido me faz (viram a entrevista do Alta Definição com o Dr. Manuel Pinto Coelho? VEJAM!) e, por isso, apesar de andar ali muito na zona "cinzenta" e comer coisas que não são perfeitas, se fizer 80% já considero muito bom. Tenho uma amiga que perdeu 21kgs, está a maior brasa, e acima de tudo, está muito mais saudável. Se tiverem interesse, entrem no grupo Paleo Descomplicado.

Como não faço PALEO a 100%, mas não quero asneirar muito, ataco um dos muitos snacks da The Healthy SnackBox, que tem coisas maravilhosas (e cada vez me surpreendo mais), mas tenho-me vindo a aperceber de que frutos secos, um ovo cozido ou cenouras são um óptimo snack.

Sim, amamento (e muito). Li muito e, depois de iniciar com esta mudança de vida, passei a conhecer melhor o meu corpo. Nas semanas em que não cumpro à risca, não aumento, apenas não perco grande peso. Mas volume? Está à vista. Agora, para tudo ser perfeito, falta exercício físico, mas estou pronta para dar esse passo, deixando a Luísa com alguém de confiança, 1 hora e meia por dia, 3 vezes por semana.

Uma publicação partilhada por Joana Paixão Brás (@joanapaixaobras) a



Salada de atum, maçã verde, ovo, azeitonas, rúcula, alface. "Tosta" de queijo e atum. Tomate. Morangos.

Waffle saudável (com polvilho doce e azedo, ovo e queijo grego) e abacate com limão e canela. Kiwi e morangos. Café com óleo de côco e canela.


Quiche sem base, com ovo, polvilho, cogumelos e espargos

Pequeno-almoço: ovo mexido, abacate e kiwi.

Empadão de atum com batata doce. Salada. Ali ao lado acho que era abacate com limão e coentros.

Waffle com morangos, "chantily" de côco.

A caixinha dos meus snacks maravilha (nem tudo é paleo, mas eu gosto de "misturar". :)



Pudim de matcha com chia - muito cremoso e suave.


 .............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Sapatos iguais para as três?!

É a loucura! Depois desta podem mandar fechar a internet porque nada ultrapassa o nível de pirosice e fofura. Então quem é que vai andar aí a arrasar com Avarcas Menorquinas Originais todas blink blink da Maria Pipoca?
A gente. :) difícil foi decidir-me pela cor, mas optei por arrojar. Fico feliz por cada vez mais marcas terem 41 para patudas e são mega confortáveis. E o que é aquele 18 fofinho?...






Luísa a estragar cenários desde 2016. (Nunca estraga, amor mais querido).






Adoro estes pézinhos todos.

Avarcas Menorquinas - Maria Pipoca

 ............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.


terça-feira, 4 de abril de 2017

A qualquer hora, em qualquer lugar.

Sempre dei mama em qualquer lado. Quase. No local de trabalho, se íamos visitar o pai, não me sentiria bem a sacar da mama e a dar ali à frente do chefe, nem via grande necessidade ou urgência nisso. Mas quando digo "em qualquer lado" é basicamente não sentir que tenho de ir para o carro ou para uma casa de banho. Vou se quiser, não tenho de. Custou-me, numa ida a um hospital privado, que me tenham sugerido por duas vezes ir para um cantinho da amamentação, quando eu disse que preferia ficar ali na sala de espera normal, simplesmente porque tinha a minha filha mais velha ali e não a queria abandonar nem privá-la de estar a brincar com os bonecos. Da segunda vez que a mesma pessoa me veio sugerir ir para o cantinho da amamentação, senti que já não era para que eu me sentisse mais confortável, era porque ele não estava confortável OU não queria que os outros utentes ficassem desconfortáveis. Poderia ter ido se estivesse só com a bebé. Não tinha de. E é isso que eu defendo: a escolha. 

Já dei mama no carro porque naquele momento era o mais confortável para as duas (e assim não se distraía tanto), já dei mama com um paninho a cobrir parte da mama, tentei dar à Isabel com um avental e não corria bem porque a miúda suava em bica (nesta nem experimento), já fui de propósito para espaços e cantinhos de amamentação. Agora também vos digo: há cantinhos de amamentação/fraldários que não lembram ao diabo. Ou cheiram a cocó (e eu levo na boa com o cheiro a cocó das minhas filhas, mas dos outros dispenso), ou estão ao lado de uma zona de fumadores e aquilo está empestado, enfim... 

Depende do momento, mas regra geral, se a miúda tem fome ou sede o que seja, saco da mama, com discrição (como penso que qualquer mãe, pelo menos nunca vi nenhuma a puxar para cima o vestido para amamentar ou a andar a passear por aí sem camisa), sem pudores e sem grandes alarmismos. Quando sentirem que estão a fazer algo de errado ou a incomodar alguém - que estupidez sentir-se isto - pensem que até o Papa já falou pelo menos duas vezes sobre este assunto: amamentem "sem medo e com naturalidade, tal como a Virgem", referindo-se às mães dos bebés que estavam a ser baptizados.

Eu sou das que acha bonito ver um bebé a ser amamentado. Não têm de achar, claro. Mas todos temos de respeitar. Tenho fotografias a amamentar em museus, em parques, em restaurantes, em casa. Desta vez foi na festa da Isabel e da Irene. É onde calha, a qualquer hora, em qualquer lugar. Tão natural como a sua sede. 

Susana Cabaço Fotografia


............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

Ela aí vai!

Andava indecisa se seria melhor bicicleta com rodinhas, sem rodinhas, com pedais, sem pedais mas ainda bem que foi esta da Imaginarium que ela recebeu: evolutiva, sem rodinhas. Os pedais põe-se assim que ela ganhar equilíbrio em cima dela. Foi uma bela prenda dos três anos, sem dúvida. E com este bom tempo acho que a Isabel vai fica uma pro da bicicleta num instantinho. 
Dúvida: vale a pena apostar em capacete e outros acessórios que tais?


















Bicicleta - Imaginarium
Sapatos - Moc Moc
Camisa - Zippy
Calças - C&A
Coroa - não faço a mínima ideia ;)

............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O nosso fim-de-semana em imagens

O fim-de-semana é a minha parte preferida da semana. (Vamos fingir que esta frase não parece ter sido escrita por um miúdo no primeiro ano.) É quando podemos ser família, estarmos, abraçarmos, sem olhar para o relógio ou ter uma pálpebra nervosinha só porque eles se demoram mais a vestir. Há tempo para tudo.
Neste conseguimos encaixar compras de supermercado, algumas arrumações básicas, refeições e banhos com coisas que gostamos muito de fazer: comer, basicamente. Mas não só.
O nosso fim-de-semana em imagens. Sim, está no título e o post podia começar aqui agora. Escusam de ler para trás. Já leram? Que perca de tempo. Perda, eu sei, era só para ver se estavam atentas.

Isabel pela verdura. Vai formosa e não segura.



Adoro esta camisa da Zara. E os sapatos são Moc Moc

Fomos comer um gelado de cheesecake de lima. E um croissant. E uma torrada.
Os gelados artesanais da Pascoalini são divinais

Fomos à feira Mamãs, Bebés & Companhia




Fomos almoçar ao Terraza by Digusto








Além disso, andou de bicicleta, ajudou o pai a fazer o jantar, contámos uma história, fizemos plasticinas, brincámos com Legos, ajudou a estender a roupa, andaram de baloiço, a Luísa dançou, vimos dois episódios de uma série nova da Netflix, "Por Treze Razões"... é irem seguindo as stories do meu instagram e o dito, que vou lá mostrando mais coisinhas.



 ............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

domingo, 2 de abril de 2017

Coisas imprescindíveis para o bebé (e para nós)

Já fizemos aqui algumas listas de maternidade, mas resolvi compilar as várias e - agora que já passei pela experiência de parto no público - fazer uma a conjugar tudo: coisas para a maternidade e coisas para a casa, para os primeiros tempos. É sempre útil.

MALA DE MATERNIDADE DO(A) FILHO(A)
- Três babygrows fáceis de vestir (nada destes para os quais a Joana Gama chamou a atenção aqui que, por sinal, eram do género do primeiro que a Isabel vestiu e tive as enfermeiras em stress a tentarem vestir-lhe aquilo). Acho que, no verão, de algodão serão suficientes.
A primeira roupa da Isabel e da Luísa <3
- Três bodies de manga comprida, de algodão (compro os interiores e os pijamas quase todos na Primark)
- Três calças interiores (Zippy) ou collants (Calzedonia, Zippy, Condor - estas com números pequenos)
- Um casaquinho de malha
- Um gorro (perdem muito calor pela cabeça), mas depende muito do calor do hospital
- Quatro pares de meias
- Fraldas q.b. (alguns hospitais dão as fraldas, mas não custa levar umas quantas e se for preciso alguém traz mais). Eu comprei Dodot para a Isabel e para a Luísa experimentei estas ecológicas da Bambu, à venda por exemplo na Origami Kids [Dizem que as Libero para recém-nascido também são muito boas]. Depois de recém-nascido, uso Dodot ou Pingo Doce.
- Compressas (não usei toalhitas nos primeiros meses), limpava apenas com compressas com água quente - é melhor para eles.
- Fraldas de pano (uma ou duas) ou sacos: no meu caso, fiz uns envelopes com as fraldas de pano para cada uma das mudas de roupa, selados com alfinetes de ama, mas também têm estes saquinhos giros e baratos que descobri esta semana na Dois + Dois = Quatro, que dão para usar também para organizar as malas de viagem

- Toalha para o banho
- Produtos de higiene para o bebé e creme muda-fralda
- Tesourinha ou lima (gostei mais de tesoura) e soro fisiológico



Não acho necessário:
- Chucha (para não atrapalhar a amamentação) nem biberon
- Sapatos nem gangas ou coisas desconfortáveis


MALA DE MATERNIDADE DA MÃE
- Três camisas de dormir (ou aquilo que for mais confortável para vocês, equacionando que têm de  despir para dar mama) - usei umas da Primark e outras da Woman Secret


- Chinelos (de banho e de quarto, ou só de banho)
- Kit higiene + cremes (levo maquilhagem básica porque sou vaidosona no dia de vir para casa)
- Soutiens de amamentação (dois ou três): adoro estes sem costuras das H&M (ainda os uso).
- Discos absorventes para pôr no soutien (caso tenham a subida do leite logo lá)
- Purelan, da Medela - pomada para os mamilos - ou dois cremes que encontrei na Origami Kids - este bálsamo para mamilos e este, um pouco mais espesso, de que gostei muito!


EXTRAS QUE ME SALVARAM A VIDA:
- Elástico para o cabelo (parece ridículo, mas depois esquecem-se e dá tanto jeito!)
- Spray de água termal da Vichy - cara e lábios sempre hidratados. Levei para as duas e sempre adorei a sensação.
- Tena Pants - Ah, pois é, minhas amigas, também eu pensava que me ia guardar lá para os 70 anos, mas segui o conselho não sei de quem, experimentei e não quis outra coisa (quer dizer, quis, quis outra coisa, mas enfim, teve de ser). Ainda experimentei uma vez um penso numa daquelas cuecas de rede que nos dão no hospital e não tem nada a ver, deslocam-se, saem de sítio e é desconfortável. Com estas cuecas-penso (há também de outras marcas em qualquer farmácia ou hipermercado) não há risco de nada sair de sítio, ajustam-se bem e estamos sempre confortáveis. Além de que se rasgam para despir, não tendo de fazer grande esforço para nos baixarmos. Recomendo, sem dúvida! 
- Carregador telemóvel + máquina fotográfica (com cartão e bateria carregada)

COISAS QUE ME SALVARAM AS MAMAS EM CASA:
ler este post - Como sobrevivi ao primeiro mês de amamentação

EM CASA:
- Berço para estar coladinho à nossa cama: nos primeiros meses, pelo menos, o lugar do bebé é bem pertinho de nós. Se quiserem poupar uns trocos, ou não puderem meter-se em mais despesas, a cama de grades colada à nossa também funciona, claro.
- Cama de grades: comprei a cama no IKEA para a Isabel e é a que uso ainda com a Luísa. Adoro. Barata e bonita. O colchão também é do IKEA, mas investi no melhorzinho que lá havia. Vão precisar também de resgardo para a cama, lençóis e uma manta. Ou um saco-cama, como preferirem.

Quarto da Isabel em Lisboa (agora bateram umas saudades... eheh)
- Trocador: é dispensável, se tiverem um armário de gavetas com uma largura considerável, onde possam pôr um muda-fraldas. Eu comprei o trocador no IKEA (Gulliver), com 3 prateleiras, que além do apoio à higiene (com fraldas e produtos dentro de cestas de vime da Zara Home), usei também como biblioteca da Isabel, por estar à altura dela.
- Almofada de amamentação: deu-me um jeitaço nos primeiros meses para a amamentar na minha cama e no sofá da sala - temos esta da Mada in Lisbon.
- Banheira 

CASA/RUA:
- Ovo para o automóvel: temos e o Pebble da Bebéconfort e é excelente
- Carrinho
- Espreguiçadeira (para quando precisamos de ir fazer um xixi, comer ou tomar banho e tê-los sempre debaixo de olho). Temos esta.
- Sling/pano/marsúpio ergonómico: acho meeeeeesmo essencial para eles e para nós. Usei primeiro um pano da Vivi&Me e depois usei e uso - muito - estas mochilas.

ROUPAS:
- 10 babygrows, 3 calças interiores de algodão e 10 bodies 1-3 serão suficientes para começar.
Ter três ou quatro bodies 0-1 mês se o bebé nascer mais pequenito (aqui usaram-se muito pouco tempo).
- 3 casaquinhos de malha e 3 casaquinhos mais quentes
- 4 pares de collants

Não acho necessário: esterilizador, biberons, leite adaptado (só caso não queiram amamentar, claro), brinquedos (no primeiro mês não ligam e vão oferecer-vos também).

Mais coisinhas a acrescentar ou que substituiriam?

 ............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.

sexta-feira, 31 de março de 2017

10 meses de nós. As três.

Cada pessoa é um ser único e especial. A Luísa é das pessoas mais bonitas que o universo já criou (eu limito-me a fazê-la crescer o melhor que sei e consigo), mas apercebo-me de que ela É COM a Isabel. A ver se isto não resvala muito para o esoterismo nem fico a parecer um guru, mas a vida da Luísa, apesar de una, é-o com a irmã mais velha. Por isso, quando comemoro os 10 meses dela, não consigo separá-la da irmã, muito menos de mim. Temos sido um trio fantástico. Com o pai somos os fantastic four.
Nem nos meus sonhos de adolescente, que sonhava em ser mãe, eu imaginava que poderia ser isto. Nem nas minhas brincadeiras de infância, em que era mãe da Matilde e do Francisco, os meus bonecos de porcelana de olhos azuis e tão reais, cheios de canudos louros, que eu deixava no colégio - ali no cantinho do meu quarto - enquanto eu ia para a escola primária, eu poderia sonhar que ter uma família seria isto. É uma corrente inquebrável. É um porto seguro. É uma união que tem tanto de responsabilidade como de magia. Quando digo que me realizo a ser mãe, que sinto que foi para isto que eu nasci, tenho sempre uma ou duas pessoas a dizerem-me que sou obcecada ou que tenho de ter cuidado. Teria de ter cuidado, sim, se isto não me realizasse. Seria obcecada se este sentimento que me ultrapassa me desse para fazer o mal, para colocar as minhas filhas em redomas, com medos de tudo e de todos, se me levasse a ter ciúmes doentios, se isso colocasse a minha (e a delas) saúde mental em risco. Isto é o que me faz feliz, de coração. Dedicar-lhes o meu tempo, brincar com elas, dançar, conversar, passear com elas e com o David. Que mal poderá ter uma pessoa dedicar-se àquilo que mais gosta? Que mal poderá ter ser-se fiel ao que se sente? Em podendo, cumprir um sonho que só nos traz felicidade não é o ideal? Calma, eu tenho outros interesses, eu vejo filmes e séries (menos do que desejaria, mas é a vidinha!), leio artigos de jornal e revistas, namoro (ok, anónima preocupada com a minha relação?), cultivo as minhas amizades... No fundo, o que mudou - e não foi pouco - foi: a minha localização geográfica, não ter um trabalho convencional que me obrigue a cumprir horários ou a estar sempre disponível a qualquer hora, não ter ordenado fixo, estar em casa com a minha filha e dar mais apoio à mais velha e no meio disto tudo resistir a fazer coisas em casa (lavar, aspirar, arrumar) porque não faria mais nada. As prioridades mudaram, a minha disponibilidade mudou, mas o meu sonho cumpriu-se. Há 10 meses.

Nestes 10 meses fui mais feliz do que alguma vez achei que seria. Às vezes ainda tenho momentos em que me apetece beliscar para ter a certeza de que é real. Teve momentos duros, em que duvidei de mim, mas nunca deixei de acreditar que fiz a escolha certa. 

Obrigada Luisinha, por fazeres de mim a mãe de duas mais feliz do mundo. Obrigada, David. Porque sem ti este trio que aqui vemos nestas fotos não estaria tão feliz, tão unido e tão realizado. Escrevi-te numa mensagem esta semana "juntos somos bué fortes", como se de uma adolescente de 14 anos me tratasse e rimo-nos, mas é bom que este nosso amor mantenha sempre esse lado pueril. 
Obrigada, Isabel, por teres recebido a tua irmã como era esperado: com amor, com carinho, com um turbilhão de emoções que é bom que exteriorizes para que possamos ajudar-te sempre. 
















Fotografias - Yellow Savages

Obrigada à querida Inês por estas fotografias tiradas ali num instantinho no meio da festa. Adoro!

Vestidos das miúdas e calças e camisola da mãe - C&A

 ............
............
Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.